Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Saga de Constâncio e Fabiana(3)

Constâncio estava feliz com sua volta a Januária, sua terra, depois de sair do Instituto João Pinheiro ;Tinha uma saúde de ferro, corpo atlético,fazia sucesso como ponta direita do time de futebol e era o 1º clarinete da Orquestra que tocava no Clube. Ainda não tinha um emprego definido nem namorada, mas algo lhe dizia que não precisava ter pressa.Afinal só tinha vinte anos...
Naquela noite de domingo,no intervalo musical da Orquestra,foi procurado por um senhor bem vestido, muito educado,que lhe fez a seguinte proposta: Muito prazer em te conhecer, Costâncio.Estou aqui de passagem , a negócios.Faço parte da diretoria da Fábrica de tecidos na cidade do Cedro , onde minha família tem lugar de destaque e não queria ir embora sem antes falar com você;Vi os dois “goals que você marcou no jogo de futebol ontem e assistí sua apresentação aqui na Orquestra onde é com certeza um dos destaques.
Se você quizer ir pra minha cidade, te prometo um emprego na fábrica, a posição de titular no Cedro Esporte Clube e uma vaga na Banda de música Euterpe Sta Cecília. Garanto que vai gostar da cidade que é muito hospitaleira e tem um povo muito simpático e trabalhador ;Você que é um rapaz novo e de valor, pode fazer sua vida lá mais rápido que aqui,pois temos mais recursos;
Constâncio anotou o nome e endereço da pensão onde o moço estava hospedado e pediu dois dias de prazo pra responder á proposta do visitante; O empresário deu-lhe um dia  pra responder pois tinha que voltar logo e preferia chegar junto com ele.
Depois de uma noite mal dormida, pela expectativa de conhecer um lugar novo e recomeçar sua vida, Constâncio acordou,mais alegre do que o de costume, arrumou seus “trens”na velha mala de couro que trouxe do Instituto(tinha pouca coisa e muita vontade de conhecer lugares novos) O estojo com o Clarinete, levava nas mãos com um carinho todo especial.
Passou na casa da mãe, deu-lhe um forte abraço, abraçou as irmãs,segurou uma lágrima e foi se despedir de “Tia Mirinha” a quem prometeu voltar somente quando tivesse com a vida “arrumada”.Nem imaginava que só voltaria a ver seus parentes, depois de casado e cheio de filhos,muitos anos depois...
A tia acompanhou-o até o "Cais" de onde o  partia o Vapôr,e deu-lhe na despedida, além do abraço e do beijo, uma sacolinha de pano com um lanche que havia preparado pra ele “se distrair” na viagem que era longa. Lá já estavao Dr Alexandre, olhando no relógio e “Tia Mirinha” guardou bem a imagem daquele homem que estava levando embora seu “filho” de criação”.Quando Constâncio acordou do cochilo, o vapôr estava chegando a Pirapora e dalí ainda iriam pra Montes Claros e só então pegariam o ônibus até Belo Horizonte. Na mesma estação rodoviária, pegariam o ônibus do Mozart com destino ao Cedro,seu destino.Dr Alexandre convidou-o pra almoçar num restaurante da rodoviária mesmo pra não perder mais tempo.
     Agora estamos perto de casa, disse o Empresário, ao entrarem no ônibus mal sabendo Constâncio que só duas horas depois chegariam ao Cedro.Já estava até achando bonito o nome Cedro que soava pra ele como promessa.
No mesmo instante em que o ônibus fez a última curva e entrou na rua poeirenta,passando pela casa da mãe do “Lipão”, pela casa de Cumpadre Carrinho e pela casa d Zora,Dr. Alexandre segurou-o pelo braço...Chegamos, Constâncio. Aqui é o Cedro, sua nova cidade, onde você viverá dias muito felizes...
Ao passar em frente á casa de “Zora”, Fabiana estava passando roupa no quartinho da casa ao lado e nem sequer suspeitava que naquele ônibus estava chegando alguém que mudaria sua vida completamente.

Aecio Flávio
Enviado por Aecio Flávio em 12/09/2007
Reeditado em 06/10/2007
Código do texto: T649211
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aecio Flávio
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 76 anos
139 textos (21100 leituras)
117 áudios (22399 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 13:22)
Aecio Flávio