Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ranger das portas de meu coração

             Sphynx aux yeys d’émeraude, angélique vampire,
             Elle revê sous l’or cruel de sés frisons...
             Albert Samain - Une

Ouço anjos sussurrando palavras sensatas as flores de meu jardim, não sei o que você disse a mim naquela tarde, poderia ter sido qualquer coisa que eu teria me encantado da mesma maneira.
Estou parado diante das portas do céu, é a visão de um paraíso, é visão de uma compleição divina. A morte...
È uma grande insatisfação que sinto aqui, falta-me alguma coisas que estava presente em seu tímido sorriso, e aqui continuo parado diante uma bela escolha e meu coração não se satisfaz.
É como se violoncelos cortassem em lamurias minhas mãos, cortando minhas forças e eu preciso ir, mas ainda assim não quero. É preciso olhar os reflexos do próprio rosto nas águas revoltas do destino, não chores, mas diga-me.. faça seu ultimo desejo.
Não há solução eu sei, Romeu assim se perdeu de Julieta, mas não há amor que possa ser perfeito fora das esferas celestiais, nós sabemos disto. Não feche seus olhos para mim, estes são meus últimos momentos. Não repita palavras vazias, não estou para cinema, nem sequer para vagas certezas.
Eu sei e eu sinto, fale-me.. você nunca me diz nada. Qualquer coisa, antes que as portas se abram e me engulam, tragando-me para o meio das estrelas.
Meu caro, fale sobre você. Vivi próximo a Joconde e nunca descobri o enigma da esfinge, mas eu posso neste ultimo suspiro te dizer tantas coisas, mas parece estranha a tão esperada lembrança que não chega a mim, acho que é por que terei um bom tempo até você me encontrar lá.
Os demônios clamam, eu sei que não tenho grandes esperanças, talvez por isso não mereça que as portas celestiais se abram, não mereço o jardim da duvida filosófica.
Um clangor de sinos extasiados, obras do velho Polichinelo, o anjo de Nossa Senhora, eu poderei ir a qualquer lugar, mas mesmo o paraíso não é valido sem ti.
Choques percorrem meu corpo num ritmo de sensações, mas depois poderemos falar tantas coisas, estaremos juntos em um belo amanha, que acha?
Um dia alguém destruiu meus sonhos, mas você os trouxe das cinzas. Caritas...
É... e é... um doce delírio que anjo que eu sempre procurei só esteve comigo no momento de minha morte.  Mas poderei te dizer,  dizer-te, uma única e bela certeza.
Olha esses lances de xadrez mortal, o céu não é tão belo, ele cabe dentro de seus olhos... perto de ti estava mais perto do próprio Deus e tinha alguma certeza. Mas são estas as exigências, tenho meu caminho dantesco a percorrer, enquanto a minha estrela guia, Belatrix, esta vivendo nas sombras.
Não se deveriam dar ilusões àqueles que não estão acostumados, eu sei que não se pode viver somente de amor, mas fazer o que.. Enredei-me em uma teia da qual não posso mais fugir. Acho que é preciso concertar no mundo, sinfonia de consertos  dos erros mais idiotas.
Eu.. sei.. preciso ir... não consegui viver, este mundo não foi para mim.
Ev
Enviado por Ev em 10/09/2006
Código do texto: T236980
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ev
São José - Santa Catarina - Brasil, 29 anos
56 textos (2760 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:29)
Ev