Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANNA LOUCA


Foi abacate. Foi cor de abacate, ou melhor, foi verde-abacate o tecido que ela escolhera naquele dia. O vendedor, antes de definir o corte, ainda lhe perguntou se tinha certeza que ela queria levar o tecido daquela cor. Ele já estava acostumado a vê-la comprar tecidos pretos, depois roxos e, passado um certo tempo, cinzas... Ainda mais uma vez, antes de cortar o tecido, ele perguntou se ela não preferia levar o mesmo em cor branca ou azul, cores mais suaves. Ela lhe respondeu com firmeza e segurança que era mesmo o verde-abacate que ela queria. Assim foi feito.

Com o corte de vestido na sacola de macramê ela foi direta à uma costureira de um bairro distante. Não queria ir à mesma costureira, freguesa de muitos anos; esta conhecia muitas amigas e quase toda a família; podeira dar com a língua nos dentes e o vestido de cor verde-abacate deveria ser um segredo guardado a sete chaves. Ninguém podia saber.

Finalmente, depois de muitas provas e modificações no modelo escolhido, o vestido ficou pronto. No caminho de volta à casa, ela ainda passou na igreja para meditar na sua determinada resolução de se livrar do luto.

Já se passaram dez anos que perdera o Schultz, assim chamava o marido pelo sobrenome, nunca se acostumou a chamá-lo pelo primeiro nome. Ficara viúva aos 46 anos, ainda nova, diziam muitos, e não mais quis saber de ninguém em sua cama. Se recolheu em si mesma, se trancou em sua casca e se entregou de corpo e alma à viuvez precoce. A solidão começou mesmo quando os filhos, já criados, foram se casando um por um. Assim se viu sozinha em uma casa enorme com quatro quartos para guardar todas as lembranças e todos os fantasmas. Durante todo esse tempo se vestiu de preto e muito raro, ultimamente, colocava um ou outro vestido de cor cinza ou roxa em esparsas ocasiões de festas.

De repente aquele desejo, aquela vontade de se vestir de outra cor... e logo de verde-abacate!... Não quis pensar mais: estava resolvida e foi para casa cumprir o seu intento.

À noite, como todas as noites dos últimos anos, jantou sozinha. Sentou por algumas horas na varanda e admirou a lua cheia, dançando nuinha em um céu escuro e limpo. Se permitiu ao prazer de tomar uma taça de vinho tinto quando já era bem tarde e sabia que ninguém mais haveria de procurá-la. Sentiu um rubor pela face e relembrou todo o excitamento da sua juventude. Quis recordar o Schultz e foi até o quarto. Revirou o album de fotografias, olhou o armário com seus ternos ainda ali pendurados... Voltou sem pressa à varanda várias vezes e olhou a lua cada vez mais bela e mais brilhante. Reviveu em curto tempo toda sua vida: o casamento, a lua-de-mel, a construção da casa, a primeira gravidez, o segundo filho, o terceiro parto, as formaturas e os casamentos de Joanna, José Luiz e Renata, o primeiro neto, os outros depois, a morte de Schultz e finalmente os fantasmas e a solidão que lhe acompanhavam. Sentiu vontade de tomar mais meia taça de vinho. O fez com um prazer há muito não aproveitado. Foi até o guarda-roupas e olhou o vestido verde-abacate destoando com o resto dos outros vestidos. Viu no
relógio da parede que passava das onze horas. Pensou em nada por alguns instantes até tomar a resolução definitiva.

Já dentro do vestido novo se mirou no espelho. Sentiu que o mesmo ficou um tanto justo nos quadris, todavia aprovou o apelo sexy. Ajeitou os cabelos, soltou leves gotas de perfume no pescoço e no decote benevolente. Andou vagamente pelo quarto e foi até a escrevaninha somente para lembrar um pouco mais do falecido. Era ali que ele passava horas de noites insones apertando aquelas teclas brancas do computador, clicando o ratinho que ela nunca se importou em aprender a operar. Aquele canto da casa era tão caro que ela nunca se dera ao trabalho de cancelar a assinatura que o Schultz tinha na internet: pagou todo esse tempo sem nunca utilizá-la. Decidiu ligar o computador e sentiu o cheiro do amado, viu a imagem do único amor da sua vida iluminada pela luz da telinha. Apertou mais ainda no coração a ausência do falecido. Quis chorar e se conteve. Querendo matar todas as faltas e saudades, resolveu clicar aleatoriamente o ratinho sem saber para onde estava navegando. Viu que a telinha lhe oferecia opções e continuou clicando com desmando até que parou numa página: "NO ESCURINHO - SALA VIRTUAL 2". Encontrou um campo vazio que requisitava um nome. Tentou digitar o próprio nome - Hidelgardes -, contudo todas as letras não couberam no quadradinho. Apagou, digitou então ANNA e, pensando na sua loucura, completou: LOUCA.

Viu aparecer imediata e seguidamente:

Anna Louca entra na sala
Man (fala com Anna Louca) - Quero descobrir suas loucuras
Gato (fala com Anna Louca) - oi... quer transar pelo tel.?
DUDUGOSTOSO (fala com Anna Louca) - de onde teclas? é uma louca gostosona?
Anônimo (fala reservardamente com Anna Louca) - Oi gatinha, vc quer que eu apague seu fogo? ou vc prefere que eu acenda?
Miro (fala com Anna Louca) - ...muito louquinha?
REIRICARDO (fala reservardamente com Anna Louca) - oi, doidinha, quer conhecer um rei?
Bomd (fala com Anna Louca) - Porque louca?
Anderson (fala reservardamente com Anna Louca) - Quer um pouco de carinho, eu sou sincero e tudo que falo é verdade, não sei mentir. Teclo de Brasília e gostei do seu nick...

Hidelgardes se afastou do computador assustada com o coração batendo forte querendo lhe sair pela boca. Foi até ao espelho imediatamente. Corada, se viu melhor dentro do vestido verde-abacate e reparou que era uma mulher que ainda despertava desejos nos homens mesmo sem ser vista ou vê-los. Viu que podia desfrutar desta intimidade só sua... Respirou fundo, tomou mais um pouco do vinho, voltou para a escrivaninha e respondeu ao Anderson.

Assim descobriu uma outra forma de amar. Teve finalmente um amante em sua vida com quem trocava palavras de carinho, momentos de felicidades e gozos nunca dantes imaginados. Entre um e outro orgasmo marcou novos encontros com Anderson. Daí em diante, sempre seguindo o ritual de usar o vestido verde-abacate, encontrava-se com o jovem apaixonado nas salas virtuais. Embevecidos, se acariciavam, trocavam juras e confidências, namoravam, se ofereciam um ao outro, proclamavam posses absolutas, mentiam muito como todos os amantes e sobretudo gozavam... gozavam até desfalecerem em atos sublimes e virtuais.

Noites se seguiram, meses se completaram com outros tantos encontros de horas marcadas. Anderson lhe recitava poesias, citava textos de autores apaixonados e provérbios filosóficos. Assim aprendeu de Albert Camus que "A felicidade e o absurdo são dois filhos da mesma terra", consequentemente viveram todo o absurdo possível e foram felizes.

Tudo estava muito bem até que veio a crise financeira. A Bolsa de Valores despencou, o dólar subiu e a inflação voltou. A filha Joanna perdeu o emprego e o seu marido entrou em depressão. Hidelgardes ficou sem alternativa. A contragosto, teve que acolher a filha, o genro e os netos na casa grande, agora cheia de gozos e orgasmos que Anderson, o amante virtual, preenchera em pouco tempo.

Mesmo com este contratempo, se trancava no quarto mais cedo e escapava pela web para encontrar o amante que, cada vez mais ardente, jurava fidelidade, prometia amor eterno e a levava aos píncaros dos delírios. Mordia o travesseiro para sufocar os gemidos. Muitas vezes enguliu com a boca seca os ais e os uis que ameaçavam escapar-lhe da garganta. Temia que a filha ou genro a escutasse.

Numa madrugada, quando o jovem amante em uma das sua fantasias veio disfarçado em Eros, não pode se conter e se entregou totalmente à libido: provou mais uma vez do desejo violento, da paixão, da luxúria. Deixou-se ser flechada várias vezes pelo deus do Amor. No ápice do orgasmo, ouviu que alguém batia à porta do quarto. Desligou o cumputador, se apressou para tirar o vestido justo, pôs a camisola de um relance, assanhou os cabelos e correu para atender. Quando abriu a porta do quarto ouviu a pergunta:

- Vó, a senhora está passando bem?

Era o Anderson, o neto mais velho de dezesseis anos. Disfarçando um ar de sono, ela respondeu que estava sonhando com o falecido Schultz, seu avô, e que estava tudo bem. Viu pelo olhar do neto que não o convenceu com a resposta. Também ela não pode esconder as partículas de orgasmo que ainda flutuavam no ambiente. Ele foi embora. Ela não pode mais dormir.

Os dias seguintes foram de tormenta e desespero. Cada vez que o Anderson, o neto, passava por ela, via nele o Anderson, o amante, e sentia o seu olhar cheio de desejos. Eros habitava sua casa e impregnava todo o ar da energia motriz dos instintos de vida.

Evitou navegar pela web por uns dias. Voltou a freqüentar mais assiduamente a igreja. Queria se livrar daquele duplo complexo edipiano, se assim pode se dizer. Tudo isso de nada adiantou.

Hidelgardes começou a variar. Não acreditando mais em pecados, numa noite de lua bem cheia não resistiu e quis escutar todas as palavras de carinho, quis reviver todos os gozos e quis se entregar a todos os orgasmos e devassidões que já lhe faziam falta. Que tudo de danasse! Queria o prazer. Se recolheu mais cedo ao seu quarto e repetiu o ritual: colocou o vestido justo verde-abacate, tomou uma ou duas taças de vinho tinto, espargiu gotas de perfume doce sobre o pescoço e o colo desnudo, pensou no Schultz, depois no amante virtual, imaginou Anderson se adentrando pelo quarto e flutuando como um Eros - logo se dirigiu à escrivaninha. Ao ligar o computador viu que não funcionava. Apertou todas as teclas, clicou o ratinho desesperada, ligou e desligou todos os botões, checou a tomada. Nada. Nada funcionava. Tomou da chave de fenda e abriu as peças querendo descobrir o defeito. Nada. De nada adiantou. Tentou desesperadamente conectar seus desejos com o seu Cupido e nada conseguiu pelo resto da madrugada. Desatinadamente quebrou todo o cumputador sem conseguir o resultado desejado.

Naquela noite Anna enlouqueceu de vez.

Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 06/09/2007
Código do texto: T641469
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1523 textos (157194 leituras)
1 e-livros (164 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 04:55)
Fernando Tanajura