Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COELHINHO DA ÍNDIA

O que se ama, não deveria nunca desaparecer... até
mesmo um bichinho, cuja amizade e entendimento,
formam correntes e sinais na comunicação, elebo-
rando o “feedback” da vida. Tudo deveria ser eterno
e no que se estima, haveria constância e incomensu-
rabilidade.   O  tempo não  marcaria o “requiem” da
despedida com seus passos rápidos e lúgubres.  En-
tretanto, este, não respeita as pretensões: Para os mo-
vimentos, esfria o calor, apaga a visão, enrijece as fi-
bras- fixando a retina.  Desmantela toda a estrutura fí-
sica, que ruindo, volta ao chão molhado ou seco; estia-
do ou orvalhado; empoeirado ou limpo – enfiando  no
peito o mal-estar amotinado nos costais, como um ra-
dar que procura resposta, esvoaçando a mente.  Ao bi-
chinho falta o raciocínio para justificar a fraqueza  do
homem de se sentir forte apenas, para mostrar superio-
ridade – não de mãos limpas, mas, de arma em punho.
É ele que lhe determina o espaço, tirando-lhe o direito
de ser infiel, sem desaparecer devorado ironicamente.
Quando o mesmo chega a querê-lo, o aspecto que envol-
ve a distância desaparece a dar lugar a uma carinhosa for-
ma de vida.- É terrível a perda de um bichinho de estima-
cão – realidade tempestuosa, de difícil aceitação impos-
ta.  Hipoteticamente, creio na ideia preconcebida de no
passado ter convivido no mundo dos bichinhos: Gosto
deles! Amo-os e até mesmo gostaria de ser um
                 COELHINHO DA ÍNDIA!
Zecar
Enviado por Zecar em 12/05/2005
Reeditado em 01/07/2016
Código do texto: T16501
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Zecar
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
249 textos (20144 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:12)
Zecar