Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ao Telefone

         
AO  TELEFONE
-  Oi, amiga, que noite nós tivemos.
-  Pois é, tu viste o homaço que encontrei lá no Clube?
-  Claro. Se me apresentaste. E me pareces muito feliz com o achado.
-  E não? É bonito, parece o capitão Rodrigo Cambará!
-  Ih, lá vens tu de novo com personagens de romance. Já deves estar com caraminholas, cabeça-de-vento que és.
-  Negativo. Agora não vou dar moleza. Nada de cheque para comprar passagens e preparar casamento em Aruba! E pensar que entreguei R$ 20.000,00 para aquele safado, que nem vou dizer o nome. Nunquinha mais, podes crer!
-  Sei não. Tu mal conheces um porqueira e lá vem sonho atrás de sonho, encarerradinhos feito fila do desemprego.
-  Credo, como és pessimista! Deste jeito, sem acreditar em alguém vais ficar assim como estás. Sozinha.
-  E tu, que ficas do mesmo jeito, menos vinte mil?
-  Aprendi a lição, já falei. No máximo um presentinho da Masson para o Dia dos Namorados.
-  Não brinca que já abriste a carteira! Mal conheces o dito cujo. És uma boba mesmo, não tens jeito.
-  Ora, ele é um sujeito legal, gaúcho de São Leopoldo, até já concorreu a vereador, só que perdeu, coitado! E é tão guapo e bem trajado. Fala com discrição e até escreve no jornal da cidade dele!
- Já sei. Deve ter ficado com um monte de dívidas da tal campanha.
-  Bah tchê! Tu pareces adivinhar as coisas. Ele até falou nisto, mas disse que não é do seu feitio envolver mulher nestes problemas. Eu até ofereci, mas ele garantiu que nunca aceitou dinheiro de mulher! Sujeito honesto esta aí!
- Amiga, quanto tu gastaste na Masson? Conta p´ra nós quanto vale aquela pulseira de ouro?
- Não foi bem assim! Ele está de  representante de uma  joalheria e eu  comprei umas coisinhas  para  mim.  A pulseira  eu  vou ficar,  mas  é  para  ajudar o coitado  com  a comissão. Com esta crise ele não tem vendido  quase nada. Logo, logo vai estar, me garantiu.
 
     x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

- Oi, amiga, faz semanas que não nos falamos, como anda a tua vidinha?
- Bem, cada vez melhor. Andava mesmo querendo conversar contigo para contar as novidades aqui do pedaço.
- Ah, é? Conta logo, estou louca para ouvir!
- Lembra do sujeito que eu chamei de Rodrigo Cambará, aquele do baile?
- Sim, o quase vereador de São Leopoldo?
- Este mesmo. Pois vamos casar. Ele recebeu ajuda do partido para quitar as dívidas e tendo cumprido a promessa, se sentiu à vontade para me pedir em casamento. Estou muito feliz, vais ser convidada para a festa e se aceitares, será nossa madrinha.
- Meu Deus, mas tu mal conheces esse sujeito! E já vais te amarrar de novo?
- Sujeito não, é meu noivo, quero que o respeites.
- Eu mal posso acreditar no que estou ouvindo. Ele tem profissão? Trabalha com vendas, não é?
- Bem, ele já está empresa da família.. Estávamos mesmo precisando de um gerente para uma das filiais. Ele não tem experiência, mas é tão jeitoso, vai se  dar bem. A gente tem que dar uma força para quem merece, não é bem assim?
- É, ele deve ter feito por merecer mesmo, acredito.
- Estás é com inveja, amiga, mas espera eu te apresentar um amigo dele.
- Não, aceito ser madrinha, mas...
- O quê?
- Quando vais te endireitar,  mulher?
 
 
 

Marluiza
Enviado por Marluiza em 22/04/2006
Código do texto: T143312
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marluiza
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 72 anos
45 textos (1651 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:09)