Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Trecho - Baía

"Ele é um ser provalvelmente encantado, de não sei de onde se fogem palavras incessantemente majestosas e infiéis de sua boca. Está dentro do ônibus a olhar da janela o que parece ser imensamente infinito: a baía. Emudece-se assim, como se não estivesse em lugar algum, e está ali, sentado, alimentando seus olhos famintos perdidos na ilha, nos arquipélagos. É fome o que vejo? Dava para ver seus olhos percorrendo as ondas da baía, afundando, depois submergindo incrivelmente. O sorriso abrindo-se cada vez mais súbito e misterioso - imergia, depois dava lugar a um franzir natural da testa, viam-se quase que imperceptívelmente as rugas desenhando-se, suavemente nos alguns contornos do rosto menino de que era, e de repente eu o via assim: fechando os olhos, interrompendo a luz que queria apossar-lhe pelas mãos,  as cores que se refletiram na baía. Uma gota salgada do mar transportou-se bem silenciosamente para o seu olho direito: e eu o vi  E ele não percebera o olhar dos outros humanos, talvez  por se esquecer sempre de ser um como os outros. ( ... )"
Parangolérico Kaloré Kerexu
Enviado por Parangolérico Kaloré Kerexu em 18/07/2006
Reeditado em 18/07/2006
Código do texto: T196907
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Parangolérico Kaloré Kerexu
Salvador - Bahia - Brasil
11 textos (370 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 07:59)
Parangolérico Kaloré Kerexu