Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                         A GRANDE TACADA

A tarde estava quente...
O relógio de estilo antigo pendurado na parede indicava 14 horas.
No salão de sinuca " Fino Trato",o ambiente naquela segunda-feira era de tédio.
Num canto jogadores " profissionais",numa completa indolência,olhavam com desânimo para a extensão do pano verde da mesa central,sempre reservada para as grandes partidas.
É que os três jogadores inveterados," Canhoto","Doçura" e "Sapudo",estavam "duros".
O silêncio do salão era "quebrado" de vez em quando apenas pelo barulho da bola branca,quando esta caía ao chão,devido ao erro dos jogadores amadores que usavam a mesa dos fundos num jogo sem graça.Eram dois estudantes que alí se encontravam "matando" aula.
" Sapudo", o jogador mais famoso,já demonstrava impaciência.O desejo de jogar uma partida sufocava seu peito.Embora tivesse jogado na noite anterior,já começava a sentir saudade do taco que era conservado com muito carinho.Ninguém tinha coragem de colocar a mão naquele taco gravado com o nome "Sapudo".Muitos diziam até que "Sapudo" gostava mais do taco do que da própria mulher.
A verdade é que "Sapudo" dificilmente perdia uma partida,era um campeão respeitado e admirado naquele salão.
'As vezes acontecia um desentendimento durante uma partida entre os três amigos,mas no final,serenado os ânimos,faziam as pazes.
"Canhoto" era capaz de realizar tacadas incríveis e jamais usava o "fancho",mesmo diante de uma situação difícil.Muitas vezes perdia o jogo por causa desta mania.
Corria o boato que ele agia assim devido a uma promessa.
"Doçura" era jogador elegante e educado,nunca falava palavrão durante uma partida.Quando perdia,sabia se controlar e cumprimentava o adversário.Utilizava muito as "tabelas" quando jogava.
"Sapudo" o campeão tinha uma tática de jogo extremamente defensiva.Era capaz de colocar o adversário em "sinuca" sucessivas vezes,até irritá-lo.Aí, então,iniciava um contra-ataque fulminante e rapidamente colocava todas as bolas no interior da "caçapa".Na verdade, era muito orgulhoso e gostava de humilhar o adversário.Habilidoso nas tacadas,fazia as bolas seguirem caminhos considerados impossíveis antes de caírem na "caçapa".
Muitos afirmavam que "Sapudo" tinha sido aluno,durante muitos anos do "Mestre Santinho",com o qual aprendeu a técnica e malícia.
Com o dinheiro que havia recebido do jogo da noite anterior,'Sapudo" pagou as contas atrasadas do gás e da luz e liquidou a dívida na quitanda.
Agora,pensava no aluguel vencido da "meia água" onde morava com Rosinha,a mulata mais cobiçada do bairro.Pensava também naquele vestido novo tantas vezes a ela prometido.
De repente,uma figura estranha com aspecto de "gente do interior",todo sem jeito e esquisito entra no salão caminha em direção 'a copa e pede ao "seu Joaquim" uma "pinga".Toma a "branquinha" de um gole só e sem fazer careta.Logo após,prepara um cigarrinho de palha e fica olhando para a mesa central com "ar" de quem gosta de sinuca.
"Sapudo",que já o havia observado,vai ao encontro do sujeito e pergunta:
- Aceita jogo?Dou 20 pontos de vantagem.Vale 100 contos.
O estranho cidadão,surpreendido com o convite,timidamente responde:
- Que isso moço! Eu nunca joguei a valê dinhero,uai! Só jogo pra mi divertí com meu cumpade que me ensinô um poquinho...E não é todo domingo não.
"Sapudo" então ofereceu 30 pontos de vantagem e insistiu tanto que deixou o homem confuso.
- O moço deve ser o rei da sinuca por aqui, né?
"Sapudo" procurando disfarçar seu orgulho, respondeu sorrindo:
- Eu gosto de arriscar.
"Seu Joaquim" junto ao balcão,já acostumado a ouvir os desafios de "Sapudo",pensou:
- Se o "mineirinho" bobear,vai acabar perdendo até a roupa que veste para o "Sapudo".Vai sair daqui apenas de cueca.
O "mineirinho",entretanto,não pensava em jogar,muito menos a valer dinheiro.Tinha vindo ao Rio para conhecer as belezas naturais da Cidade Maravilhosa,as praias,o Cristo Redentor,o bondinho do Pão de Açucar...
Mas "Sapudo" insistiu tanto que o tal "mineirinho" não resistiu e aceitou a aposta.
Afinal,começaria jogando com 30 pontos de vantagem.
- Tudo pronto para o início do jogo? - Perguntou "Canhoto"...
-Sim,respondeu "Sapudo" sorrindo com o famoso taco 'a mão.
O tal "mineirinho" pegou um taco qualquer e então realizou a primeira tacada."Sapudo",entusiasmado com a oportunidade de ganhar dinheiro fácil 'a custa do pobre "mineirinho",gritou para o "seu Joaquim":
- Traga uma cerveja para os meus amigos "Canhoto" e "Doçura".
A primeira partida terminou com a vitória do "mineirinho".
"Canhoto" e "Doçura" jogadores veteranos não se surpreenderam.
"Sapudo",não querendo demonstrar logo toda a sua técnica,facilitou a vitória do adversário.
Na hora de pagar a aposta "Sapudo" sugeriu ao "mineirinho":
- Eu lhe dou novamente 30 pontos de vantagem e se você vencer eu pago os 100 contos que perdi e mais 200 contos;caso eu seja o vencedor,você me paga somente 100 contos.
A segunda partida foi iniciada.O resultado já era esperado:"Sapudo" ganhou.Pronto agora já tinha 100 contos no bolso.
"Mineirinho" olhou o relógio que indicava 16 horas e falou para o "Sapudo":
- Foi uma honra pra mim jogá com um campião.Boa tardi pra todos...
'Sapudo" entretanto,colocando-se 'a frente do "mineirinho" disse:
-Espera aí,vamos jogar mais uma partida.
"Mineirinho" então respondeu:
- Amanhã volto pra minha terra.Tenho de acordá cedo e ainda nem arrumei as malas...
-Só mais uma partida - insistiu "Sapudo" acrescentando:desta vez eu aposto 400 contos contra 100 e ainda dou 30 pontos de vantagem.
- Não! Já perdi 100 contos.Nunca tinha jogado a valê dinheiro,uai.Não penso em continuá...Até logo!
'Sapudo" vendo o "mineirinho" se afastar correu ao encontro dele já na porta e sugeriu uma aposta muito tentadora:
- Que tal 500 contos contra 100? Continuo dando 30 pontos de vantagem.
"Mineirinho" espantado quase engoliu o " cigarrinho de palha" que fumava.Procurou se acalmar e dirigindo-se ao "seu Joaquim" pediu uma "pinga" dupla.Tomou de um gole só,respirou fundo e respondeu:
- Tá bom,auai...
A partida foi realizada.E mais uma vez,"Sapudo" ganhou.
Um fato inesperado,entretanto,aconteceu..."Mineirinho",inconformado com a perda,manifestou o desejo de jogar outra partida e colocou sobre a mesa 100 contos.Imediatamente "Sapudo" aceitou.
- Ótimo! Se eu perder pago em dobro...Continuo dando 30 pontos de vantagem.
Para surpresa de todos,"mineirinho" só quis 10 pontos de vantagem."Sapudo" sentiu-se ferido no seu orgulho de jogador considerado campeão e falou para o "Doçura" que estava ao seu lado:
- Vou deixar esse "mineirinho" pelado.
- "Seu Joaquim" traga cerveja pra todos! Hoje quem paga sou eu...Gritou "Sapudo" passando giz na ponta do taco.
Naquele momento o relógio assinalava 20 horas.O movimento do salão "Fino Trato" aumentava com a chegada dos seus fiéis frequentadores.
"Canhoto" e "Doçura" começaram a observar um brilho diferente nos olhos do "mineirinho".Após passar 15 minutos rezando,ele parecia um outro homem.As mãos demonstravam mais firmeza ao pegar no taco e já conseguia se livrar de algumas "sinucas" e realizar boas jogadas de defesa.Colocou até três bolas na "caçapa" por meio de "tabelas" .
Por outro lado "Sapudo",demonstrava uma certa dificuldade no domínio do jogo.
Com a vantagem de 10 pontos "mineirinho" acabou ganhando.
E assim continuou nas demais partidas.
A notícia correu de "boca em boca" .O salão de sinucas "Fino Trato" ficou repleto.
"Sapudo" novamente sem dinheiro apelou para os objetos: apostou o relógio,o fogão e a geladeira empenada.
Quem sorria agora era "mineirinho".
"Sapudo",mesmo usando toda a sua técnica de campeão,não conseguia mais vencer ."Canhoto" e "Doçura" procuravam confortá-lo em vão..."Sapudo" estava uma fera e revoltado com tudo.
"Doçura",com aquele jeito todo especial pediu ao companheiro para parar de jogar.Mas "Sapudo" mostrou-se irredutível.Haveria de continuar apostando tudo que tinha.
Convém esclarecer que as partidas agora eram realizadas no "duro"."Sapudo" não dava mais vantagem de pontos...
Naquele salão nunca tinham visto um jogador igual ao "mineirinho".Uma figura realmente pitoresca,com jeito próprio de "gente da roça",simples e com aparência de ingênuo.Baixinho e de bigodinho e cabelos curtinhos,era o diminutivo em pessoa.
Já era madrugada quando "Sapudo",desesperado com a perda de tudo que possuía, chegou ao extremo.Apostaria a sua mulher Rosinha que era a mulata mais cobiçada do bairro.
- Apostar Rosinha...Raios o partam! - Esbravejou "seu Joaquim" .
"Canhoto" e "Doçura" não acreditavam no que estavam ouvindo.
- O homem ficou louco - dizia "Canhoto".
"Doçura" por outro lado acrescentava:
-"Sapudo" não pode estar falando sério...Isso é uma piada de mau gosto.
O fato é que "Sapudo" estava decidido e gritou para todos ouvirem:
-Se eu perder o "mineirinho" fica com a Rosinha.Mas apenas uma noite...
"Mineirinho" assustado e surpreso com tal aposta,ainda tentou convencer o "Sapudo" que melhor seria desistir da idéia.Mas sua tentativa foi inútil.
- Ou você joga comigo esta última partida ou te mato aqui mesmo,retrucou "Sapudo".
"Mineirinho" então teve de aceitar.
O salão "Fino Trato" estava cheio.Muitos brigavam procurando a melhor posição para apreciar bem de perto o desenrolar da partida.
"Sapudo" não se conformava com as derrotas sofridas e queria ganhar essa última partida de qualquer maneira.
-Vou arrasar esse "pingo de gente" - gritava sem parar.
Entre os assistentes,alguns ainda acreditavam na capacidade técnica do "Sapudo" e apostavam que a vitória final seria dele.Eram seus fiéis admiradores...
O jogo, então, teve início diante de um silêncio total.Ninguém tossia ou piscava...Ningém se afastava do lugar.Todos os olhares estavam concentrados na mesa central.Até "seu Joaquim", junto ao balcão,esticava o pescoço na tentativa de ver algum lance da partida.
Após duas horas de jogo a partida ainda permanecia equilibrada.
De repente,"Sapudo" dá uma "tacada" incrível e coloca a bola cinco na caçapa,ficando com vantagem de pontos.
Mas essa situação durou pouco...Logo depois o "mineirinho" conseguiu empatar.
Na mesa central restava apenas a bola sete para decidir o jogo.
Era a vez de "Sapudo" jogar..."Doçura" providenciou uma toalha para ele enxugar o suor do rosto."Canhoto" deu-lhe um cigarrro.
"Sapudo",pensando na mulher que estava em jogo,pediu a proteção dos deuses e respirou fundo,procurando se acalmar.
Em seguida segurou o taco com firmeza e deu a "tacada" ...A bola sete rodou na "boca da caçapa" e ...não entrou,para espanto de todos.
Um assistente quebrando o silêncio disse:
- É,esse tal de "mineirinho" está com sorte.
Foi o seu erro...Quase é estrangulado pelo "Sapudo" .
"Mineirinho" que havia terminado de engolir uma " pinga",tragou um "cigarrinho de palha" e assumiu posição de jogo.
Segurou o taco com apenas uma das mãos e,sorrindo,deu a sua "tacadinha"...A bola branca bateu de leve na bola sete que,lentamente(como se estivesse fazendo suspense),foi rolando para o interior da "caçapa".Vitória de "mineirinho".
Lágrimas nos olhos do "Sapudo".
"Mineirinho" acabou adiando a viagem...
Dizem que Rosinha,cansada das promessas do "Sapudo" e saturada da vida de dificuldades,até sorrriu quando soube que tinha sido alvo de aposta.Seria uma vingança? O fato é que na noite seguinte,todos os moradores do bairro viram quando ela saiu rebolando ao lado do "mineirinho".
Amanheceu e nada de Rosinha voltar.O trato não foi apenas de uma noite? Era o comentário geral.Os dias passavam e nada de Rosinha aparecer.
"Canhoto" e "Doçura" viram "Sapudo" quebrar o taco de estimação e jurar que nunca mais entrava num salão de sinucas.
Depois de vários meses ausente,Rosinha mandou uma carta para o "Sapudo" com os seguintes termos:
"Resolví viajar.Estou aqui em Minas.Vou ficar para sempre com o "mineirinho".O "taco" dele é melhor do que o seu..."
Como se isto não bastasse,uma semana depois "Sapudo" recebeu uma outra carta que dizia:
"Si ocê mi arrumá otra Rosinha eu volto prá jogá com ocê novamenti e ainda dô 30 ponto di vantagi,uai".
Gladston Salles
Enviado por Gladston Salles em 09/09/2005
Reeditado em 11/11/2005
Código do texto: T48982
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link gladstonsalles.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Gladston Salles
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
321 textos (38905 leituras)
2 e-livros (316 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:22)

Site do Escritor