Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Viajante do Tempo

Abrí a porta.
Eu estava preparada para encerrar aquele relacionamento que me extirpava da vida.
Ele entrou, olhou-me docemente fundo - ele consegue ver a minha alma, conhece-me como ninguém – acarinhou os meus cabelos e beijou-me suavemente a testa.

- Sentí sua falta.

- Eu também. Como estava na China?

- Ah... Óptimo.

- Faz tempo que voltou?

- Há alguns dias. Respeitei a tua vontade de não fugir das convenções.

Como posso me afastar de alguém que me faz tão bem?
É um sentimento estranho. Este  português faz meu sangue ferver, mexe com os meus instintos, tem palavras doces e uma suma sabedoria. Conquistou-me com as palavras, com o seu bom humor e grande paciência.
Viajante do tempo... Descobridor de Verdades...
Colocou-me num castelo dentro de Nenhures, mostrou-me as maravilhas do seu mundo e me fez sonhar como uma adolescente bobinha.
Agraciou-me com a culinária portuguesa, apresentou-me ao bacalhau com natas,
fazendo-me pecar absurdamente contra a minha dieta.

- Antônio Carlos, não posso continuar.

Ele não imaginava quanto era difícil dizer aquilo. Mas eu tinha esta obrigação. Nossa realidade era totalmente diversa do que ousávamos sonhar. E jamais poderíamos transformar nosso sonho em “projecto”.
Então, era melhor nos afastar para não sofrermos mais, e não fazer ninguém sofrer por nós.
Hoje, parte de mim continua vivendo em Nenhures, apreciando o pôr do sol, e, enquanto as caravanas de sal passam, atravessando o deserto, olho ao longe, esperando a chegada do meu príncipe azul.



     

Catia Schneider
Enviado por Catia Schneider em 02/12/2005
Código do texto: T79918
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Catia Schneider
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 38 anos
147 textos (33308 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:41)
Catia Schneider