Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A FUGA



Fechou a porta devagarinho e ficou se perguntando se era capaz. Capaz de olhar aquele quadro degradante. Capaz de perguntar-se a si mesmo se havia tido uma história em comum. Se tomara café junto. Se partilhara dos mesmos sonhos, mesmas esperanças, mesmas expectativas. Lágrimas corriam, incontidas, involuntárias. Mas não tinha aquele sofrimento todo. Quase apenas nojo. Uma náusea incólume, que inundava a alma, o espírito. Vontade de sair, de respirar, de tomar ar puro. Temia abrir a porta e presenciar a cena, ver o corpo estendido no solo, a garrafa de bebida ao lado, espargindo-se entre os ladrilhos brilhantes, límpidos, impolutos. Os dedos longos, frios, finos, anéis no solo, comprimidos, cenário grotesco, comum, teatro barato. Pena. Sentia pena dela. Pena pela fragilidade, penúria. Ainda ontem, haviam se encantado pelas calçadas, avistado luzes novas no horizonte, ventos favoráveis que sopravam. Deram esmola a pedintes, abrigo a velhos desamparados. Sorriram felizes com a desgraça alheia. Estavam quase felizes. Burocráticos, fiéis ao senso comum. Ao dar para receber. Aparências. Caminhar juntos, fingir que pensavam. Fingir que sentiam-se próximos, vivos. Talvez estivessem mais mortos do que ela, hoje.
Agora aquele vento frio da rua, o barulho das buzinas, o zunzum intermitente do trânsito, as vozes apressadas soando aos ouvidos. Crianças que correm, patins na calçada, skates, bicicletas. Sorrisos francos. Felizes. Por que se sentir assim, alijado desta felicidade? Arremessado ao mundo tenebroso, fúnebre, espectador do outro: cheio de luzes, lá fora, com risos, mãos carinhosas, que se enlaçam, bocas que se tocam sorrateiras, brincando, balbuciando palavras doces, gestos leves, brejeiros. Um mundo distante que avista pela janela. Por que ficar tão longe, inatingível. Atingido pela dor, pela saudade do que já foi, do que passou ou do que nunca viveu. Saudade do que não foi.
Entrou num bar, pediu café, abriu o lap top, leu pela enésima vez o e-mail. Tomou o café demorado, lento, mãos presas na xícara, como garras, lábios trêmulos, a barba meio crescida coçando no queixo. Acendeu um cigarro. De repente, um silêncio quase absoluto no recinto. As bocas pararam devagar, como se mastigassem mingau. Câmera lenta. Olhares surpresos, assustados. Ele, gesto louco, tresloucado, que não fazia há tanto tempo. Guardara a carteira para uma ocasião como esta. Sabia disto. Cigarro amassado no canto dos lábios. Uma batidinha no balcão. Cinzeiro de vidro. Coisa antiga. Objeto obsoleto. Incrível que ainda tivessem ali, naquele bar de quase não fumantes. Olhares de censura. Acenos de cabeça, quase pedidos, súplicas para não cometer aquela loucura. Acuado, dirigiu-se à porta. Deu mais uma tragada. Retornou ao balcão e apagou o cigarro. Em seguida, levaram o cinzeiro, aliviados. Alguns sorriram, complacentes. Outros voltaram ao assunto usual. Conversas de costume: política, futebol, mulheres, trabalho, não necessariamente nesta ordem. Capricharam nos verbos, nos gestos, na fala alterada. O barulho do bar ficou ensurdecedor. Voltou ao normal. Doía-lhe os ouvidos. Ouvia entre eles, naquela barafunda toda, a voz da mulher, também pedindo, suplicando por uma nova chance. Uma chance de vida. Oportunidade única para exercer a bondade. Cansara de ser bom, de ver os dois lados da moeda, de discutir todos os aspectos das situações, todos os pontos de vista. Queria ser egoísta, autoritário, arrogante, malicioso e mau, infinitamente mau, como todos os outros. Como ela. Por isso saiu do bar e não a ouviu mais.
Mas o vento fustigava-lhe o rosto e trazia com ele vozes absurdas, lembranças tão vívidas que temia a volta do passado. Um passado que enterrara para sempre. Ou que pensara. Via-se sentado, em frente à máquina de escrever, dedos tiritando de frio, noite de inverno e medo. Treze anos de vida e uma carga emocional quase adulta. Via a mãe na janela do quarto, que dava para o pátio, caminhando pelas vielas do jardim, pesquisando ervas de chá, remédios que curassem a eterna dor da alma, da solidão. Ele batendo os dedos, forte, cada vez mais forte, para não lhe ouvir os passos. Não sentir as mãos pousadas no ombro, pedindo que contasse as noticias do dia, as histórias que escrevia, os trabalhos de aula e aquele cheiro de uísque barato inundando o ambiente. Tinha náusea e sentimento de culpa por não compreender tão grande dor. De ter ódio do pai, de sabê-lo distante, divertindo-se sozinho, esquecido deles. Aquele ritual se repetia e as histórias se acumulavam. Muitas das que contava nada tinha a ver com o que escrevia. Ele mesmo as inventava, na hora e punha um ponto final trágico, tão trágico que inspirava suspiros. A mãe nem ouvia, embalada que estava no teor de suas próprias alucinações. Suas histórias eram bem mais sinistras do que as dele. Um dia a viu morta, inchada, olhos esbugalhados, congestionados de álcool. Quase a ouvia chamando, pedindo socorro, tal como a mulher o fizera, mas batia tão forte na máquina que não a escutara. Estava assim, absorto, num passado morto e enterrado, que nem percebera o quanto tinha se afastado de casa. A noite já chegava depressa. Ouvia o burburinho da volta, os ônibus superlotados, filas imensas nas estações do metrô. Pessoas sozinhas, sem mais aquele brilho de felicidade. Tão solitárias e tristes quanto ele. Apenas sem a tragédia imediata. Somente a tragédia de suas vidas vazias, pequenas tragédias diárias. Então lembrou em voltar para casa, executar os trâmites necessários, chamar médico, quem sabe chamar a polícia.
Voltou ansioso, coração aos saltos. Viu o prédio em polvorosa. Comentários à solta. Porteiros, faxineiras, condôminos conversando, quase aos gritos. Um corpo enrolado em lençóis, numa maca, saindo do elevador. Alguém chamou a polícia. Eles estavam ali, à espera, à espreita. Que queriam? Correu para a cena, ingressou no cenário e sentiu o feixe de luzes dos refletores na cara. Uma voz firme, poderosa. Um gesto autoritário e a pergunta fatal: _É o marido? Vontade de fugir, afastar-se dali, esconder-se do drama. Argumentar qualquer coisa, fingir desconhecimento. Era tarde. As mãos se juntaram, o metal brilhante doía, latejava as veias dos pulsos. E a voz soava mais firme, mais forte: _Está preso.
 
Gilson Borges Corrêa
Enviado por Gilson Borges Corrêa em 16/11/2006
Código do texto: T293285
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gilson Borges Corrêa
Rio Grande - Rio Grande do Sul - Brasil
126 textos (21821 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:37)
Gilson Borges Corrêa