Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Solitaire e o Anjo Zulu – Parte V - Final

Solitaire e o Anjo Zulu – Parte V - Final


Fico um pouco mais calma agora.

- De onde você é ? Viaja sozinha ?
- Sou brasileira e estou mesmo só. Mas tenho amigos me esperando no hotel.
- Eu sou da África do Sul. Estou aqui estudando Economia.
- Que legal ! E sua família veio com você ?
- Não. Eles só podem vir no Natal. Eu estudo à tarde e à noite. Depois vou trabalhar. Num Pub. Estava indo para lá quando vi você e ... já disse que fiquei impressionado . O que foi? Fica encabulada ?
Bem...fico, sim.-
- Você tem namorado ?
- Eu sou casada e tenho dois filhos.

Ele ri .

- Você está brincando, não é ? É muito nova para ter dois filhos. E se fosse casada não estaria aqui sozinha. Estaria com seu marido.
- É que me casei muito jovem e meu marido não quis me acompanhar na viagem. Então vim sozinha mesmo . Gosto muito de viajar.

Ele me olha agora sério, e parece pensativo.

- Você não aparenta ter mais de 27 anos. Eu tenho 23....
- Fico feliz em ouvir isso. Você é mesmo muito gentil.
- Não é gentileza. Falo o que o penso, baseado naquilo que vejo. E vejo uma jovem que nunca deveria ser deixada sozinha por aí. Isso não se faz.

Penso em concordar com ele, mas me calo. Como explicar a um jovem príncipe o que é a solidão ? Prefiro mudar de assunto.

- Você me ajuda a chegar ao Hotel. Estou no Cumberland, em frente ao Hyde Park. Sabe como chego até lá ?

Ele ri de novo, agora balançando a cabeça.

- Nossa ... conseguiu se perder mesmo, hein ? É muito longe daqui. Mas levo você até lá, ok ?
- Você trabalha lá por perto ?
- Não, pelo contrário. Estava indo na direção oposta. Mas não vou deixar você voltar sozinha.
- Não é preciso se incomodar. Basta dizer quais ônibus devo tomar ...
- Nada disso. Vou levar você. Vem comigo.

E me puxa pela mão, atravessando a rua. Entra num beco quase sem iluminação e segue caminhando descontraidamente. Olho em frente e não consigo ver qualquer sinal de luz ou movimento. Parece ser um bairro indústrial, e nesse lugar não há casas. Somente galpões e lojas fechadas. O medo volta, e intenso.
Solitaire me incomoda : “ Você está em perigo, sua louca. Não percebe que o Zulu lhe tirou do caminho mais seguro e agora está lhe arrastando por um  beco estreito e escuro ?
Você não lembra de Jack , o Estripador, não ? “

Novamente tento não entrar em pânico. Penso em gritar, mas não é meu estilo. E ninguém iria ouvir mesmo. Penso em correr, mas aquela enorme mão que segura a minha me faz ver o quanto seria vã qualquer tentativa.
Ele caminha a passos lentos, sempre me olhando e fazendo perguntas. Está alegre. Sua voz é doce, mas agora me faz tremer... Vou respondendo maquinalmente, tentando demonstrar naturalidade. Mas estou apavorada.

- O que você fez hoje ?
- Conheci o Museu de História Natural e a Torre de Londres
- E o que você viu por lá ? O que mais gostou ?
- De tudo. As jóias da rainha são impressionantes . Do Museu, gostei muito da ala de mineralogia. Vi muitas pedras preciosas. Gemas e geodos magníficos !
- Todos roubados do meu país. E de toda a África
- Eu sei. O Museu Britânico também é uma imensa vitrine de espólios. Belezas e riquezas roubadas de muitos lugares, ao longo da História.  Vi coisas realmente belíssimas, mas não deixa de ser revoltante também...

De repente ele para à minha frente. Muito perto. Olha bem dentro dos meus olhos, que devem estar um tanto arregalados. Continua segurando a minha mão.

- Posso dizer uma coisa ?
- Pode.
- Além de bonita, você é inteligente e sensível. Estou gostanto muito de você.
- Olha, eu ...
- Você quer ir comigo para o Pub? É divertido por lá . Tenho muitos amigos que queria lhe apresentar. Tenho certeza de que você vai gostar. E enquanto estiver trabalhando, fico tomando conta de você. De manhã a levo para o hotel. Que tal ?
- Não posso. Sinto muito. Estou cansada e daqui a algumas horas vou seguir  viagem. É meu último dia aqui. Além disso não deixei nenhum recado e meus amigos certamente estão me procurando.

Ele se cala, mas continua me olhando. Um olhar carinhoso. Um meio sorriso nos lábios. Muito próximo. Sinto algo estranho, como misto de constrangimento e bem-estar. Não sei o que pensar, nem o que fazer...

Solitaire me alerta : “Olha só por cima do ombro dele . Vocês estão em frente a uma loja semi demolida.
Nem dá para enxergar lá dentro. Porque você acha que ele parou justamente aqui, hein ?
Só para dizer gracinhas ? Melhor você começar a gritar agora, que esse cara vai fazer uma maldade enorme.
É só ele querer. Você está vendo a outra mão dele ? Nem eu.
Deve estar pegando a navalha. A navalha, esqueceu ? “

Observo atentamentre o cenário. Realmente perfeito para um crime. Ele poderia me arrastar facilmente para a ruína. Fazer o que bem entendesse. Poderia me matar.
E eu sem conseguir ver uma saída para aquela situação. Penso que jamais me senti tão frágil.
Tão abandonada pelo Acaso. Traída, até.

Fecho os olhos e tento falar com Deus, mas não consigo . Só consigo pensar nos meninos.
Não me importa a dor que a morte cause. O fato de não ver seus rostinhos novamente vai doer muito mais...
Procuro fixar na memória a imagem dos meus filhos, pois é tudo o que pretendo levar comigo.

Ouço uma risada gostosa.

- Ei, o que foi ? Você está dormindo em pé ?

Abro os olhos e a boca, com cara de susto. Ele ri ainda mais.

- Desculpe, é que eu estava pensando.
- Pensando em que ?
- Nos meus filhos. Estou com saudades deles.
- Sabe...você ficou aí, de olhos fechados... quase lhe dei um beijo, sabia ?
- Por favor, não faça isso porque....
- Você é comprometida mesmo, não é ? E tem filhos?
- Claro que sim. Por que eu mentiria ?
- Desculpe, não quis duvidar de você. Mas preferia que não fosse verdade ...
Gostei mesmo de você, da sua companhia.
- Tudo bem. Não precisa se desculpar, ok ?
- Vamos caminhar, então. Sei que esta rua é estranha, mas por aqui chegamos mais rápido ao local aonde passa o seu ônibus. Só falta uma quadra.
- Posso perguntar uma coisa ?
- O que ?
- Por que você está segurando a minha mão ?
- Não sei, deu vontade. Isso lhe aborrece ?
- É que isso não é muito comum, sabe ?
- É meu jeito de proteger você. Desculpe, não queria lhe constranger....

Larga minha mão e guarda a dele no bolso do casaco. Prosseguimos caminhando, agora em silêncio.
Ele olha para o chão e seu sorriso desapareceu. Não sei bem o por quê, mas me sinto a maior idiota do mundo ! E a mais desprotegida também...

- Escuta, acho que fui grosseira com você. Me desculpe, sim ?
Ele responde meio sem jeito :
- E eu fui impulsivo. Não sei porque fiz isso. Não devia.
- Ok, vamos fazer uma coisa? Me dá a sua mão de novo ?

O sorriso retorna, dessa vez radiante. A grande mão volta a envolver a minha. Seguimos conversando animadamente. Trocamos e.mails’s e telefones. Falamos sobre a África e o Brasil, prometemos que um dia visitaríamos o país do outro .
Chegamos ao ponto do ônibus de mãos dadas, alegres.
Ele olhou o relógio de pulso.

- Olha, você já fez muito por mim hoje. Pode ir para o seu trabalho. Eu fico bem aqui .
Não se preocupe comigo , tá bem ? Você já deve estar muito atrasado.
- Tem certeza ?
- Tenho. Pode ir tranquilo. E obrigada por tudo .

Havia um casal de velhinhos no ponto. O rapaz foi até eles e perguntou se poderiam tomar conta de mim. Por sorte, estavam indo para a estação de Waterloo, onde me indicariam o segundo ônibus. Mais tarde esse casal pediria ao motorista para também cuidar de mim, me deixando na porta do hotel. Ficaram me olhando discretamente, sorrindo com benevolência. O rapaz veio se despedir .

Chega bem perto e me dá um grande abraço. Fico totalmente sem ação. Parece uma montanha de afeto me aquecendo. De forma suave. E diz no meu ouvido :

- “Se cuide. Não seja tão só. E seja feliz. “

Beija de leve o meu rosto e vai embora. Fico parada vendo a silhueta se afastando, e naquele momento pondero firmemente sobre a existência de Anjos. E eles podem ser tão reais...

Solitaire está muito quieta, e me parece um tanto triste . Solta um longo suspiro, e por fim se cala.
Naquele seu jeito estranho de nunca se explicar...

Enquanto isso, meus olhos agradecidos abençoam o Anjo Zulu, que desaparece mansamente na escuridão.

Volto a ouvir a antiga canção : "While my eyes go looking for flying soucers in the skies..."

Claudia Gadini
21.08.05


*** História real. Londres, Julho de 1999. Quatro meses depois, li a notícia do assassinato de um príncipe Zulu nos arredores de Soweto. Nesse dia Solitaire chorou. ***



Claudia Gadini
Enviado por Claudia Gadini em 15/10/2005
Reeditado em 07/11/2006
Código do texto: T59828

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Claudias Gadini). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudia Gadini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
318 textos (54196 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:51)
Claudia Gadini