Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM AMOR DIFERENTE/ X X V I I I

ATENÇÃO: SE VOCÊ TEM ALGUM PRECONCEITO NÃO, LEIA

     Ricardo ficou muito assustado mais sabia que algo muito sério estava acontecendo, então obedeceu o pai e fez o que ele queria, aquilo tudo pra ele não estava cheirando coisa boa, então Gurgel sem falar nada abriu a porta do carro e empurrou o Ricardo para dentro do carro, como se fosse uma coisa qualquer.
     Depois saiu seguindo um caminho diferente que o Ricardo não conhecia, o silencio tomou conta no caminho todo, Ricardo olhava o rosto do pai pelo retrovisor e percebeu que alguma coisa ele havia descoberto entre ele e o Rangel, sentiu um vazio frio no coração ele sabia bem que o pai dele era um psicopata frio e calculista capaz de fazer qualquer coisa, chegando no alto de uma pedreira Gurgel parou o carro, sem falar nada seus olhos estavam cegos pelo ódio, assim ele puxou o Ricardo de dentro do carro lhe jogou no chão, dando chutes nele com uma arma na mão, lhe xingando de tudo quanto é palavrões Ricardo ainda não sabia o porque da surra mais imaginava, enquanto isso o amigo investigador de Gurgel chegava atrás em outro carro, Ricardo já estava machucado e Gurgel queria o número do apartamento de Rangel pois queria de uma vez tirar ele do caminho do filho, Gurgel já não tinha mais dúvidas sabia que Rangel estava bem vivo e o filho continuava o romance, Ricardo pedia por tudo para o pai não fazer nada com o Rangel e cada vez que o filho abria a boca mais era surrado, Ricardo já estava quase sem forças de tanto apanhar, e Gurgel não parava e nem se cansava de bater, todas as perguntas que Gurgel fazia Ricardo calava não respondia nenhuma, e ele ficava cada vez mais furioso diante do silencio de Ricardo, então ele pegou o filho pelos colarinhos e caminhou a beira de um precipício  ameaçando jogar ele se não ligasse para o Rangel fazendo ele vir até ele para fazer o serviço de vez seu acordo era que o Ricardo mesmo tirasse a vida de Rangel com suas própias mãos, mais o Ricardo se negava e pedia por todos os santos que ele não fizesse aquilo, então ele queria o numero do apartamento para ir buscar o Rangel, queria de qualquer jeito acabar de vez com a vida dos dois tirando apenas uma vida,mas Ricardo estava reagindo em não falar nada estava decidido a imperar o silencio para não prejudicar Rangel, sua boca escorria sangue seu rosto estava inchado, suas roupas rasgadas, mais ele ainda não entregava os pontos , foi daí que quando o amigo investigador de Gurgel viu que apesar do castigo Ricardo não estava querendo abrir a boca, e vendo que Gurgel já estava se decidindo em jogar o próprio filho de alto de uma pedreira se sentindo meio culpado, chamou Gurgel para lhe dizer algo Gurgel deixou o Ricardo caído no chão e foi ver o que o amigo queria, então o investigador perguntou se não tinha outro acordo entre ele e o filho para que ele não o matasse, Gurgel estava transtornado sem querer acordo nenhum, mais mesmo assim caminhou de volta até onde estava o Ricardo caído, chegando lá ele segurou Ricardo pelo pescoço apertando forte, e decidiu fazer um trato pediu que ele escutasse e depois falasse se aceitaria.
        O trato dele era deixar o Rangel em paz e não iria mais espancar mais o Ricardo se ele concordasse deixar aquele tipo de vida que estava levando com o Rangel e arrumasse uma namorada dentro de uma semana, e já casasse com ela, caso contrario ele o mataria e iria esperar o Rangel sair de casa e fazer o mesmo com ele, entre gemidos e lágrimas Ricardo sabia que não tinha outra saída amava o Rangel mais que se mesmo, sabia que não tinha outra saída, não haveria escolha, ele tinha que aceitar o trato do pai sabendo que iria ser infeliz para os restos dos seus dias, mas tinha que renunciar seu romance, não poderia arriscar enfrentar o ódio do monstro do seu pai.
    Quase sem forças para falar ele apenas balançou a cabeça que sim que abriria mão do Rangel para poupar a vida dos dois, Gurgel soltou um riso debochado e ainda chamou o filho de sábio pela escolha, então falou que iria deixar o Ricardo caído naquele lugar escuro no meio do mato, e ele se virasse como voltar para casa e deu mais um aviso, queria prova que ele estava namorando uma menina, e quando ele chagasse em casa  era para dizer que se envolveu numa briga, pois seria isto que iria dizer para mãe dele quando chegasse em casa, e era para ele dizer o mesmo, Ricardo sentia muitas dores pelo corpo mais a pior dor estava extravasando sua alma era de não poder mais viver seu grande amor ao lado de Rangel ali ele estava sepultando todos os seus sonhos e planos saberia que era o fim, pois outra chance de escaparem com vida eles não teriam mais, tinha que aprender a fingir e viver no meio daquele mundo sujo e hipócrita que o pai estava escolhendo para ele.
     Deitado no chão Ricardo viu quando o pai entrou dentro do carro e foi embora, em seguida o amigo dele fez o mesmo, Ricardo daquele alto onde estava ficou observando os faróis no meio daquela escuridão tudo parecia um pesadelo, no meio do mato escuro sem ninguém por perto ele não tinha ninguém que lhe ajudasse,estava perdido tentou caminhar mas não sentia forças nas pernas seu corpo doía cada parte, ele amaldiçoava o pai por tanta crueldade, por ser tão desumano, não era justo não tinha nada que justificasse tanto ódio entre duas pessoas apenas por se amarem.
    Gurgel foi embora nenhum pouco preocupado com o filho que deixou machucado e caído no meio daquele abismo, quando chegou em casa, sua esposa já estava deitada então ele sem falar nada com o outro filho que ainda estava acordado, foi direto tomar um banho, depois a sua esposa levantou achando que seria o Ricardo e falou que estava preocupada com o filho que até aquela hora não havia chagado, ele olhou para ela e falou que Ricardo tinha se envolvido em uma briga e tinha se machucado, e tinha ligado para ele ir buscar o carro, ele tinha ligado para o celular dele, então ele foi até onde estava  o filho ele não quis avisar para não deixar Ela preocupada, mas que já estava tudo bem o Ricardo tinha ido para casa de um amigo iria passar a noite por lá mesmo, o coração da mãe de Ricardo mesmo ouvindo o Gurgel dizer que estava tudo bem não estava sossegado sentia que tinha alguma coisa de errado, mas Gurgel com seu bom papo resolveu fazer a mulher deitar também fez o mesmo.
   Enquanto isso Rangel estava em grande desespero sentia que alguma coisa tinha acontecido com o Ricardo já tinha passado do horário dele ligar e nada, nenhum sinal seu coração estava apertado parecia que também estava ferido por dentro, parecia que ele dividia com Ricardo aquela mesma dor que ele estava sentindo naquele momento, sem ninguém por perto para ajudar, sem ninguém para lhe socorrer, seu corpo sentia o mesmo frio que o do Ricardo, ele sabia que algo sério tinha acontecido, precisava pelo menos de um sinal que o Ricardo estava bem, precisava pelo menos dormir nem que seja por quinze minutos e sonhar com ele, isso já aliviaria sua dor.
  As horas foram passando e Rangel já estava vendo amanhecer o dia, uma pequena ponta de esperança dizia que o Ricardo não ligou ontem mais que no dia seguinte ligaria, ele fazia questão de se agarrar nesta esperança positiva, o dia finalmente amanheceu, Rangel  tomou um pouco de chá e um remédio para dor de cabeça e estava se preparando para ir para seu trabalho mais não estava se sentindo nada bem, saberia que sem noticias do Ricardo seu dia iria ser um tédio.



Brione/Parte/28
BRIONE CAPRI
Enviado por BRIONE CAPRI em 11/05/2006
Código do texto: T154213
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BRIONE CAPRI
Guarulhos - São Paulo - Brasil, 32 anos
1428 textos (66609 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:08)
BRIONE CAPRI