Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Solitaire e o Anjo Zulu – Capítulo I

Solitaire e o Anjo Zulu – Capítulo I

Naquela noite dispensei companhias.
O telefone clamava insistente, enquanto executava meu íntimo ritual.
O verão vivia seu auge, mas os ares eram amenos. A noite convidava, insinuante...
Banho tomado, perfume, maquiagem leve. Cabelos soltos.
Só um pouco mais de batom, porque a boca sempre me vem com suas súplicas...
Visto meias finas que mal cumprem sua função.
Body sem alças e saia de comprimento revelador .
Por cima uma blusa de mangas longas.
O tecido em tela se assemelha à uma macia rede de pescar.
Compõe o conjunto, disfarçando a pouca roupa e a timidez.
Calço sapatilhas confortáveis. De andarilha .
Observo a esquia silhueta no espelho. Toda de negro.
Sorrio dessa mania. Pareço viúva de mim mesma.
Pego uma bolsa colorida. Um pouco de contraste é bom.
Alguém bate delicadamente à porta e vejo surgir um bilhete.
Um funcionário do Hotel a mando de amigos recentes.
Leio o recado pensando no quanto deve ser difícil entender a quietude um tanto brusca me assalta sem aviso.
Pois meu invólucro sem ecos não se explica.
Mas sei o quanto o silêncio pode ser eloquente.
E também perdoável.
Por isso me calo, enquanto ouço o telefone tocar novamente.
Vou até a janela e vejo o parque escuro.
Mas o Arco de Mármore está iluminado.
Suavemente envolto por luz e história.
Vejo pessoas caminhado na rua.
São dez horas da noite e os jantares estão sendo servidos na cidade.
Os bares já começam a receber os frequentadores tão alegres quanto beberrões.
O telefone volta a acompanhar o ritmo silencioso do quarto.
Chegam discretos os ruídos das ruas.
E entre eles vem um som diferente.
Um sussurro longínquo..... "Solitaire ...."
Deve ser este um nome antigo. De um tempo que vivi e agora reconheço...
Mas sobrepondo-se a qualquer estímulo, ouço o chamado poderoso. E tão aguardado.
O leve arrepio seguido do descompasso no peito anunciam a emoção do encontro.
Pego o elevador, atravesso o imenso lobby e ganho a calçada .
À minha espera o amante impaciente.
Companheiro valoroso a me surpreender desde sempre.
A quem chamo de Acaso.
Me recebe enigmático, oferecendo seu abraço caloroso.
Ao qual entrego docemente a amplitude de viver.

Continua .....

Claudia Gadini
31/07/05
Claudia Gadini
Enviado por Claudia Gadini em 14/10/2005
Código do texto: T59672

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Claudias Gadini). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudia Gadini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
318 textos (54196 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:20)
Claudia Gadini