Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COTIDIANO

Foi tudo muito rápido.
Dezinho contornou o muro com violência. Olhava pra trás. Tropeçou em dona Júlia, que vinha arrastando o passo pelo passeio. Caiu. Uma arma, negra e cintilante, o alcançou. Curumim a empunhava.
Não houve nenhum gesto. Dezinho, ainda caído, olhou para seu algoz. Piscava o olho incessantemente. Dona Júlia deu dois passos para trás. Quando ensaiava um grito, dois, três, quatro tiros ecoaram no ar. Desmaiou.
Curumim não piscava. Viu a massa que ululava ao lado do corpo inerte da velha. O olho esquerdo aberto. Enviesou as vistas e viu dois guris atrás do poste; Alaor, em seus seis anos ainda, e Jonas, já na casa dos nove. Sorriu sincero, de vitória. Os meninos também, de medo. Levantou a arma, soprou junto ao cano. Guardou-a na cintura. Saiu andando pela rua 10. Na passagem, alisou os cabelos crespos de Alaor.

(conto inédito, da série "Contos Crônicos", no prelo)
Escobar Franelas
Enviado por Escobar Franelas em 25/11/2006
Reeditado em 04/07/2013
Código do texto: T300707
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Escobar Franelas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 48 anos
871 textos (104397 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 11:53)
Escobar Franelas