Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Resultado

1

— Pô Vadinho... Não tá achando essa piscina grande demais não?

— O quê?

— Além do quê, já não cai água há um tempão.

— Ha... Cala a boca Uruba. Tu não sabe de nada.

— É mesmo. Só sei é que tua mulher vai te esfolar quando souber que tu comprou essa parada no cartão dela.

— Vai nada... Além do quê é aniversário do moleque. E quando ela souber do presente, vai levar ele lá. Aí, a gente mata o porco, queima a carne, toma umas geladas e pronto, voltou sem sentir. Tá ligado? Já comprei geral, só faltava mesmo era a piscina e o álcool.

— Pô Vadinho, quem vê assim pensa até que tu ganhou no bicho.

— Quem sabe?

— Quem sabe o quê?

— O resultado de amanhã num vem parar na minha mão... Eu pago as conta, arrumo as mala e vazo!

2

Ele sabia o que estava fazendo. Apesar de não seguir nenhum ritual, via cada situação com o máximo de clareza que elas lhe permitiam. E isso era quase sempre satisfatório.
Cortou as folhas do noticiário e as separou em pequenos blocos sobre a mesa de centro. Embrulhou primeiro, como lhe pareceu obvio no meio de toda aquela sujeira, os pedaços menores, já que o sangue havia escorrido por completo. Não que o animal tivesse além do esperado. Sorriu ao ver uma foto de seu primo na seção policial. Preso por porte de armas e tráfico de drogas. Sabia que teria muito mais trabalho para fazer naquele dia além do programado. Guardou as peças embrulhadas numa bacia de alumínio e partiu para as maiores. Era uma pena não poder fazer um churrasco daqueles. Pronto. Esvaziou a piscina no boxe e a levou para fora junto com a mala, agora pronta para viagem. Pegou o álcool e despejou sobre a piscina no meio do quintal. Riscou um fósforo e reparou que acenderia seu último cigarro. Aqueles maços haviam desaparecido em poucos minutos. Contemplou o fogo enrugar o plástico sujo, e com a mala pesada, se mandou pelos fundos ao som de uma sirene solitária.

3

— E aí Zé, tudo bom?

— Indo. Me dá um jornal aí.

— Fiquei sabendo que quebraram tua banca ontem. É sério?

— É.

— Quer saber de uma parada? Fui conferir meu resultado com o dele e não tava batendo.

— Tô sabendo.

— Perdi minha grana toda.

— Foda-se. Ninguém mandou jogar no bicho.

— Pois é... Vai levar qual?

— O pior.

— Vai trabalhar hoje?

— Não é da tua conta coroa. Ou é?

— Não... Que isso. Só pensei em ajudar. É que eu troquei
uma idéia com ele ontem e...

— Como é que ele é?

— Quem, o Vado? Negão... Tipo tu assim. Menor um pouco. Mas acho melhor levar mais.

— Me dá dois Povo* e um maço de cigarro.

4

Não dispunha de tempo para fazer a coisa mais bem feita. Há sempre um intervalo muito curto entre um tiro e a sirene da policia. Então, não pensou duas vezes. Desceu do guarda-roupa empenado, uma empoeirada mala de couro. O marrom acinzentado permitiu-lhe clareiras suadas em formatos de mão. Jogo-a por sobre a colcha embolada na cama e afrouxando as fivelas, abriu a gaveta improvisada. Arrastou a piscina de plástico para o meio da sala e disparou o volume do rádio. Jogou o corpo para dentro do azul desbotado e com a ajuda de um cutelo, começou a tingi-lo de um vermelho escuro e coagulado. O serviço demorou menos do que o esperado, afinal, ganha-se velocidade com a prática. Admirou-se de conseguir fumar tanto em tão pouco tempo. Geralmente gastava um maço por serviço, mas aquele lá, alimentara o enfisema de uma forma especial. Já havia queimado quase três desde a hora em que comprara o jornal.
__
*O Povo: Jornal popular. Circula no Rio de Janeiro, trazendo sempre manchetes agressivas e grandes fotos de cadáveres na primeira página. Um dos jornais mais baratos da cidade.
Tonico Senna
Enviado por Tonico Senna em 30/11/2005
Reeditado em 24/08/2006
Código do texto: T79089
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tonico Senna
Nilópolis - Rio de Janeiro - Brasil, 41 anos
6 textos (239 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:30)
Tonico Senna