Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O cego Estrelinho, de Mia Couto, em Estórias abensonhadas, (a editora Companhia das Letras manteve a grafia vigente em Portugal, observando as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990)

O cego Estrelinho era pessoa de nenhuma vez: sua história poderia ser contada e descontada não fosse seu guia, Gigito Efraim. A mão de Gigito conduziu o desvistado por tempos e idades. Aquela mão era repartidamente comum, extensão de um no outro, siamensal. E assim era quase de nascença. Memória de Estrelinho ti­nha cinco dedos e eram os de Gigito postos, em aperto, na sua própria mão.
  O cego, curioso, queria saber de tudo. Ele não fazia cerimónia no viver. O sempre lhe era pouco e o tudo insuficiente. Dizia, deste modo:
  — Tenho que viver já, senão esqueço-me.
  Gigitinho, porém, o que descrevia era o que não havia. O inundo que ele minuciava eram fantasias e rendilhados. A imaginação do guia era mais profícua que papaeira. O cego enchia a boca de águas:
  — Que maravilha esse mundo. Me conta tudo, Gigito!
  A mão do guia era, afinal, o manuscrito da mentira. Gigito Efraim estava como nunca esteve S. Tomé: via para não crer. O condutor falava pela ponta dos dedos. Desfolhava o universo, aberto em folhas. A ideação dele era tal que mesmo o cego, por vezes, acreditava ver. O outro lhe encorajava esses breves enganos:
  — Desbengale-se, você está escolhendo a boa proce­dência!
  Mentira: Estrelinho continuava sem ver uma palmeira à frente do nariz. Contudo, o cego não se conformava em suas escurezas. Ele cumpria o ditado: não tinha perna e queria dar o pontapé. Só à noite, ele desalentava, sofren­do medos mais antigos que a humanidade. Entendia aquilo que, na raça humana, é menos primitivo: o animal.
  — Na noite aflige não haver luz?
  — Aflição é ter um pássaro branco esvoando dentro do sono.
  Pássaro branco? No sono? Lugar de ave é nas alturas. Dizem até que Deus fez o céu para justificar os pássaros. Estrelinho disfarçava o medo dos vaticínios, subterfu­giando:
  — E agora, Gigitinho? Agora, olhando assim para cima, estou face ao céu?
  Que podia o outro responder? O céu do cego fica em toda a parte. Estrelinho perdia o pé era quando a noite chegava e seu mestre adormecia. Era como se um novo escuro nele se estreasse em nó cego. Devagaroso e sorrateiro ele aninhava sua mão na mão do guia. Só assim adormecia. A razão da concha é a timidez da amêijoa? Na manhã seguinte, o cego lhe confessava: se você morrer, tenho que morrer logo no imediato. Se­não-me: como acerto o caminho para o céu?
  Foi no mês de dezembro que levaram Gigitinho. Lhe tiraram do mundo para pôr na guerra: obrigavam os serviços militares. O cego reclamou: que o moço inatingia a idade. E que o serviço que ele a si prestava era vital e vitalício. O guia chamou Estrelinho à parte e lhe tranquilizou:
  — Não vai ficar sozinhando por aí. Minha mana já mandei para ficar no meu lugar.
  O cego estendeu o braço a querer tocar uma despedi­da. Mas o outro já não estava lá. Ou estava e se desviara propositado? E sem água ida nem vinda, Estrelinho escu­tou o amigo se afastar, engolido, espongínquo, inevisível. Pela primeira vez, Estrelinho se sentiu invalidado.
  — Agora, só agora, sou cego que não vê.
  No tempo que seguiu, o cego falou alto, sozinho como se inventasse a presença de seu amigo: escuta, meu irmão, escuta este silêncio. O erro da pessoa é pen­sar que os silêncios são todos iguais. Enquanto não: há distintas qualidades de silêncio. É assim o escuro, este nada apagado que estes meus olhos tocam: cada um é um, desbotado à sua maneira. Entende, mano Gigito?
  Mas a resposta de Gigito não veio, num silêncio que foi seguindo, esse sim, repetido e igual. Desamimado, Estrelinho ficou presenciando inimagens, seus olhos no centro de manchas e ínvias lácteas. Aquela era uma des­luada noite, tinturosa de enorme. Pitosgando, o cego captava o escuro em vagas, despedaços. O mundo lhe magoava a desemparelhada mão. A solidão lhe doía como torcicolo em pescoço de girafa. E lembrou pala­vras do seu guia:
  — Sozinha e triste é a remela em olho de cego.
  Com medo da noite foi andando, aos tropeços. Os dedos teatrais interpretavam ser olhos. Teimoso como um pêndulo foi escolhendo caminho. Tropeçando, empecilhando, acabou caído numa berma. Ali adormeceu. Seus sonhos ziguezagueram à procura da mão de Gigitinho.
  Então ele, pela primeira vez, viu a garça. Tal igual como descrevera Gigitinho: a ave tresvoada, branca de amanhecer. Latejando as asas, como se o corpo não ocupasse lugar nenhum.
  De aflição, ele desviou o vazado olhar. Aquilo era visão de chamar desgraças. Quando a si regressou lhe parecia conhecer o lugar onde tombara. Como diria Gigito: era ali que as cobras vinham recarregar os venenos. Mas nem força ele coletou para se afastar.
  Ficou naquela berma, como um lenço de enrodilha­da tristeza, desses que tombam nas despedidas. Até que o toque tímido de uma mão lhe despertou os ombros.
  — Sou irmã de Gigito. Me chamo Infelizmina.
  Desde então, a menina passou a conduzir o cego. Fazia-o com discrição e silêncios. E era como se Estreli­nho, por segunda vez, perdesse a visão. Porque a miúda não tinha nenhuma sabedoria de inventar. Ela descrevia os tintins da paisagem, com senso e realidade. Aquele mundo a que o cego se habituara agora se desiluminava. Estrelinho perdia os brilhos da fantasia. Deixou de comer, deixou de pedir, deixou de queixar. Fraco, ele ca­receu que ela o amparasse já não apenas de mão mas de corpo inteiro. De cada vez, ela puxava o cego de encontro a si. Ele foi sentindo a redondura dos seios dela, a mão dele não procurava só outra mão. Até que Estrelinho aceitou, enfim, o convite do desejo.
  Nessa noite, por primeira vez, ele fez amor, embevecido. Num instante, regressaram as lições de Gigito. O pouco se fazia tudo e o instante transbordava eternidades. Sua cabeça andorinhava e ele guiava o coração com voo de morcego: por eco da paixão. Pela primeira vez, o cego sentiu sem aflição o sono chegar. E adormeceu enroscado nela, seu corpo imitando dedos solvidos em outra mão.
  A meio da noite, porém, Infelizmina acordou, so­breassaltada. Tinha visto a garça branca, em seu sonho. O cego sentiu o baque, tivessem asas embatido no seu peito. Mas, fingiu sossego e serenou a moça. Infelizmina voltou ao leito, sonoitada.
  De manhã chega a notícia: Gigito morrera. O mensageiro foi breve como deve um militar. A mensagem fi­cou, em infinita ressonância, como devem as feridas da guerra. Estranhou-se o seguinte: o cego reagiu sem choque, parecia ele sabendo daquela perca. A moça, essa, deixou de falar, órfã de seu irmão. A partir dessa morte ela só tristonhava, definhada. E assim ficou, sem competência para reviver. Até que a ela se chegou o cego e lhe conduziu para a varanda da casa. Então, ini­ciou de descrever o mundo, indo além dos vários firmamentos. Aos poucos foi despontando um sorriso: a me­nina se sarava da alma. Estrelinho miraginava terras e territórios. Sim, a moça, se concordava. Tinha sido em tais paisagens que ela dormira antes de ter nascido. Olhava aquele homem e pensava: ele esteve em meus braços antes da minha atual vida. E quando já havia desenvencilhado da tristeza ela lhe arriscou de perguntar:
  — Isso tudo, Estrelinho? Isso tudo existe aonde?
  E o cego, em decisão de passo e estrada, lhe respondeu:
  — Venha, eu vou-lhe mostrar o caminho!
 
Mia Couto
Enviado por Germino da Terra em 06/04/2012
Reeditado em 06/04/2012
Código do texto: T3597658
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Germino da Terra
Paty do Alferes - Rio de Janeiro - Brasil, 58 anos
270 textos (43185 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/11/14 07:41)
Germino da Terra

Site do Escritor



Rádio Poética