Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Na suave cadência das ondas do mar

NA SUAVE CADÊNCIA DAS ONDAS DO MAR


Terezinha Pereira


Enquanto caminhava na praia com a mulher de meus sonhos - prazer tamanho do mar - entranhado no mistério de seus segredos, resolvi contar-lhe uma história.

“Era uma vez, anos atrás, um pescador que saía, dia ainda escuro, para buscar o sustento de sua amada. Mar calmo, mar revolto, ventania, tempestade, o homem voltava com o barco cheio de peixes e encontrava a mulher a espera no porto. Juntos, separavam a pesca boa para o dono do barco. Comiam do que restava. Um dia, o homem resolveu ser dono de barco. Juntou das migalhas que o patrão lhe dava em troca da pesca boa e comprou um barco já gasto pelo uso, mas acostumado aos trancos da tarefa que lhe era de destino. E, todos os dias, dia ainda escuro, saía o homem com seu barco para o trabalho. Quando voltava, encontrava a mulher a espera no porto. Separavam a pesca boa e vendiam. Comiam do que restava. Com a venda da pesca boa, após sair inúmeras vezes, dia ainda escuro, para o mar e encontrar a mulher a espera no porto, o homem afinal comprou um barco novo. E comprou um vestido novo e um chapéu novo para a mulher. Dia ainda escuro, a mulher pôs o vestido novo, o chapéu novo e foi com o marido para o mar. Talvez, por saber que não há mais ninguém a sua espera no porto, o homem, até hoje, não voltou com o barco cheio de peixes”.

........Caminhando na praia com a mulher de meus sonhos e experimentando de todo o prazer que me proporcionavam - a mulher e o mar - contei-lhe outra história:

 “Ao cair da tarde, por anos e anos, uma idosa senhorita vinha até a praia com seu vestido preto de bolinhas brancas, sapatos brancos de salto alto e uma sombrinha preta com babadinhos nas beiradas. Ficava mirando o mar. Sem  importar-se quando o vento sul vinha e fincava-lhe areia na pele, ou quando a chuva vinha violenta, ou quando o frio vinha rigoroso...Um dia, um vento forte levou-lhe a sombrinha preta com babadinhos nas beiradas. Mesmo sem a sombrinha, todos os dias, ao cair da tarde, a senhorita vinha mirar o mar. O sal acabou penetrando no seu vestido único, na sua pele, no seu sangue. E, de tão pesada, ela não conseguiu mais voltar para casa. Passou a noite mirando o mar. Amanheceu mirando o mar. Passou o dia todo. Ficou ao cair da tarde. E foi ficando por mais uma noite, mais um dia, mais um cair de tarde. Foi ficando até transformar-se numa estátua de mulher que olha o mar”.

........ Aproveitando-me da companhia da mulher de meus sonhos e dos respingos das ondas do mar, buscando decifrar pelo menos um de seus segredos, lembrei-me de mais uma história:

“Era uma vez uma princesa que morava numa ilha, em um castelo à beira mar. (Existiram castelos à beira mar?). O pai guardava a princesa a muito mais de sete chaves, para que sua pele se conservasse sempre branca e seus cabelos dourados não perdessem o brilho devido a ação do vento, do sol  e do sal. E era da única janela que ficava na torre do castelo, que a princesa via o mar. Do mar, ela só conhecia o quadro que a janela podia lhe mostrar. Ela via navios passando. Grandes e pequenos. Navios que levavam coisas. Navios que levavam pessoas. Iam. Vinham. Para onde? Bandeiras de todas as cores. Via gaivotas voando. Gaivotas beijando o mar. Já haviam lhe contado que elas tiravam peixes de lá. Via a espuma das ondas e sentia desejo de passá-la pelo corpo. De mergulhar naquela espuma que não se cansava de ir e vir. A princesa pedia ao pai para ver o mar bem de perto. O pai afagava seus cachos dourados enquanto levava-lhe, carinhosamente, a cabeça ao peito, dizendo que ainda faltava algum tempo para que ela pudesse sair para ver o mar.  Anos se passaram. Interrogado, o pai respondia que ainda não havia chegado o tempo. Um dia, para agradar  a princesa, o pai mandou colocar espelhos nas paredes da torre de onde ela ficava olhando o mar. Desde então, através dos espelhos, a princesa via ondas se chocarem em aluvião. Via uma porção de sóis nascendo de dentro do mar. Via uma festa de navios e de gaivotas. Quando chegava a noite, e a luz da lua entrava pela clarabóia, a princesa via dezenas de luas, milhares de ondas prateadas. Ela passava toda a noite acordada e o dia inteiro fascinada com o espetáculo que os espelhos lhe permitiam assistir, até que, tomada pelo delírio, resolveu sair por onde entrava a lua, dando um mergulho profundo e se despedaçando na base do monte de pedras que sustentava o castelo”.

........ Ao caminhar pela praia com a mulher de meus sonhos, gozando da alegria do vento e da suave cadência das ondas do mar, imaginei que, enquanto não conseguisse decifrar o mistério de seus segredos, ela seria a mulher de meus sonhos. E eu sempre teria uma história diferente para lhe contar........
Terezinha Pereira
Enviado por Terezinha Pereira em 15/05/2005
Código do texto: T17017
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Terezinha Pereira
Pará de Minas - Minas Gerais - Brasil, 68 anos
124 textos (52876 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 13:55)