Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Solitaire e o Anjo Zulu - Capítulo II

Solitaire e o Anjo Zulu - Capítulo II

Sigo caminhando pelas trilhas do Acaso.
Tento imaginar as surpresas que ele reservou para esta noite, mas logo desisto.
Porque o sabor da surpresa me é delicioso.
Caminho por ruas movimentadas. Vejo rostos dos mais variados tipos. A arquitetura de tijolos vermelhos me fascina.
Muitos vasos floridos em todos os lugares.
A memória insiste na antiga canção que me embala o silêncio.

“I’m wandering round and round nowhere to go...”

Pego o metrô e saio bem em frente ao Grande Relógio. Fico observando por um longo tempo aquele esplendor antigo. A noite evidencia seu porte impotente.
Um ícone sereno a guardar a cidade. Um nobre que resistiu ao bombardeio nazista, do qual foi alvo precioso. Sobreviveu e incorporou ainda mais sua altivez.
Manteve sua postura senhorial.
Lhe dirijo um sorriso de profundo respeito.
Ele devolve o cumprimento, lembrando que a cada segundo a vida apresenta uma nova chance.
Me despeço com uma foto. E prossigo acatando a sabedoria do Senhor do Tempo.

“It´s good to live, at least, and I agree... “

Novo trecho de Metrô e lá está ela. A Ponte da Torre, outra senhora plena de histórias.
A elegante dama se destaca na noite, que lhe envolve a silhueta charmosa.
Fotografo detalhes enquanto atravesso seu dorso estendido sobre o Rio Largo. Gosto de pontes.
E esta é uma de minhas favoritas.
Piso de leve, como quem acaricia uma querida amiga.
O Rio não demonstra ciúmes, pois no último crepúsculo imprimi no olhar seu surpreendente azul.
Chego lentamente à outra margem . A exposição de arte já encerrou. Portas fechadas. Melhor assim.
Pouso a atenção nas embarcações que navegam o Rio.
Os turistas riem alto o seu prazer, mas isso me incomoda.
Incomoda a tranquilidade do Rio, mas este não se queixa. Um verdadeiro cavalheiro.

“He seems so pleased to please them...”

A Ponte tudo observa, comtemplativa. É polida demais para admitir seu tédio.
Novas fotos, nova despedida.
Sigo caminhando a esmo, guiada pelo Acaso. As ruas vão se tornando cada vez mais ermas.
Minha alma peregrina é conduzida por lugares desconhecidos.
Vejo as luzes das casas se apagando e um silêncio doce nascendo.
As ruas se tornam tão vazias que parecem minhas.

“I cross the streets without fear...”

Sinto uma agradável sensação de paz. Esqueço que o Acaso costuma ser pungente.
E algumas vezes, por demais assustador.
Solitaire nem imagina o que vem a seguir.


Continua.....


Claudia Gadini
03.08.05
Claudia Gadini
Enviado por Claudia Gadini em 14/10/2005
Código do texto: T59674

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Claudias Gadini). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudia Gadini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
318 textos (54196 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 09:58)
Claudia Gadini