Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A OUTRA CONSULTA POSSÍVEL

Esta é uma obra de ficção e os aspectos apresentados são mera coincidência.

A OUTRA CONSULTA POSSÍVEL

- Quevara, vim aqui tomar satisfações da sua conduta opressora contra alguns de meus amigos. Depois que estiveram aqui não são mais os mesmos valentes combatentes democráticos socialistas. Uma agressão a um socialista não fica impune. Temos a missão histórica de reformar a sociedade e ...chegou gritando um rapaz com uma camiseta do Che Guevara no consultório do Quevara.
- Pode parar. Em primeiro lugar quien es usted?
- Sou o grande líder do GOSMA- Grupo O Socialismo é Mais Acima, que tem como símbolo a chaminé do Gasômetro e da qual a TRIPA faz parte.
- Ah, si, la TRIPA?
- Sim, a Turma Reformadora dos Inquietos e Pacatos Anarquistas, a que pertencem  os 4 jovens socialistas combatentes e que estiveram aqui na semana passada. O relatório detalhado feito pelo PC Stanley não deixa dúvidas do que foi feito aqui.
- Ah, bom, mas e daí?
- E daí digo eu. O senhor não pode com meia dúzia de palavras anestesiantes quebrar a espinha de um socialista democrático destinado a salvar a humanidade.
- Salvar a humanidade de quê?
- Dos males do capitalismo agonizante.
- Com aqueles quatro destrambelhados?
- Aqueles são marxistas exemplares e combativos. São os responsáveis pelas reuniões educativas na beira do Guaíba, no pôr do Sol magnífico desta cidade aos pés da antiga usina. Outro dia estavam verdadeiramente extasiados no Fórum com as palavras ouvidas e saíram nus cantando a Internacional em deleite total e mostrando a entrega de corpo e alma  a essa doutrina maravilhosa.
- Mas eles estavam eram drogados, não era?
- Bom, isso era um detalhe.
- Detalhe?
- Claro, tem de preparar o corpo e a mente para entrega, não é?
- Não é não.
- Mas como não? Olha, Quevara, outro mundo é possível....
- Não com essa turma de destrambelhados, imbecis , completamente manipulados e drogados por vocês, e acreditando que o socialismo é sexo, drogas e badernas, se embriagam com palavras de ordem que nem sabem o que significam.
- Quevara, cuidado, és um reacionário da pior espécie, não tenho mais dúvida. E não vou te dizer como eles sabem do que se trata.
- Reacionário? Eu?
- Sim, por tentar espezinhar e constantemente querer humilhar os combatentes socialistas com suas teorias. Mas não te damos bola, pois quem está por cima não precisa ouvir essas coisas.
- Si, si,si. Continue.
- Mas, Quevara, tuas atitudes são fruto do regime militar. Aquele regime brutal que me perseguiu durante muito tempo. Mas tem compensações. Eu mesmo já fui indenizado por atos contra a minha liberdade de pensamento. Doei parte para o partido, tinha que doar. Hoje posso ir de escola em escola pregando o socialismo e formando novos militantes. Ontem mesmo fui dar apoio de cúpula a uns companheiros que desejavam fazer uma greve e não sabiam como. Com minha experiência de mais de 10 anos de faculdade pude orientá-los na luta contra o capitalismo escravizante e expoliador. Passei o dia inteiro lá e o resto da semana estarei também. Mas ainda me sinto perseguido. Sentia que estavam atrás de mim: onde ia sentia olhos me seguindo.
- Ah, si,si,si. Prossiga.
- Mas porquê estou te contando isso?
- E eu que sei? Foi usted que veio acá. Mas continue.
- Vim aqui para te cobrar e não ser cobrado. Quevara, os jovens socialistas da TRIPA estão desolados. Senti que nos jogaste contra eles e eles contra o que pregamos. O estrago maior foi na combatente Tildes. Não é a mesma aguerrida de antes e foi de uma maneira tão rápida...
- Si, si,si.
- Não podes entender, como integrante desse sistema agonizante, que o pensamento neoliberal excludente como tal acabou. Tudo tem início e fim. Agora a nova Era será regulada pela revolução, se for preciso. É claro que sem armas, pois estamos em paz e amor.  Nós, revolucionários socialistas democráticos, queremos uma revolução na sociedade. Já chega de opressão contra os trabalhadores. Um governo mundial dos trabalhadores contra essa globalização. Vamos deixar de pertencer a um país para pertencer ao mundo dos trabalhadores. Uma sociedade limpa sem transgênicos, sem fumaça, sem poluição, sem essa eletrônica que escraviza.
- Voltar a idade de las piedras, lo quieres? Mas, continue.
- Olhe, Quevara, falando em tom mais arrogante ainda, cheguei a propor um tribunal de julgamento para ti.
- O QUÊ?
- Sim, um tribunal para..
- Quem pensas que és, oh, protótipo de Fidel Castro?
- Acho que não entendeste ainda, Quevara. Precisamos nos livrar de reacionário radicais e sua agressão aos socialistas foi longe demais. Olha, Quevara, o homem deve diluir-se na sociedade para sentir-se cidadão. O homem diluído, anulada sua individualidade, com todo seu potencial a serviço do partido, como o combatente socialista democrático, tem de se tornar uma máquina de matar movida pelo ódio ao capitalismo, como disse Guevara.....
- O homem democrático a serviço de um partido?
- Sim, o democrata socialista, o militante com origem em Marx, Lênin, Mao, Fidel, e outros importantes socialistas.
- Si, si, si, continue.
- A cantilena enfadonha e mentirosa da direita parasitária está presente nos seus atos, Quevara. Eu vejo com a clareza histórica socialista. Trabalhamos para um mundo melhor.
- Si, si, si. Mas o que fazes na vida? Trabalhas?
Neste momento batem á porta e a gringa entra dizendo que D. Calú havia chegado. Quevara pediu para que entrasse.
- Oh, amigo Quevara, como le vai?
- Bem, e aí?
- Tchê, não és o filho do Tisnado? fala D.Calú dirigindo-se para o jovem.
- Sim, esse era o apelido do meu pai. Mas de onde conheces meu pai?
- Lá da fronteira, ora. E como não. Principalmente por ter emprestado muito dinheiro para ele mandar para o filho que estava cursando faculdade na capital. Até remelexo numa murga no Uruguai ele foi para arranjar dinheiro. E até uns guides meus dei para ele rifar certa vez. Vendia pastel, rapadurinha de amendoim e tudo mais na rodoviária, no centro da cidade...
- E o que aconteceu depois, D.Calú?
- É, Quevara, quando ele descobriu que o filho cursara faculdade mas não fora aprovado em matéria nenhuma e virara um baderneiro e agitador profissional após ter entrado para o sindicato estudantil, teve um problema de saúde e morreu. Passou a vida toda mandando dinheiro para o filho se formar em coisa nenhuma.
- Bem, Quevara, vou indo. Tchau.
- Espere, ainda não terminamos. Mas como é seu nome mesmo?
- Deixe-o ir, Quevara. O nome dele é Sebastião. Mas é conhecido , no seu meio, como Carlos Beria, seu nome de batismo socialista, uma eterna vocação dessa gente para a clandestinidade e obscuridade. Gostaria que o Tisnado estivesse aqui para ver no que se transformou seu filho que estudava na capital , como sempre a ele se referia com orgulho.
- É, D.Calú, assim es la vida. Esse é mais um Paranóico ideológico que encontro.
- Mas tem cura?
- D.Calú, con sinceridad, no lo creo. Apresenta sintomas mui claros de paranóia, la más peligrosa de todas: a ideológica,que enlouquece mais do que qualquer esquizofrenia, por mais louca que sea.
- É, Quevara, quando mexemos em vespeiros nos quais a verdade está em jogo e dita as regras os estragos são muito grandes e seus efeitos extremamente perversos.
- Mas me conte como conheces esse jovem?
- Como disse, o pai dele era meu amigo. Pessoa simples, humilde e muito trabalhadora, mas de pouca instrução. Ele não é tão jovem assim como pensas. Tem de 35 a 40 anos e não trabalha. Não sei como se sustenta, apenas suspeito. Ele faz parte de uma organização chamada  REDE- Rede Especial dos Destemidos Esquerdistas. Dela faz parte a GOSMA, Grupo O Socialismo é Mais Acima, que atua na área do Gasômetro, o GRUDE- Grupo de União dos Destemidos Esquerdistas, perto do Palácio do governo,  e a GRAPA- Grupo Altaneiro de Proteção aos Alcoólicos Socialistas, que é o maior deles e atua na área do mercado.
- E a TRIPA faz parte da GOSMA, é claro. Mas que teia de aranha!
- Sim, uma teia de aranha muito singular.
- Si, por supuesto, que si.
FLAVIO MPINTO
Enviado por FLAVIO MPINTO em 20/11/2007
Código do texto: T744948

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FLAVIO MPINTO
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 66 anos
531 textos (98572 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 02:12)
FLAVIO MPINTO