Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE E O ANDARILHO

De que se alimenta o poeta?
Em minha frente observo uma cena onde Carlos Drummond de Andrade escuta pacientemente um andarilho. Com muita concentração e respeito por Drummond o andarilho aponta seu dedo indicador gesticulando algumas palavras.
Drummond com suas pernas cruzadas sério e seu óculo firme e imóvel tem todo tempo do mundo a ouvi-los.
Será que essa sena já foi vivida por Drummond? Será que foi conversando com pessoas menos favorecidas, sem nem um intelecto que Drummond em seus estudos construía sua obra? O contraste do intelecto com o ignorante se dava na mais alta harmonia, parecia se entenderem ao pondo de Drummond admirar lá do céu.
Gosto de pensamentos e de tentar entender o contesto harmoniosamente arranjado, que no fingimento poético o que vale é a poesia.
Logo o senhor andarilho de pés descalço, com uma fita amarrada em um dos pés, vestindo calção com listras laterais e uma camisa de propaganda do PT com uma estrela vermelha em um dos ombro.
Já Drummond com seu terno de linho branco fazia pouca causa dessa situação.
Ao fundo o mar, azul de parar qual quer um para admirá-lo. Um casal a se banhar de mãos dadas. Namorando sem se dar conta do cenário de que os vigiava. Isso tudo mais ou menos meio dia.
Sentados ao banco do calçadão, Drummond e o andarilho segue com sua prosa, um em total silencio e o outro se dando a oportunidade de debater sua opinião, sem nem um constrangimento de sentar ao lado de uma celebridade e desencadear uma conversa, quase que de pé de orelhas.
Nada do outro mundo se não fosse interessante o registro dessa cena.
Tava me esquecendo do saco ao lado do senhor andarilho, nele carregava toda sua história.
“As academias coroam com igual zelo o talento e a ausência dele”.Carlos Drummond de Andrde
 “Não é fácil ter paciência diante dos que têm excesso de paciência.”Carlos Drummond de Andrde.
Por fim se trata de uma foto de ser homenageada só pela ocasião.
Deleito-me desse cetim de letras...
Que de nada e de poesia minha mente se alimenta até observar uma foto em que uma estatua de bronze de Carlos Drummond e um andarilho.

Escrito em 13 de dezembro de 2012, por Orlando Oliveira.



ORLANDO S OLIVEIRA
Enviado por ORLANDO S OLIVEIRA em 26/12/2012
Reeditado em 25/05/2014
Código do texto: T4053999
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Enderaço da obra. recanto das Letras de Orlando Oliveira.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ORLANDO S OLIVEIRA
Aracaju - Sergipe - Brasil, 55 anos
824 textos (26936 leituras)
4 áudios (131 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 04:14)
ORLANDO S OLIVEIRA