Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sobrevivência

A manhã despontava com um céu límpido e azul. Na floresta fechada caminhava um grupo de homens e mulheres. Seus rostos, de um jambo escuro, traziam uma expressão aflita, temerosa, quase que horrorizada.

O grupo inteiro padecia de cabelos de um preto intenso, com os olhos angustiados. As mulheres carregavam os descendentes no colo. Já os homens, há anos, suportavam o peso da proteção patriarcal nas costas.

Com extrema habilidade e simplicidade, alimentavam-se em qualquer canto da Amazônia. Bebiam água límpida que vertia direto da nascente, viviam em paz com a natureza desde a chegada dos europeus ao país. Mas agora, eles eram os últimos.

Eram os últimos de todo um povo, que sorrateiramente viveu com cuidado, escondendo-se dos verdadeiros selvagens. Mas a ameaça os encontrara.

Da água potável que bebiam o petróleo a poluiu. Das terras que possuíam, as queimadas, as edificações e os brancos tomaram conta. E agora estavam ali, assustados e prontos para lutar, prestes a perderem o seu último resquício verde decorrente de inúmeras gerações.

Então os outros chegaram.

Não fizeram questão de discrição. Madeireiros por sobrevivência, eles adentraram o lugar com suas motosserras enormes, verdadeiras destruidoras de lares e de vidas.

Pronto para derrubar as últimas árvores que restavam naquele lugar, o mais velho dos madeireiros sentiu, com ardor, uma flecha acertar-lhe o ombro. O colega do lado gritou bravamente:

- Nativos!

Saíram de seus esconderijos, com suas tangas únicas e com a tinta fresca nas bochechas para a batalha com os madeireiros. Lutavam não só pela família e por sobrevivência, mas para honrar sua raça e perpetuar sua espécie.

As flechas e os facões perfuravam as peles. Gritos, sangue, vidas. As mulheres que sobraram da tribo correram com seus filhos no colo quando viram que o fim havia chegado impiedoso.

No topo de uma Palmeira subia lentamente seiva bruta por seu xilema. Um sabiá desfrutava tranquilamente por sobre a árvore de um cupuaçu. O barulho da motosserra afugentou-o dali.

No dia seguinte, não se ouviu mais o canto do sabiá. E a terra absorveu a última gota de sangue indígena em terras brasileiras. Macunaíma e Iracema receberam de braços abertos os últimos de sua raça. Viveriam agora como lendas e ícone de bravura.
Felipe Alves
Enviado por Felipe Alves em 07/09/2007
Reeditado em 23/01/2008
Código do texto: T643065

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Felipe Alves
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 27 anos
4 textos (3755 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 00:54)