Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Brincadeiras inocentes

Os meninos, que até lhes chamamos de “putos”, dão alegria à minha cidade. Quando passo junto à escola do meu bairro, a alegria e o contentamento, reinam dentro daqueles muros. São os meninos que até lhes chamamos de "putos". As suas brincadeiras são simples e sem maldades. O jogo da bola ou então gritam por causa de um pião ou de um berlinde, mas mesmo assim são ingénuos, são simples e sem maldades. Gritam “é pá isto é meu”. Alguns destes meninos, talvez mais os “putos”, depois das suas brincadeiras simples e sem maldades, têm de regressar ás suas casas, onde têm pouco mais de um pouco de pão e um púcaro de café, isto para enganar o seu pequeno estômago. Mesmo assim, continuam a ser ingénuos, simples e sem maldades. São filhos de gente pobre. À noite ao jantar, ficam mais contentes, porque já comem uma sopinha aguada, para aquecer a sua frágil barriga, e vão dormir. Sonham com as brincadeiras do dia seguinte. Brincadeiras ingénuas, simples e sem maldades.
Carlos Jorge Gomes Candan
Enviado por Carlos Jorge Gomes Candan em 07/11/2007
Código do texto: T726591

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Jorge Gomes Candan
Portugal
51 textos (1409 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 11:31)
Carlos Jorge Gomes Candan