Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A BAIANA - Cap. XXV


                                        A BAIANA

                                          XXV


No fim-de-semana que se aproxima, Francisco vai levar para Salvador as trouxas e outros artigos de uso pessoal. Irá fazê-lo na companhia da namorada, tendo os seus pais declinado a sugestão do filho, para também irem. Duas malas de viagem é quanto Francisco levará nesta primeira fase, com o essencial para o seu dia-a-dia. O restante levará nos próximos dias. No início da semana começarão as aulas e a tortura da ausência para ambos. Josy sente depressionar-se com o afastamento de Francisco e ainda mais porque ele vai estudar com Elaine na mesma faculdade, embora em turmas diferentes, o que ajuda a parecer esbater um pouco as preocupações de índole afectiva. Francisco parte confiante em que Josy saberá perceber que o facto de Elaine estudar com ele, não irá prejudicar o amor que existe entre eles. E parte confiante porque Josy lhe passou uma confiança que efectivamente não a acompanha. Conseguiu ardilosamente falar de Elaine, dizendo-lhe até, que sempre que precisasse de qualquer coisa, que recorresse a ela. Soube usar o nome de Elaine sem que se vislumbrasse ponta de ciúme. Foi pois com bom desempenho e em aparente calma que Josy se dirigiu a Francisco, levando este a crer no bom estado de espírito da namorada. Tal não é verdade. Josy sente ciúme e até raiva da condiscípula de Francisco, e parece antever um final pouco feliz para o namoro entre eles. O ciúme assenta em razões que Josy valoriza e que tem por base as relações que entre eles (Francisco/Elaine) passarão a existir, além de outras como o património dos pais e a carreira académica que ambos seguem. Estes predicados escapam a Josy, que em tudo é diferente. Não terá nunca o estatuto social nem os bens de fortuna que Elaine poderá exibir no futuro. Josy sabe que os bens físicos pesam muito nas decisões de muitas pessoais e teme que Francisco possa ser um desses, embora tenha recebido da parte do namorado promessas juradas de fidelidade e confiança.
Sabemos que a D. Francelina tem por Francisco admiração apreciável e isto já terá chegado ao ouvido de Josy, que recebeu a notícia com pessimismo. O namoro doravante vai ter por parte desta, uma especial e discreta vigilância, que se reforça por culpa desta notícia.
A vida de Romeu continua em ritmo alto, outro tanto acontece com Rosa Maria que quer um, quer outro estão a levar à risca a prescrição do Dr. Jesualdo. Os desenhos de figuras humanas, de Rosa Maria, estão a revelar-se com franca melhoria de qualidade, de tal modo que quem tiver boa leitura de pormenores físico-caracteriológicos, descobrirá nos esboços já elaborados, alguém presente.
As flores estão a ser pintadas com acentuada qualidade. Belíssimos quadros com ramos de Bem-me-queres e de amores-perfeitos estão em bom ritmo de elaboração. Rosa Maria já tem alguns quadros acabados, com a finalidade de mostrar ao Dr. Jesualdo.
 De todas as prescrições, aquela a que tem dedicado menos tempo é à leitura de poesia, ainda assim, hoje vai mandar uma pelo correio para o Centro de Dia, ao cuidado de Romeu.
Este por sua vez, também continua a ler e a colocar poemas na caixa de correio de Josy, que nesta fase de namoro, mais as valoriza.
Romeu parece estar a dar tiros certeiros que colocam confusão na cabeça de Josy. Em face deste pressentimento, Romeu avançou com um poema um pouco mais ousado e que reflecte um sentimento de desejo que o toma de assalto.

                                       BEIJO



                             Beijo na face
                             Pede-se e dá-se:
                             Dá?
                             Que custa um beijo?
                             Não tenha pejo:
                             Vá!

                             Um beijo é culpa,
                             Que se desculpa:
                             Dá?
                             A borboleta
                             Beija a violeta:
                             Vá!

                             Um beijo é graça,
                             Que a mais não passa:
                             Dá?
                             Teme que a tente?
                             É inocente…
                             Vá!

                             Guardo segredo,
                             Não tenha medo…
                             Vê?
                             Dê-me um beijinho,
                             Dê de mansinho,
                             Dê!

                             Como ele é doce!
                             Como ele trouxe,
                             Flor,
                             Paz a meu seio!
                             Saciar-me veio,
                             Amor!

                             Saciar-me? Louco…
                             Um é tão pouco,
                             Flor!
                             Deixa, concede
                             Que eu mate a sede,
                             Amor!

                             Talvez te leve
                             O vento em breve,
                             Flor!
                             A vida foge,
                             A vida é hoje,
                             Amor!

                             Guardo segredo,
                             Não tenhas medo
                             Pois!
                             Um mais na face,
                             E a mais não passe!
                             Dois…

                             Oh! Dois? Piedade!
                             Coisas tão boas…
                             Vês?
                             Quantas pessoas
                             Tem a trindade?
                             Três!

                             Três é a conta
                             Certinha e justa…
                             Vês?
                             E que te custa?
                             Não sejas tonta!
                             Três!

                             Três, sim: não cuides
                             Que te desgraças:
                             Vês?
                             Três são as Graças,
                             Três as Virtudes;
                             Três.

                             As folhas santas
                             Que o lírio fecham,
                             Vês?
                             E não deixam
                             Manchar, são …quantas?
                             Três!



Este poema de erotismo inocente irá pôr Josy a meditar na sua proveniência, que é coisa que a importuna, ainda mais de há uns tempos para cá. Josy tem feito vigília para tentar identificar a pessoa que coloca os poemas na sua caixa de correio, mas tem sido infrutífera a tarefa. Romeu tem estratégia bem montada que escapa à sua identificação. Nunca o faz à mesma hora nem em dia certo. Com a mesma intriga vive Romeu em relação aos poemas que recebe anonimamente pelo correio no Centro de Dia.
Estes últimos que Rosa Maria enviou não são excepção.

                                     EU

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem sorte,
Sou a irmã do sonho, e desta sorte
Sou a crucificada… a dolorida

Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê…
Sou a que chamam triste sem o ser…
Sou a que chora sem saber porquê…

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver
E que nunca na vida me encontrou!


                                     DE JOELHOS

Bendita seja a mãe que te gerou.
Bendito o leite que te fez crescer.
Bendito o berço aonde te embalou
A tua ama pra te adormecer!

Bendita essa canção que acalentou
Da tua vida o doce alvorecer…
Bendita seja a Lua, que inundou
De luz, a Terra, só para te ver…

Benditos sejam todos que te amarem,
As que em volta de ti ajoelharem
Numa grande paixão fervente e louca!

E se mais que eu, um dia, te quiser
Alguém, bendita seja essa Mulher,
Bendito seja o beijo dessa boca!!

Estes dois poemas vão pôr a cabeça em água a Romeu. Vários nomes lhe sugere a reflexão e nem por um momento o nome de Rosa Maria lhe ocorre. Estes dois jovens estão desencontrados nos seus amores e estão-no porque não assumem com frontalidade o que lhes vai na alma. A ausência de coragem é ditada por estratégia do medo da não correspondência e ainda pela juventude que se envergonha do primeiro namoro. Rosa Maria, mais que Romeu, vive estas circunstâncias. Prefere manter com Romeu uma amizade com cheiro a namoro que só ela experimenta, fazendo passar para o amado a ideia de amizade que Romeu interpreta como tal. Efectivamente, este nunca teve por Rosa Maria interesse de índole afectiva e a jovem sente isso na conduta da abordagem que lhe faz.

Outro tanto não se pode falar de Olegário que hoje irá ter a segunda grande oportunidade de encontro a dois e a sós com Micaela. De manhã acordou bem disposto, tomou banho, barbeou-se e perfumou-se. A mulher já se vai habituando a estes procedimentos mais produzidos do marido e não fez observação e nem sonha as razões subjacentes a estes comportamentos. A última noite foi mal dormida a pensar neste dia. Definiu programação. Assim, uma das primeiras coisas que vai fazer é comprar uma lingerie para oferecer a Micaela. De manhã passou pela ÍNTIMA, a melhor casa no género e comprou uma camisa de noite, um soutien e dois pares de cuecas. Como referência de tamanhos indicou uma cliente a quem se dirigiu e lhe solicitou que aceitasse servir de modelo, uma vez que possuía estatura semelhante a Micaela. Esta, além de aceitar, ainda deu sugestões de qualidade e gosto nos produtos a comprar. Olegário estava feliz por ter encontrado a pessoa certa para o ajudar numa área que nunca havia experimentado. Acontece porém que Olegário não conhecia a moça, mas esta conhecia-o e estranhou o tipo de compras que o sexagenário estava a fazer.
Sabe, dizia Olegário, minha mulher vai ficar radiante com estas prendinhas. Estamos casados há trinta e cinco anos e eu nunca lhe ofereci destas coisas. Senti sempre vergonha em comprar mas os homens das novas gerações fazem-no com normalidade e se o fazem porque não eu, dizia para mim tantas vezes. Apesar de sermos ambos na casa dos sessenta, gostamos de roupas íntimas que nos desperte desejo e paixão. É que nós ainda não estamos “velhos” e vivemos um amor mais louco que no início.
A moça apreciou as palavras e deu os parabéns a Olegário, que se encheu
Povo Lusitano
Enviado por Povo Lusitano em 01/10/2007
Código do texto: T676253

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Povo Lusitano
Portugal, 62 anos
311 textos (24330 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 00:44)
Povo Lusitano