CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Personagens do Nordeste

No ônibus nordestino que cruzava todos os Estados da imensidão que o sol alcançava, a cada parada adentrava pela porta da frente um personagem ilustre desta terra de heróis e bandidos que ali reinavam.
Logo, na primeira parada nas bandas do Ceará e representando o clero subiu padre Cicero Romão Batista, Antônio Conselheiro e o beato José Lourenço. Entraram cantando assim: "...Bendito louvado seja um dia de sexta-feira, o dia em que Deus mandou o Pade Ciço pro Juazeiro..." E começaram a benzer o motorista e o ajudante rodoviário e todas as cadeiras ficaram molhadas de água benta. O motorista agora crente que nada de ruim poderia acontecer naquela viagem, tocou o ônibus pra frente com sua fé renovada. Saindo do Juazeiro do Norte, passando por Crato e Quixeramobim seguiu rumo ao Assaré onde subiu o grande nome da terra Antônio Gonçalves Silva, que olhou para os três passageiros sentados ao fundo e cantarolou:
 "Eu não posso lhe invejá
Nem você invejá eu,
O que Deus lhe deu por lá,
Aqui Deus também me deu..."
E sentou-se no primeiro assento. Fechou-se a porta e ônibus seguiu sua viagem pelo sertão adentro.
Sem respeitar tempo nem época mais uma vez no tempo voltou e na fronteira do Pernambuco debaixo dum pé de angico uma trupe deu sinal e lá o ônibus parou. De olhar firme, chapéu reluzente e brandindo aço nos dentes falou lampião:
-Pensei que num ia parar motorista fi duma égua, pois soube que meu Padim nesta geringonça aqui está e sem sua bença num ia ficar. E sabe duma coisa tô cansado de andar! Maria vem! Sabonete!! Manda a cangaceirada entrar que agora quero ver onde isso vaia dá.
E lá amarrotou-se o transporte carregando fé, ferro e poesia. Andou mais uns cinquenta quilômetros e a dez metros o motorista começou a se benzer e apelar dizendo:
-Valei-me minha nossa senhora! Seja o que Deus quiser agora...
Foi parando devagarinho e quando a porta abriu pulou na frente da macacada o Tenente João Bezerra. O motorista foi logo dizendo com ares de morto:
-Tá lo...ta..do...
E o Tenente falou:
-Lotado o que fi do que ronca e fuça, tu tá querendo deixar minha volante nesse sol quente da gota serena?
Nisso ele olhou para dentro do ônibus e viu lampião e os seus cangaceiros, arregalou os olhos e berrou:
-Traz a matadeira cambada de macacos que o desfecho vai ser agora! E a as balas começaram a zunir de ambos os lados, de dentro para fora e de fora para dentro. O motorista se meteu debaixo do assento, Padi Ciço e os beatos oravam para nossa senhora do livramento e Assaré voou pela janela igual a passarinho quando sai do ninho. E assim a batalha começou sem tempo nem lugar pra terminar, dizem que dourou até as balas acabar e até hoje o povo fala: Tenha cuidado com o ônibus que vai pegar, principalmente se for pras banda do Ceará.
Bezerra Neto
Enviado por Bezerra Neto em 10/01/2013
Código do texto: T4077602
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Bezerra Neto
Fortaleza - Ceará - Brasil
138 textos (2847 leituras)
7 áudios (505 audições)
1 e-livros (36 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 30/08/14 13:11)