Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A UNS TEMPOS DAQUI

Não sei a data ao certo. Não sei sequer se se conta ainda o tempo. Mas sei que foi a muito daqui.

Era um homem pardo, como todos a sua época. Adentrou a loja. Carregava com dificuldade uma criança no braço esquerdo. A mão do outro empunhava uma arma. Sofisticadíssima ela era. A criança, como todas assim o eram, percebeu a tensão. Desatinou a chorar. E os cães a latir, lá fora. O homem berrava:

— O dedo! O dedo!

A vítima, ao balcão, não entendeu em princípio, mas num rompante de pensamento, comuns a essas tais horas de extremos, compreendeu o significado daqueles gritos. Nesse futuro, quando papel-moeda era artefato arqueológico e cartões de crédito utensílios superados, todas as informações resumiam-se nas impressões digitais do polegar direito. Mas não se tinha notícia de que assaltantes mutilavam pessoas por isso.

Haveria uma amanhã então.

E ficou lá, estático, diante daquela tão nova situação.  Em seguida, o assaltante arremessa uma navalha de charuto. E a vítima soube aí o que deveria fazer.

A criança chorava ainda. Os cães a seguiam com seu desesperado alarido.

O homem armado ameaçava matar o outro, que, atrás do balcão, não podia conceber o estrago que aquela arma poderia causar. Pediu que o assaltante se acalmasse. Este:

— A puta que o pariu! O dedo, cara, corta essa porra e me dá.

O facínora era magricelo. Estava transtornado. Tinha fome. E o choro do bebê era um misto de susto e nada para digerir.

Naqueles tempos era difícil conseguir com o que se alimentar. As plantações não vingavam. Os solos, depois da última guerra, poluíram-se de tal maneira que era impraticável cultivar o que quer que se quisesse. A população diminuíra, dizimada pelo novo vírus, que se espalhou durante a fase biológica da guerra, quando os exércitos foram esfacelados e os equipamentos inutilizados pelos ataques nucleares. A grande questão era que os continentes estavam cada vez menores, devido ao avanço inclemente dos oceanos. A América agora eram duas. A do centro desaparecera. Japão, Islândia, Madagascar, todos esses lugares eram agora histórias que se contavam sobre uns tempos passados. Mas a população não diminuía proporcionalmente, e os que não tinham dinheiro para se refugiar em terras altas, onde a especulação imobiliária atingira seu cúmulo, ficavam à mercê da sorte. Da morte.

Morte.

“Pelo que decidir: morrer ou viver sem o dedo e o crédito?”, pensava o homem atrás do balcão. Em tempos assim, era difícil escolher. E esperança era piada há algum tempo já. Seu pensamento foi interrompido por um estrondo. Olhou em derredor.

Um dos cães invadira a loja, avançara no assaltante, que, desesperado, eliminou o animal, transformando-o em fumaça com um tiro apenas. Então era isso, ele não podia atingi-lo. A arma desintegrava o alvo. O homem partiu pra cima do algoz de outrora, que jogara a criança a fim de livrar a mão.

Lutaram.

O assaltante mordia o homem, mas só conseguiu feri-lo no braço, superficialmente. As digitais estavam intactas. O crédito permanecia, a identidade também. O dono do estabelecimento conseguiu se apoderar da arma, e de vítima se fez carrasco. Atirou, insensível, no homem faminto e na criança, cessando-lhe o pranto.
Livrar-se dos corpos era coisa do passado.
Filipe Teixeira
Enviado por Filipe Teixeira em 11/10/2007
Reeditado em 12/10/2007
Código do texto: T690383

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Filipe Teixeira). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Filipe Teixeira
Fortaleza - Ceará - Brasil, 33 anos
73 textos (6551 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 04:03)
Filipe Teixeira