Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conto Em Três Cenas


Cena 1 –  Tomada aérea

 O carro pequeno desliza pela estrada. Segue veloz como um ponto móvel na paisagem. Do lado direito, montanhas e campos se revezam. Do lado esquerdo, até aonde a vista enxerga, somente  campos verdes. No horizonte, um resto de sol vermelho e intenso teima em permanecer mais um pouco e dá a impressão de um rasgo no céu que se esforça para escurecer.
As estrelas vão se chegando, a paisagem muda de tom. Apaga-se.
A cena, vista de longe, parece uma pintura - um risco cruzando a tela rumo ao infinito.


Cena 2 – Dentro do carro

Quatro ocupantes. Cansados. O zumbido do motor, o som monótono dos pneus rodando no asfalto e  o contorno vago das árvores à beira da estrada trazem para dentro do carro uma sensação bruta de torpor. Real e irreal se confundem. O silêncio é compacto. Pesado. Exausto; só quebrado vez por outra pela respiração cadenciada dos ocupantes. Aos poucos o resto de claridade acaba cedendo e a escuridão invade tudo. Interior e exterior se misturam.  Noite sem luar. Densa. O barulho do motor inebria, hipnotiza. Visto de dentro do carro o clarão do farol é como um facho de laser que perfura a noite. Vara a escuridão. Força a passagem; mas é quase que imediatamente tragado pelo negrume. Não há neblina ou qualquer coisa que atrapalhe a visão. Apenas a negrura concreta na noite envolvente.


Cena 3 – O acontecimento

O carro, implacável, segue pela estrada riscando a paisagem. A viagem prossegue. Num momento qualquer, como que brotando do asfalto, surge um vulto assustado que encara o carro de frente. Seus olhos refletem o brilho frio dos faróis. Pavor dentro e fora do carro. Choque violento. Sensação do impacto ferindo a carne. Um grito  fica contido nas gargantas adormecidas.  Alguns murmúrios.  Nenhum comentário. O carro todo treme como se estivesse com os nervos à flor da pele. Dança uma dança louca. Parece que se rebela, não quer seguir em frente. Geme também. Com habilidade o motorista domina a máquina, mas o baque fica cravado em cada um dos passageiros. Indecisão. O carro ainda vacila por mais um instante depois segue em frente. Noite escura. Muito escura. Pelo vidro traseiro ainda se pode ver a sombra estendida na estrada sendo engolida pela escuridão. Um cachorro... Ou quem sabe um bezerro... Ou... Talvez... Tudo tão rápido.  A cena, como se fosse um quadro fixado no espaço, vai se distanciando. O carro segue cortando a noite. Continua veloz. Os faróis ferindo a escuridão.  A imagem desaparece absorvida pelas trevas. Extingue-se.
No interior do carro – silêncio. Nas gargantas ainda o grito, travado, impotente, de espanto e dor.
Lá fora – a noite de verão. Quente. Escura. Insondável.




vera abi saber
Enviado por vera abi saber em 30/01/2005
Reeditado em 28/11/2007
Código do texto: T2966
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
vera abi saber
São Paulo - São Paulo - Brasil, 65 anos
118 textos (18147 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/16 17:40)
vera abi saber