Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A guerra entre os homens e os deuses

Há muitos séculos atrás, os deuses gregos se declararam senhores da terra, do céu, das águas e até das almas de todos os seres. Construíram para si um palácio no monte Olimpo e de lá reinavam sobre tudo e todos.
Pela boca de seus sacerdotes, diziam que todas as suas obras e eram perfeitas e que deveriam ser amados e respeitados por todos. Entretanto, apesar das belas palavras dos sacerdotes, eles não eram tão bons assim. Nunca ouviam as preces de seus fiéis; Exigiam, como sacrifício, a maior parte da colheita das vilas que “protegiam”, as ovelhas mais gordas e as virgens mais belas. Cidades inteiras eram devastadas pelo menor “pecado” ou mesmo para seu simples deleite.
No entanto, à medida que o poder deles aumentava, o povo notava que nada ganhavam com “a proteção divina”. Alguns, desaforados infiéis, ousavam gritar em praça pública que os Olímpicos eram desnecessários e que nem mais um grão de trigo deveria ser entregue a eles.
Zeus, rei de todos os deuses, estava cada vez mais preocupado. Hera já reclamava que não mais recebia suas adoradas ovelhas em sacrifício. Hermes anunciara que os homens deixaram de ofertar a eles virgens, que tanto agradavam o senhor dos raios e trovões.
Chamou, então, Ártemis, a temível caçadora, e a enviou para a Terra. Infalível, a deusa da lua enviou centenas para o reino de Hades. Isso fez os homens se calarem por um tempo. Mas o sonho era maior que o medo e a revolta voltou. As flechas da deusa também, mas para cada rebelde morto, dois novos surgiam.
Entre os mortais, várias histórias de vitória eram ouvidas. Contavam que em uma terra fria e distante, os seres humanos tinham se libertado da opressão dos deuses comandados por Odin e viviam felizes. Uma pequena vila no Norte da Ática que resistia corajosamente à fúria dos raios de Zeus era símbolo da luta por liberdade.
Atena e Eros, surpreendentemente, abandonaram o Olimpo e juntaram-se à humanidade em sua guerra. A deusa da sabedoria se indignou com a impiedade de Ares e Poseindon, que aniquilavam cidades inteiras, e decidiu usar seu conhecimento para esclarecer os mortais que ainda acreditavam nos deuses de que eram explorados.  O deus do amor respeitava os homens, pois muitos deles, diferente dos moradores do Monte Olimpo, amavam de verdade, sem esperar dinheiro ou favores em troca. Por isso, construiu uma casa em Tebas e vivia a contar histórias de amor e liberdade.
A peleja entre deuses e homens se tornava cada vez mais acirrada. Organizados, os homens tomavam o poder em várias cidades. Os deuses respondiam com raios, furacões e terremotos.
Uma ninfa, meio deusa, meio humana, tentava entender o que acontecia e ora apoiava os deuses, ora os homens. Perguntou à Gaia, deusa-mãe Terra, de qual lado deveria ficar. Esta respondeu que eram os deuses os merecedores de seu apoio, pois tudo o que existia era criação deles
A resposta satisfez a jovem ninfa até que encontrou um ancião que questionou sua posição. Ela, orgulhosa, repetiu as palavras de Gaia. Ele balançou a cabeça negativamente e replicou.
- Realmente, foram os deuses que criaram a Terra, a água e o ar. Mas são os homens que transformam tudo isso em riqueza, alimento e progresso. Somos nós que aramos a terra, cuidamos dos animais, construímos cidades maravilhosas e potentes navios. Nós construímos o mundo todos os dias.
Gustavo Samuel da Silva
Enviado por Gustavo Samuel da Silva em 28/10/2007
Código do texto: T713716

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gustavo Samuel da Silva
Itumbiara - Goiás - Brasil, 28 anos
66 textos (6245 leituras)
6 e-livros (253 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 06:03)
Gustavo Samuel da Silva