Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NINGUÉM PERDE O QUE NÃO TEM - Normanda ( Lia de Sá Leitão)

Mais uma vez ela adentra no quarto de banho sem muita vontade de nada, abre o chuveiro e deixa a fumaça tomar o ambiente, senta-se na tampa do vaso sanitário e fica como Pensador, sente até um certo prazer na posição de olhar o quase nada, questiona a eterna curiosidade das portas fechadas, todo armário de banheiro possui porta fechada e nunca tem nada ali de valor, todos os baús de roupas sujas tem tampa, mas ninguém questiona que roupas estão ali. Não tem graça olhar o box, é vidro, tudo às mostras mas todas as portas fechadas são interessantes. O que dizer com as próprias portas? Sempre fechadas rangindo sem óleo, fazia tempo que não abria uma brexa, mas qual o motivo de abrir uma porta se sempre tinha alguém curioso para olhar, tirar as coisas do lugar, revirar os espaços ocupados de velhas lembranças, cavoucar o que já estava com cheiro de mofo, levantar ácaros naquele cantinho e sair. Será que as visitas que frequentam as nossas casas vão abrir as portas do armário do banheiro para ver qual o uso dali? Assim como alguém pode deixar abrir alguma porta que escondemos a chave,  mas esquecemos por um motivo ou outro de dar a volta na fechadura. Qual o sentido daquele mistério?
O quarto de banho estava tomado pelo vapor gotículas desciam como uma lágrima do seu rosto imparcial, de olhar parado num ponto que nem era o azuleijo azul e sim a alma. Sentiu um calor de sauna agressivo porém relaxador. Levantou-se sem muito entusiasmo, tirou calmamente a blusa, os shorts, a calcinha, do mesmo jeito que não se está com vontade de sonhar mas se tem que sonhar para não morrer. Assim, ela estava ali, nua, olhando a água em cascata. Nada se misturava, nem fantasias, nem desejos, tudo era apenas um corpo nu molhado a ensar em portas que deviam ter ficado fechadas e que tinham se escancarado para mostar o quê? Paixão, bem querer, vontades, só não podia ser amor, o amor é leve, é suave, é folha que plana ao mais leve toque da brisa, é o próprio ar invade o espaço. Fez um risinho de quem vê a consciência do mundo ironicamente acertar os ponteiros das horas, só o tempo vence a máquina que pensa a realização do momento sem questionar o motivo pelo qual se deixou a porta aberta.
Nomanda
Enviado por Nomanda em 27/08/2006
Código do texto: T226471

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nomanda
Olinda - Pernambuco - Brasil
52 textos (3604 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 16:38)