Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conto para Meu Pai - 1

Conto para Meu Pai - 1

Ontem contabilizei quatorze anos de sua ausência.
Procurei levar meu dia com naturalidade, mas lágrimas
insistentes ameaçavam lançar-se dos meus olhos que ardiam
de tristeza.

E eu fugindo da minha memória detalhista, fotográfica, holográfica. Memória mais que cruel,essa, que sequer me poupa das sensações dos passados mais longínquos.

Memória que materializa meu pai novamente , a me olhar doce, carinhoso, protetor. E depois sorri um sorriso maroto, afasta os móveis do centro da sala, encostando todos nas paredes.
E me convida para dançar. Vamos da valsa ao puladinho,   gafieira rasgada . Rodopiávamos às gargalhadas.
A música alta que ouço até hoje me fere contundente.
Quase não danço mais.

Vejo sua concentração ao preparar meu refresco diário na hora do almoço. Uma parte de vinho e três de água gelada. E açúcar. E gelo. Essa herança docemente etílica da velha
Toscana, onde as crianças eram criadas com vinho.
Que proporcionava saúde, sangue forte, bochechas vermelhas.
Soninho tranquilo...

Nossos passeios na praia, e o perigo que passamos juntos. Eu distraída, boiando.
Já após a rebentação e muito longe da areia. A correnteza me levando. Olhava para a praia e as pessoas pareciam
formiguinhas, de tão longe que estavam.

Em pouco tempo localizei sua silhueta, o gigante se
atirando decidido nas ondas. Por mim. Estava
tranquila, sabia que ele, e só ele viria. Estranho, isso. Nunca senti pânico nos momentos mais assustadores e definivamente perigosos pelos quais já passei.
Por causa dele, que chegou até mim já arfando.

O grande nadador estava ficando cansado. Meu amado pai já não tinha o mesmo fôlego de antes, dos tempos de atleta e jogador do América.

Ele se colocou atrás de mim, servindo de " parede " para que eu pudesse dar impulso e atravessar a corrente que nos
arrastava para longe. E contava então com onze anos de
idade, e nadava muito bem.

Na terceira tentativa, consegui. Olhei para trás e percebi seus gestos, me dizendo que nadasse até a praia. Mas seu
esforço de me lançar para a vida o empurrou mais longe, para a parte mais forte da correnteza, que começou a
levá-lo rapidamente.

Fiquei parada, gritando para que ele lutasse contra a
a for;ca do mar, como já havia visto tantas vezes.
Mas ele não conseguia mais. Estava exausto.
Disse que não voltava sem ele, que respondeu com gritos imperiosos. - " Volte agora. Eu estou mandando ! " Mas vi em seu olhar uma ponta de tristeza,um breve aceno de adeus...

Olhei então longamenta para a areia que já quase não via. Calculando a distância.

Sabia que conseguiria chegar lá. E estaria salva.

Então comecei a dar fortes e decididas braçadas ... na
direção de meu pai, que ficou perplexo com essa atitude
Brigou muito comigo, mas em seus olhos agora brilhava uma
luz de profundo amor .

Disse a ele : -" Pai, eu só saio daqui com você. Não tem jeito. Se você ficar, eu fico também. Somos uma equipe, lembra ? ". Então ele me olhou calado, reunindo as poucas forças que lhe restavam.

E empreendemos um retorno estratégico, nos deixando levar
pela correnteza até um determinado ponto onde ela se estreitaria, e nos daria uma chance de atravessar. E assim
o fizemos, sendo arrastados por cerca de 7 kilômetros.
Estavamos em Paz. Tínhamos um ao outro. Não havia medo.
 
Conseguimos encontrar o "portal" do mar, nosssa janela para a vida. Voltamos bem devagar, sem ansiedade, poupando a pouca energia que nos restava. No caminho conversávamos naturalmente. Parávamos de vez enquanto para descansar, boiando. Flutuando...

Hoje imagino que ele sentia a mesma Paz.
A mesma confiança. O mesmo elo indestrutível que nos
uniria infinitamente.

Quando chegamos ao local de origem na areia, encontramos muita confusão. Salva-vidas e banhistas de binócuculos, ambulância a postos. Minha mãe e irmão chorando muito, a pequena multidão que se formou.

E como não podíamos deixar escapar uma chance daquelas, fizemos cara de curiosos e perguntamos aos salva-vidas, com um ar bem sério :
- " Afinal, o que vocês estão procurando ? Não tem ninguém na água. O mar está muito forte hoje."
- " Um pai e sua filha que se afogaram. Não chegamos a tempo de resgatá-los. E tristemente os perdemos ".
- "Ha, ha ha... ! Estão perdendo é seu tempo, porque os
afogados somos nós aqui!

Nesse momento minha mãe nos viu e correu para nos abraçar. O salva-vidas ficou abismado pelo fato de termos conseguido
sair do mar bravio. E mais ainda pelo nosso bom-humor.
E no fundo achamos muita graça daquele aparato todo.
Meu Deus, será que ninguém percebia que juntos sempre
seríamos indestrutíveis ?

Hoje ele não está aqui. E sempre me afogo no mar salgado que verte de meu olhar. Estou há muito tempo assim, à deriva, esperando...

Tal qual uma Penélope pós-moderna e seu eterno bordado,
montando um interminável caleidoscópio com estilhaços de
meu coração.

De quando em quando encontro um pedacinho por aí...

Claudia Gadini
26/04/05

Claudia Gadini
Enviado por Claudia Gadini em 25/10/2005
Reeditado em 17/09/2006
Código do texto: T63667

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Claudias Gadini). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudia Gadini
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
318 textos (54196 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 19:59)
Claudia Gadini