Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Paranóia

Paranóia!
Mdalena passeava nas madrugadas vazias de agosto. Por logas horas, parava diante da beleza que contemplava as suas pupilas esverdeantes de emoção.
- Como as palntas são belas?
A si mesma perguntava.
Ninguém a respondia mas ela ouvia uma resposta que lhe convencia mesmo quando não pensava ouvir.
Mdalena, simplesmente catava a beleza das flores como o Colibrir, o nectar para a sua sobrevivência. Como a abelhinha que zumbizava suavimente: ziiiiiiii, e sugava o a florzinha para compor o seu mel.
- Aí. porque ela é tão pequena e sabe a beleza e o valor que as grandes coisas tem?
Pensava simplesmente e chegava, ali, mas um amador da natureza divina.
Voava, voava. Pro lado e pro outro, deposi Piu. Uma saudação de adues!
Madalena, mais uma vez sintetizava suas observações. Então, dizia:
- Por que?
- De uma pequena flor, que simplesmente compõe uma imensidão de florestas, de flores diversas e cores lindas, tiram proveitos outras especies que poderiam ir além dessas limitações?
E tira suas conclusões:
No grande universo que as espécies se comunam, os pequenos são tão indispensável quento os grandes.
Esta é a função de cada um.
CALIXTO
Enviado por CALIXTO em 21/08/2006
Código do texto: T221893

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CALIXTO
Itagi - Bahia - Brasil
222 textos (11576 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:39)
CALIXTO