Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O TEMPO, senhor de vida e morte. (Normanda) Lia de Sá Leitão -19/8/2006

Quando ela entrou naquele vôo de volta trazia no âmago o segredo do filho e o silêncio da decisão. Era o fim do ontem, sem a espera da continuidade daquele relacionamento aparentemente feliz, socialmente correto. Desceu do carro, olhou a paisagem externa como um último adeus e a passos lentos adentrou no salão do aeroporto, dirigiu-se ao balcão da Companhia cumpriu todas as exigências e seguiu até o portão de embarque, permanecia acalada,o companheiro ao lado sentia algo estranho e indecifrável, ele casmurro, ela pisa forte o chão como quem decide as duas vidas. Ele a segura pelo braço e beija leventemente nos lábios carmim, despede num último olhar um pedido de perdão, um desejo de faze-la deisistir, segura-a nos braços com mais força e abraça o corpo de mulher que não expressa nenhuma reação, nenhum  tipo de reciprocidade; ela num momento de lucidez, arqueou as sobrancelhas, costume antigo, olhou-o por cima das lentes dos óculos de sol, esborçou um sorriso apagado, infeliz, e adentrou o local de embarque. Não sentia vontade de olhar para trás, mas ele a chamou, ela estanca na porta de vidro, olha ligeiramente a cena, lembra um filme Hollywoodiano, acena um adeus com uma das mãos e some em meio às outras pessaoas. Olha o relógio, olha que observa o mundo, fala com a vida que trazia em si, não precisamos chorar, vamos vencer! Você dá a coragem e a minha alma e eu protegemos você como a mãe que ama incondicional o filho que chega. Hora inóspita seguir vôo! um lampejo de desistência atravessou seu pensamento, mas as pernas não obedeciam o rápido desejo de volta. Seguiu para vida como quem fecha mais uma porta e tenta esquecer o passado, seus matizes,  seus momentos bons, a luz que insistia em não apagar. Ela senta junto a janela brinca com o ser que ainda se acomoda em seu ventre e diz baixinho numa confidência de brincadeira, olha a ali, não são formigas são pesoas, eles  sorriem, sentem dor , maltratam, por que são tão humanos quanto eu e vc, mas  eles naturalmente também não se humilham diante do outro, nem se envergonham de ser o que são. Ela sente uma felicidade abraçando a esperança de vida nova, reconstrução, ainda bem que os homens são falhos, se fosse robotizados e perfeitos não exerceriam poder de mudanças e sim uma reposiação de peça em série substituindo o conjunto danificado de roelas, parafusos, pregos,  tecidos sintéticos. Ela precisava urgente entender seus  sentimentos, dores, enfim o coração, mas teria que aceitar o momento da reconstrução.
O que fazer, com um filho que jamais conheceria o pai. Ele orgulhar-se-ia da mãe que seria a sustentação da vida ou odiaria em silêncio a decisão de ruptura com o macho do clã?. como seria a falta da presença masculina, que fazer? O futuro parceiro aceitaria o filho de ninguém? Entre uma pergunta mais complicada e outra a alma fervia de ansiedade pela volta à casa paterna,quase um sentimento egoísta, era tão filha quanto aquelas células, a perpetuação da vida e o basta de um relacionamento que nunca existiu. Ela deixou-se chorar e pensou no tempo.
O tempo passa como o grande feiticeiro curano dores, mágoas, machucões, ora protege, ora mostra a falta de colorido do homem que se olha sem se ver. Mesmo o grande dono de todas as situações de saber, mando e desmando, alado, saudável, doentio, não desperdiça a hora.
O Tempo esse mesmo senhor das benesses também senhor de todos os senhores. Possuidor também da crueladade e implacável galanteador. alardeando e sorrindo aos quatro ventos a capacidade de ser.
Quanto ao jovenzinho, parecia entender todos os arroubos dos minutos e subserviente aguardava sabiabente o seu caminho de crescimento, mantinha-se indubitavelmente ansioso para ver a Luz, os toques da mãe, o cheiro da vida, o Tempo aliado das feras mais terríveis da criação decidiu apagar a esperança captando para si o jovenzinho que ainda tomou o gládio e enfrentou os leões numa arena enorme, na verdade um terreno bem maior que seu tenro corpo podia suportar e o Tempo levou-o consigo qando caiu exausto na batalha e nunca mais voltou.
Ela olhou o mar, e seguiu de cabeça baixa pelas areias molhado os pés na água verde esmeralda que as rendas velhas presenteavam aos amantes que se beijavam à beira da praia e voava como fitas desalinhadas aos chutões dos pés da solidão.
Nomanda
Enviado por Nomanda em 20/08/2006
Reeditado em 20/08/2006
Código do texto: T221050

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nomanda
Olinda - Pernambuco - Brasil
52 textos (3604 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 06:28)