Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM ESTUDO DIVERTIDO DOS MEUS ESTUDOS E DOS OUTROS.


NÃO ENTENDEU? TUDO BEM!

     No meu tempo (tenho um amigo que diz que mulher quando começa a envelhecer ou pinta o cabelo de louro ou começa com: No meu tempo...Eu que de tola não tenho nada, digo que só vou  ser velha quando não  conhecer alguém mais velha do que eu!). Mas voltemos a....no meu tempo professor era educador, hoje eles são chamados de educadores mas são professores.
Calma, eu explico. Nesta época os pais tinham mais tempo para os filhos (principalmente as mães) mas os professores também nos educavam.    Hoje que ambos os pais trabalham e não tem tempo para os filhos, os professores só ensinam.
          Voltando aos meus estudos.   Fiz tudo que tinha direito na época: alfabetização, primário, exame de admissão, ginásio e científico. Divido o  estudo em: o que aprendi  (que fica para sempre) e o que estudei (mas a gente se esquece). Não vou entrar em detalhes de época os séries, espero que voces entendam a "misturança").
          Os jovens de agora quando vão prestar vestibular precisam ler N livros e as respectivas biografias dos autores, mas na hora de escreverem...Se fizerem uma prova só com o que aprenderam no básico, muitos iriam pensar que  tritongo é um novo ritmo de dança!
          Eu aprendi português: sílabas, vogais, ditongos, fiz cópias, ditados, redações, descrição, narração. Aprendi o que é um sinônimo, um antônimo, estudei analise morfológica e sintática. Essa não gostei, quando descobri que o "que", o "se" e o "como" podiam ser mais de uma coisa, achei que eles gostavam muito de aparecer  e desisti deles...
Depois descobri uma nova matéria chamada: "literatura", foi amor a 1a vista!
          Ciências também aprendi e adorava, era capaz de descrever o processo digestivo desde a mastigação até a formação do "bolo fecal". Aprendi algumas coisas de zoologia, botânica, algumas já esqueci. Só não gostava do estudo da genética, lá me interessava quem era pai de quem, neste assunto de família não me meto! Tive um professor de ciências que um dia, diante da bagunça que os alunos faziam nos passou um "Questionário" de 100 perguntas, naturalmente com as respostas, para a próxima aula, que ele iria argüir (para quem não sabe, perguntar). Foi nessa época que surgiu minha "genialidade", elaborei meu questionário de um jeito que as respostas fossem só sim ou não, tipo: O corpo humano divide-se em cabeça, tronco e membros? Res. Sim!     Na hora da argüição quando o professor notou minha "esperteza" soltou uma risada e disse: Vou te dar um 10 pela tua inteligência, mas o próximo engraçadinho que fizer isso vai levar um zero!
          Eu gostava de história, aprendi muitas coisa do Brasil do Império até a 2a guerra mundial. Só não gostava de datas, sou péssima para gravá-las. E só aprendi a gostar de história por causa de um professor que tive, ele simplesmente era um tremendo contador de história, nos "transportava" para a época! Ensinar é um Dom!
          Geografia eu aprendi mesmo tudo sobre o que é uma ilha, um arquipélago, um val, os estados e as capitais .O que é um país aprendi na marra, na hora que a professora falou: aqui todos nós somos brasileiros, fui logo levantando o braço, doida para "esnobar " as colegas, e quando ela perguntou de que país eu  respondi orgulhosa: de Curitiba!             Mas confesso que pouco aprendi sobre a geografia do meu país e muito menos os dos outros. Felizmente hoje se aprende de um tudo, com as facilidades existentes e a famosa "globalização", é essencial! Acreditem,  a filha da minha vizinha usa no colégio 4 livros de geografia. Descobri que um é com as matérias, outro de exercícios (como eu copiava da lousa!), outro de mapas e o último até hoje não sei!
          Matemática sou craque no que é prático no meu dia a dia. Um dia desses fui na casa de uma amiga e o filho dela estava resolvendo um problema que já ia numa folha de papel ofício. Quando fomos verificar os juros cobrados em uma conta ele simplesmente não sabia resolver!Vai ver o probelam que ele resolvia servia para o dia a dia dele! Estudei "tabuada", aprendi de cor até a de 5, daí para frente tive que levar umas "reguadas" nos dedos do meu pai (também foi a 1a e única vez que ele me "bateu '  ). Não queria que eu contasse nos dedos e hoje uso a calculadora! Mas se precisar sei fazer de cabeça, as "reguadas" não foram em vão! Aprendi o M.D.C., M.M.C, frações, funções, quase tudo que eu tinha direito (e gostava).
          Tive aula até de religião, o padre era um amor e sabia passar para nós as histórias da Bíblia, Os Pecados Capitais, Os Dez Mandamentos... Só não entendia o que queria dizer "honrar" pai e mãe ( se na época usassem" respeitar", era mais fácil) e muito menos "pecar pela castidade". Tive aulas de O.S.P.B onde se aprendia tudo sobre o país, armas e selos nacionais,  sobre a Câmara, Senado e Assembléia.  Aprendi Moral e Cívica, aprendíamos sobre higiene, educação, respeito, a preservar os bens públicos (ensinem isso, pelo amor de Deus!), enfim um pouco de tudo. Simplesmente odiava química, quando o professor vinha com a conversa de que a água é formada ,por H 2 O eu já ficava "cabreira", nunca vi  um H quanto mais os dois O! Física até que tolerava, pelo menos na prática eu entendi a lei da inércia!
          Quase aprendi tocar piano (tudo bem, não foi no colégio), mas o sonho da minha mãe era ter estudado piano e como não pode, naturalmente sobrou para mim e minha irmã. Acho que ela nos imaginava no palco do teatro José de Alencar (aqui em Fortaleza), dando um concerto de piano e arrancando lágrimas comovidas da platéia As únicas lágrimas que consegui arrancar foram da minha professora, e de raiva! Sou capaz de jurar que a maior alegria que ela teve na vida foi quando desistimos das aulas! Mas voces sabem , toda mãe sonhava em ter sua filhas "prendadas", e não satisfeita resolveu nos colocar num curso de corte e costura em plástico. Nunca vimos tanto plástico na vida, bolsa, capa para liqüidificador, botijão de gás, tudo que possam imaginar! Como minha mãe sempre gostou de costurar, deixávamos ela lá e íamos bater pernas pelas ruas...
          Se pensam que vou esquecer do "recreio" ou intervalo, estão enganados! Quando eu era pequena nossa vida era do tipo "não passávamos fome mas não vivíamos no luxo"!
Meu lanche era um pedaço de pão com uma fatia de doce dentro. Devia acompanhar água ou Q.Suco (é o novo!). Um dia uma coleguinha senta perto de mim com o sanduíche mais lindo que já tinha visto: pão, hambúrguer, alface e tomate. Não tive dúvida, pedi para trocarmos de lanche. Ela deu uma olhada para ´aquilo´ que eu segurava e deu um sonoro não (nem sei por que!). Pedi novamente, outro não. Então ofereci o cordãozinho de ouro que eu usava, e ela aceitou na hora. Quando cheguei em casa levei minha primeira surra escolar, e no outro dia minha mãe foi buscar o cordão. A menina passou o dia chorando e nunca mais falou comigo!
          Voces acham que parei por ai? Fui tentar o vestibular e algum doido resolveu me passar. Bom, acredito que agora posso dar a esnobadinha, a maior nota em redação foi a minha! Adivinhem  o curso! FILOSOFIA! Um dia um  professor veio com uma história que vou simplificar aqui: um homem entrou em uma caverna e viu sua sombra e notou que ela imitava tudo que ele fazia, e ficou na dúvida se a vida real era a da sombra e ele que era a sombra, sei lá, foi uma confusão tão grande que tive uma certeza: agora endoidava de vez! Mas tinha matéria que eu gostava, como sociologia e de lógica. Meu professor de filosofia adorava me fazer perguntas, ele não dizia mas acredito que ele gostava das minhas respostas, bom, pelo menos os colegas gostavam!. Quem foi Arristófanes, me perguntava ele? Sei lá, respondia, não foi do meu tempo! Ou quem foi  Xenofonte?  Como vou conhecer alguém com um nome desse?  respondia.  Meus professores diziam que eu era muito inteligente, mas bagunceira! Que falso!
          Como admiro pessoas inteligentes tenho que citar um professor. No 1o dia da aula ele fez a chamada, no 2o em diante ele já conhecia todos e sabia os nomes dos que estavam ou não presentes. Falava e escrevia perfeitamente em uns 8 idiomas, tocava órgão, cantava até em casamentos, uma sumidade! Só tinha um defeito: era casado e bem casado!
          Deixei a faculdade no terceiro semestre por estar apaixonada. Sabem aquela fase da vida que se faz tudo por amor...principalmente burrice? Pois é!
          Se voce que está lendo esse conto verdadeiro (Não acredita? Pergunte aqui em casa!) e diz que odeia estudar, fique sabendo que mais para frente vai se arrepender e sentir muita saudade!




Fortaleza, 05 de maio de 2006
Frann
Enviado por Frann em 06/05/2006
Código do texto: T151504

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Francy Maia http://recantodasletras.uol.com.br/autores/Frann). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Frann
Fortaleza - Ceará - Brasil, 62 anos
35 textos (3693 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:01)
Frann