CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

A PARÁBOLA DA GALINHA


Tradução do Texto

CHICKEN PARABLE

Retirado do site:
http://www.sociopathworld.com/2010/06/chicken-parable.html


Quando eu era criança, meu avô criava galinhas e outros animais em sua fazenda. Cada galinha põe um ovo por dia, então se ele tinha sete galinhas, seria de esperar por sete ovos. Meu avô sempre foi muito cuidadoso com a alimentação das galinhas e em recolher os ovos todos os dias e me ensinou a ser tão diligente quanto ele.

Se não, ele dizia, as galinhas podem passar a comer seus próprios ovos, pois que uma vez que uma galinha sente o gosto de ovo, ela vai continuar comendo ovos e deve de ser morta.

Eu não sei se é verdade que não há cura para uma galinha canibais, mas ele me disse isso para me assustar e não me descuidar na alimentação e coleta regular dos ovos das galinha.

Uma vez, quando eu tinha ido embora, ele ficou doente e não podia visitar o galinheiro todos os dias para alimentá-las e recolher seus ovos.

Quando ele finalmente chegou lá, viu cascas quebradas de ovos por todo canto, prova de ovo comidos. Mesmo depois, havia sempre falta um ou dois ovos nas coletas diárias. Pelo menos uma galinha tinha ficado com gosto de ovo e não estava disposta a desistir dele, mesmo com a alimentação farta e renovada.

"Como é que vamos descobrir qual delas está comendo?" perguntei.

"O que você quer dizer."

"Temos de matar a galinha que está comendo os ovos das outras."

Ele apenas riu.

"Não, sério, meu avô. Um desses frangos está comendo a nossa comida, ocupando espaço em nossa granja e destruindo os nossos ovos. Temos que descobrir qual é e matá-la, certo?"

"Eu não tenho tempo para sentar e ficar assistindo galinhas. Mas essa galinha realmente ajuda. Ajuda a lembrar-me a permanecer vigilante e cuidando das outras galinhas e recolhendo os ovos. Também me lembra que a natureza é implacável, e que a natureza humana é só isso. "

Eu não estava satisfeito com o raciocínio de meu avô. No dia seguinte acordei cedo e vigei o galinheiro. Eu vi quando as galinhas foram para os ninhos e colocaram seus ovos, uma por uma. Eu também vi quando uma das galinhas começou a brincar um ovo com suas garras e bicando-a com seu bico. Pensei em matar a galinha. Eu tinha aprendido como matar uma galinha, era  só pendurá-la pelos pés, segurando sua cabeça na minha mão e localizar a veia jugular e cortá-la com uma faca, derramando o sangue no chão, enquanto a galinha se debatia até a morrer. Tudo não levaria mais que cinco minutos.

Mas, em vez disso eu gritei com a galinha, fazendo ela correr pra longe. Juntei o restante dos ovos bons ​​e caminhei de volta para a casa.


Esse texto foi publicado em:

http://www.sociopathworld.com/2010/06/chicken-parable.html

Mas acredito que ele matou mesmo a galinha.

A moral da história é ele (um sociopata declarado) quer dizer que, depois que um ser humano experimenta o sabor de fazer o mau, sempre fará o mau, e que a sociedade deve cuidar das pessoas para que elas não cheguem a esse ponto.

Eu faço outra leitura, acho que a sociedade, através do poder público, devemos da saúde mental de todos, mesmo sabendo que existirão aqueles que não têm cura: pois já nasceram com o gosto do mau na boca, mas evitará de contaminar ou incentivar as pessoas normais.

http://www.sociopathworld.com/2010/06/chicken-parable.html
O Psicólogo
Enviado por O Psicólogo em 13/04/2011
Código do texto: T2906421

Comentários

Sobre o autor
O Psicólogo
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 44 anos
15 textos (14131 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/09/14 08:14)