Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HOJE DEIXEI O CARTEIRO TRISTE - ouvindo TOM ZÉ

Era o carteiro, sempre pontual, com o dedo na campainha. Contas, propagandas, revistas...
- Ô José, tome um copo d´agua, descansa as pernas. Puxei a conversa, enquanto olhava as correpondências.
- Nada, nada.
- Tá esperando alguma coisa?
- Uma carta Zé, uma carta que não chega. Contei-lhe a história, sem minúcias, eram doloridas demais.
Zé abriu a bolsa.
- Deixa eu ver se não esqueci alguma coisa aqui por dentro. Olhou, virou, remexeu, revirou. Fiquei esperando aquele mágico com a mão na cartola.
- Não, não tem nada, não.
Levantou-se, tomou o último gole, suspirou longamente. O tom de sua voz não era o da chegada.
Deixamos, eu e meu cãozinho branco, o carteiro no portão. Foi cabisbaixo. O cão limpou os olhos com as mãozinhas, me convidou a entrar.
Estiquei as pernas no sofá ouvindo Tom Zé pisar uma canção de 1998, chamada “Dói”. Mais ou menos assim.

“Maltratei,
sim, maltratei demais
dói
e machuquei
meu coração
que bate
que bate calado
que bate calado
que bate, bate
dói, dói, dói
bate e dói dói
que bate e dói dói
que bate e dói, dói
que bate e dói
dói amor e dói e dói e dói...

Teu olhar luz do dia, derretia...”


Deixei o carteiro triste ao contar que esperava, já fazia tempo, uma carta que viesse com a luz de uns olhos azuis cobalto que nunca mais eu vi. 


"DIZERUDITO" ESSE MEU LIVRO DE VERSOS FÁCEIS E FRÁGEIS.
Edmir CARVALHO BEZERRA
Enviado por Edmir CARVALHO BEZERRA em 07/12/2005
Código do texto: T82315
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edmir CARVALHO BEZERRA
Belém - Pará - Brasil
55 textos (5346 leituras)
5 e-livros (14875 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:15)
Edmir CARVALHO BEZERRA