Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nosso amor agora existe

Cissa de Oliveira

De tanto que gosto do frio, nem parece que moro num país tropical. Talvez seja porque, durante o sufocante calor do verão, todas as coisas me surjam ampliadas, inclusive minhas alergias. Certa vez, a dermatologista disse que essa é uma doença de fundo emocional. Em se tratando da respiratória, que é a pedra na minha sandália de verão, lembrou que estaria relacionada às coisas que deixamos de expressar.

Por isso, nas férias de Julho, valorizo a estação do ano e subo a serra. Vou a Campos do Jordão. Lá, o vinho é mais gostoso. Até o geladinho do vento nas faces é apreciável. Caminhar até a Doceria Fantasia que fica a poucas quadras do hotel predileto, é  um passeio imperdível nessas ocasiões.

Com delicadeza, o vento frio insistia em desajeitar meu cabelo que escapava do gorro vermelho que eu usava naquela noite, enquanto me dirigia à doceria. Usava luvas da mesma cor, e com elas reconfortava meu nariz gelado e incomodado pelas cócegas,  provocadas pelos fios soltos a deslizarem em meu rosto.

Ouvi quando ele disse: - Esse seu estilo eu ainda não conhecia. Não precisei me esforçar para encontrá-lo, mesmo estando a rua repleta, nesse momento. Aliás, ele estava tão perto, que tive de afastar-me um pouco para visualizá-lo direito. Senti-me corar ante o efeito surpresa e a emoção.  O que estava fazendo ali? Foi o que perguntei. - Compromisso profissional - disse, completando: - Não sou como certas pessoas que tiram férias programadas, sabe?  Óbvio que brincava comigo, coisa mais do que comum no seu jeito habitual de tratar.

Mais reconfortante que o toque da luva quentinha ao nariz; mais a tempo que vinho quente em noites de inverno; mais benéfico do que o sono pesado nas noites frias que sempre adorei; mais alentador que descontraídas conversas ao redor de uma lareira; mais, mais,  mais e mais. Assim sempre fora ele, pra mim, embora eu não soubesse se ele sabia disso.

Quantos sonhos e – por que não dizer também - quanta poesia, por causa dele, viviam em minh’alma? Seria mesmo ele quem, agora, tão naturalmente caminhava ao meu lado?

__Está indo pra onde?

__ Doceria Fantasia, conhece?

__ Ainda não, mas pressinto que estou para conhecer.

O movimento dos carros era grande e o barulho confundia-se com a música de alguns lugares por onde passávamos. Praticamente, precisávamos falar aos gritos. Mas isso não quebrou a magia daquela hora. Ao contrário, serviu para descontrair e suavizar o impacto da surpresa de nos encontrarmos ali.

Ao atravessarmos a rua ele segurou minha mão mas o fez de maneira natural. Uma vez do outro lado, disse:

__ Por que não paramos aqui e tomamos vinho quente?

Era um dos locais com música e eu pensei: Por que não?

E a música descia tão bem quanto o vinho. A conversa fluía, embora não tão bem quanto seus olhos bailando nos meus. Dia-a-dia, tempo, trabalho, correria. Coisas que verbalizamos. Sóis, luas, lilases,  azuis, poesias. Coisas que nosso olhar repetia.

__ Sua boca é a trilha onde quero me perder.

__ E seu beijo é o caminho onde quero me achar.

E assim, para todo o sempre, nos tornamos primavera.

Ta vendo? Nosso amor agora existe!


Cissa de Oliveira
in: Com Licença da Palavra - Antologia
do Grupo Pax Poesis.
Ed. Scortecci - 2003.
Cissa de Oliveira
Enviado por Cissa de Oliveira em 23/05/2005
Código do texto: T19085
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cissa de Oliveira
Campinas - São Paulo - Brasil
140 textos (28489 leituras)
10 áudios (1446 audições)
1 e-livros (909 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:46)
Cissa de Oliveira