CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

ESTA É UMA LIÇÃO DE VIDA, AMOR E FÉ

O amor quando está bem plantado em nossa alma, resiste a tudo... Principalmente o amor pela vida... E a vida premia aqueles que realmente sabem amar...
Enquanto o coração estiver batendo,
e o cérebro funcionando,
haverá uma vida a ser vivida...
Conto baseado em fatos reais.
Osculos e amplexos,
Marcial


ESTA É UMA LIÇÃO DE VIDA, AMOR E FÉ
Marcial Salaverry

A vida sempre nos oferece  inúmeras lições, ensinando como bem vive-la. Sempre dependerá de nosso livre arbítrio segui-las convenientemente, para bem a vivermos.
Existem pessoas que apenas procuram espalhar intrigas, cizânias, e perdem seu tempo maquinando maldades e procurando tudo polemizar. São vidas que nos passam lições de como não se deve viver a vida.
Contudo, existem vidas que transmitem grandes lições. Quase sempre são criaturas que não chegam a ser famosas, nem tampouco por serem artistas, políticos, ou terem realizado feitos que alteraram de alguma maneira o destino da humanidade.
São simplesmente pessoas que vivem o dia-a-dia, junto a outras tantas. Geralmente poucos lhes lembram os nomes. Mas são pessoas que podem nos passar lindas lições de vida, por terem mostrado apenas o que é e pode ser a vontade de viver bem.
Recentemente, num documentário televisivo à respeito do holocausto, ouvimos a história de uma jovem polonesa e seu drama, durante a segunda Grande Guerra.
Quando Hitler invadiu a Polônia e iniciou a perseguição aos judeus, sua família viveu alguns meses, escondida em um porão. Descobertos, contudo, foram separados e ela nunca mais viu seus pais ou teve notícias de seus irmãos.
No campo de concentração, onde foi colocada, ela padeceu os maiores horrores. A comida era pouca, o tratamento rude. As companheiras enlouqueciam. Ou eram mortas. Ou se matavam. E ela, teimosamente, se aferrava à vida. Recusava-se a morrer de inanição.
A essa altura da entrevista, o repórter perguntou à entrevistada se ela nunca pensara em se matar.  "Sim," disse ela. "Mais de uma vez. Quando o frio era muito grande, a fome parecia me devorar e eu não via perspectiva de salvação. Mas, nesses momentos, lembrava de meu pai."
Logo que fomos para o porão nos ocultar dos nazistas, ele me disse um dia: "filha, aconteça o que acontecer, nunca fuja da vida. Resista até o fim." E me fez prometer que jamais eu desistiria de viver. Quando os aliados foram vitoriosos, a jovem, e mais 4000 mulheres foram obrigadas a uma marcha forçada pelos alemães, em fuga das tropas aliadas.
Finalmente, um número muito pequeno delas, entre as que não haviam morrido no longo trajeto, foram abandonadas num campo de concentração e encontradas, mais tarde, pelos americanos. Aquelas mulheres estavam desnutridas. Algumas sequer podiam se erguer, tal o estado de fraqueza. Ela mesma, confessa, tinha dificuldades para andar, pesava 30 e poucos quilos somente. E não tomava banho há 3 anos. O seu tempo de aprisionamento. Então um oficial americano, muito bonito se aproximou dela e a tomou nos braços, carregando-a até um caminhão.  Durante o trajeto ele foi lhe dizendo que ficasse calma, que tudo daria certo, que ela receberia o socorro necessário.
Cinqüenta e oito anos depois, frente às câmeras de televisão, ela e o marido mostravam a alegria de sua união.       Bom, o marido não era outro senão o jovem oficial americano que a encontrou magra, suja, desnutrida e a carregou nos braços, naquele dia distante. Ela não somente teve a sua vida salva naquele momento, sendo resgatada de uma situação de penúria, como encontrou o seu grande amor.
Um amor que atravessou meio século e continua tão forte e especial como nos dias do início de namoro. Um amor que foi concebido ao final de uma hecatombe, e em que o primeiro encontro foi num ambiente de dor, miséria moral e intenso sofrimento. Ele era o jovem robusto, vigoroso. Ela, uma esquálida jovem, pouco mais que adolescente, sofrida e quase sem esperanças.
Existem inimagináveis caminhos para encontros e reencontros de almas que se desejam unir pelo amor. Caminhos que foram traçados pelo Destino sempre terminam por se cruzar. Basta que se saiba aceitar o que a vida nos oferece, e que não é pouco.
Por maiores que sejam os problemas, por pior que pareça ser a situação, ou se perdeu seu amor, não se pode esquecer de que entregar-se ao desespero, ou entregar os pontos, tirará a possibilidade de reverter a situação, como aconteceu com nossa heroina, que saiu da morte certa, para uma vida de felicidade.
Desse caso, fica uma grande lição de vida, pois se devido circunstancias desfavoráveis tudo pareça estar perdido, não se pode desistir de lutar, pois enquanto houver vida, certamente haverá uma luz de esperança.
Sempre poder-se-á reverter uma situação. Não se esqueça que depois da escuridão da noite, o sol volta a brilhar. Não permita que seu sol se apague. Não perca jamais a esperança. Não deixe de confiar na vida.
E principalmente não se esqueça de fazer de todos seus dias, sempre UM LINDO DIA, sempre evitando maus pensamentos, e jamais procurando fazer mal a outrem.
Marcial Salaverry
Enviado por Marcial Salaverry em 22/11/2009
Código do texto: T1937822
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Marcial Salaverry
Santos - São Paulo - Brasil, 75 anos
16262 textos (1723458 leituras)
3 áudios (757 audições)
6 e-livros (2077 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/09/14 01:35)