Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mulher, seu nosso mundo

Mulher, seu nosso mundo
by-Caio Lucas
 

Mulher! Seu corpo faz questão de ser movido pelo olhar das amigas, seu peso é incrivelmente aumentado a cada grama de alimento, as mãos sempre atentas às bolsas, os olhos às liquidações.

Não falemos de nenhum outro assunto hoje, não vamos falar de ninguém, ah... sabe aquela nossa amiga... começa sempre assim alguns papos, por falar em papo, nenhuma mulher vive sem telefone, dois no mínimo, um fixo e um celular, fora os emprestados por falta de créditos, orelhões etc.

Não quero aqui escrever nada contra, nem a favor, mas só o que percebo desta alma que tem milhares de pedaços, misturas de espertezas e incertezas.

Por exemplo: um não quer dizer não até daqui a pouco e ai de você se não insistir em mudar este não; se pede um sim é não e este não fica mais tempo não; se desiste, vira sim rápido e se vira contra você, entendeu? Vamos de novo, última vez: quando diz não é sim, quando diz sim é sim e quando diz não é não porque depois pode o não ser sim, se não insistir em mudar para o sim ou o sim para o não, corre risco de morte... É mais ou menos assim..

E então quando encontra um modelito legal, pode ser uma blusa, saia, calça, mas o sapato é importante demais, tem que combinar com a bolsa, aquela igual da amiga que ela vai comprar semana que vem quando encontrar naquele loja que ouviu dizer que aceita cartão, mas tem que esperar virar o mês; ah... e a cor tem que ser de um tom mais claro, aquelas 30 cores que do fabricante não servem, ele não tem sensibilidade para saber que um tom é muita coisa em matéria de mulher.

O corpo... De quem? Dela ou delas?
É muito interessante você acompanhar uma conversa sobre regimes, existem milhares, não, milhões, todo regime tem até batismo, acho que até certidão de nascimento, tem de frutas, de carne, de água, de sopa, até de astros, planetas... sei lá mais de quê.

Elas jamais fazem tais regimes, de palavras, impossível!
Outro dia estava calado, escrevendo uma coisa qualquer, ela disse:

- Ei, estou aqui, nem percebe que preciso de carinho? Você me esquece!
Vou e abraço e ouço um grande pára, que grude, o que você tem hoje, quem encontrou na rua, heim?

A carência é inerente à mulher, assim como a prisão de ventre, o assédio, o tom do cabelo e mais algumas milhares de coisas que jamais os homens vão entender... fofocas, nem pensar...

Observo sempre a postura do ser humano em relação a outro, mas não das mulheres, são causo à parte, causo está certo, não é causa a parte, é causo mesmo, porque sempre tem uma historinha, um pitaco que dá o charme, um jeitinho de mudar o envolvimento, dando uma emoção - digamos assim -  sem aquele medo ligado às instabilidades emotivas.

Elas são um universo à parte dentro do nosso universo, tudo é especial ou elas não compram, os desejos têm que ter aquele jeito de desejo, vai entender... se são muito desejadas corremos o risco de ser grudentos, fracos ou se assediamos todas, somos galinhas e tal.

Veja bem, galinha é feminino, galo ficaria melhor, mas elas gostam que sejamos galinhas, não sei ao certo, deve ter alguma coisa aí, galinha... sei não.

As pessoas são divididas em grupos: masculinos, femininos, as inimigas e outros; nenhum homem é inimigo, alguns têm o potencial de ficar ali no seu banco de reserva, para uma eventual substituição, mas o que me irrita é aquela coisa de chamar de amigo, um saco; elas, quando não querem dar mole, dizem:

- Sabe, ó amigo, é que tenho você como um quase irmão!

Pô, isto me dá vontade de mandar pra.... deixa pra lá, mas se por acaso elas estão só, o colo deste período o amigo vem bem a calhar até aparecer ou fazer as pazes com o outro.

Não estou aqui querendo dizer que são fingidas, não mesmo, adoro as mulheres e seus jeitos, seus toques de moda, de corpo, seu andar, suas bundinhas, adoro também tudo deste imenso universo feminino, mas... elas legislam em causa própria.

Aproximação da mulher é um pouco complicada, ela quer sempre um cara bonzinho, educado, cheiroso, de banho tomado e que não roa as unhas, mas também quer que ele tenha cheiro de homem, que o perfume não seja mais do que ela possa suportar e que não se sinta como se estivesse com outra mulher na cama; bem, cama, lá é o reduto de nãos, aquilo que falei lá em cima, está bem explicado, sim é não, não é sim e por aí vai e sim não é sim... Pronto! De novo falei.

Voltando à cama: elas sempre reclamam daqueles que dormem depois de fazer amor, muitas vezes o cansaço é mais forte sim, o que elas querem é você ali bem acordado e que as abracemos bem suave, deixando que o tempo passe, mas tem que ficar alerta, sabe por que?  Elas dormem...

Assim não seria mais fácil os dois dormirem? Mesmo que ela vá dormir, se você abraçar ou não, mas o homem tem por obrigação ficar acordado, enquanto elas fecham os olhos e dizem estar ainda sentindo ir ao céu, na maioria das vezes estão sim, dormindo...

Poderia dizer muitas coisas mais, preciso ir agora, tenho que escolher onde ir final de semana, sabe como é né, tem que ter pelo menos umas cinco opções, ela vai detestar todas.  Quando eu disser:

-  Então vamos ficar em casa.
Aí ela decide pelo primeiro programa que sugeri, sem falar do restaurante, cinema, roupas.. ah roupas...

Esperar uma mulher se trocar é algo que já não me irrita, assim como também aguardar que ela termine a maquiagem para entrarmos no banheiro, atrasos estão no DNA delas, pode olhar lá naquela escala, tem uma que marca, atrasos mínimos e máximos, elas fazem de propósito, dizem que não, mas em certo ponto é bom porque, às vezes, também atrasamos, mas jamais fale que chegou atrasado, mesmo que ela tenha chegado depois, se não vai dizer, viu e reclama que você nem liga mais como antes, começam então os devaneios e esquece que também somos normais, e lá vem a série de perguntas:

-  O que estava fazendo que não chegou na hora, aposto que estava galinhando por aí, quero saber pra onde estava indo estes pensamentos... etc. etc. etc...

Pronto! Lá vem elas com o galinhando de novo, que coisa, temos que manter um bom jogo de cintura o tempo todo, entender mesmo que não entendamos, compreender a moda, as milhares de cores e de cabelo também, se mudou o penteado, aí de você se não notar que aquela cor variou um décimo de tom...

São assim estas mulheres, estas deliciosas mulheres que nos fazem crescer, ir além de nossos sonhos, das nossas loucuras, quando não nos deixam loucos, pedimos para ficar loucos ou não tem graça, mas é tudo por amor, por paixão, pelos desejos que nos imperam a lei das meninas que nos dá vida..

Esta nossa prosa não é reclamação, amo as mulheres, amo o mundo feminino e não poderia deixar de dizer: sem elas que mundo seria este?

 

19/09/2005
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 19/09/2005
Código do texto: T51901
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116244 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:42)
Caio Lucas