Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Banho - Lia de Sá Leitão (Normanda) - 01/01/2006

O dia misturava as cores esperando a noite, nuances escarlate misturavam-se aos vários tons de azul, tudo tão intenso que a vida pulsava no coração da mulher que dirigia em alta velocidade em busca de paz.
A paz dos amantes, a paz dos amores, a paz daqueles que buscam a parelha com a avidez do tempo.
Cada quilômetro parecia uma eternidade, os cabelos voavam ao sabor do vento chegando a machucar o rosto trigueiro pelas horas de estrada e sol.
Chega como um flash em seu apartamento estaciona o carro de qualquer jeito e sobe o edifício pelas escadarias de serviço, não tinha tempo a perder, jantar marcado para às 22h nada podia atrapalhar aquele desejo de mulher.
Abre a porta, joga as chaves, a bolsa, o casaco por cima do sofá, descalça os saltos altos e na direção do quarto vai despindo-se Como num bailado, ainda estéril do outro.
Pega o roupão e adentra no banheiro, nua, olha-se ao espelho e toca o corpo como se uma segunda mão acarinhasse seus seios no sistemático exame de mama ... pensou com ar de mulher faceira, ele tocará o corpo leve, abre a ducha e se molha por partes, as partes de mulher, os mamilos com água ainda fria deixa a pele arrepiada, deslizou mais um pouco alisou a barriga passou o indicador ao redor do umbigo e sentiu um leve vibrar da alma, a mão de espumas delicadamente perfumada pelo púbis e sentiu aflorar a libido feminina entre o devaneio e os minutos de espera. Molha-se por inteiro, enxarca os cabelos como quem afoga o segredo de adolescente a espera do primeiro beijo. Como pede mesmo depois de adulta permitir aquela mão imaginária da emoção dominar a razão.
A sensação é de harmonia é a mesma que satisfaz os desejos do toque sem sentimento de pecado original: abre mais uma vez o chuveiro, toma em mãos a esponja delicada, goteja o sabonete líquido e desliza sobre o corpo ainda mais suave, deixa a espuma abundante que favoreçam em doce perfume a alma cansada da espera.
As mãos tornam-se conchas, que banham o corpo da Afrodite que sorri para o Box  esfumaçado, desenha um coração, escreve um nome, era o nome desejado, deixa a água quente escorrer pelo corpo fazendo um ritual de purificação levando consigo no trajeto sinuoso do corpo nu ao chão os cheiro de rua, a presença da ansiedade do dia pela hora marcada, a saudade do depois antecipadamente pela expectativa do que vai deixar de lembrar, não pode esquecer os delírios e desejos, toca com mais leveza, e sente a carne quente se abrindo em flor, Sai do chuveiro, senta-se na bacia abre as pernas fecha os olhos, deixa-se largada alguns minutos de mistério entre o que não deseja pensar e o ambiente já está tomado pela fumaça da água em ebulição, quer vivenciar o barulho do mundo que se faz presente naquele útero, e a expectativa da dúvida toma a alma como um tremor. Degusta o jantar, deseja o sofá, com olhos fechados seu parceiro está ali, ajoelhado a seus pés, beijando-lhe a barriga, os seios, e com mãos pressionam   a carne branca trazendo-a para si.
O ensaio solitário do que será o encontro está por um fio entre o prazer irrestrito e o sonho de mulher amadurecida que busca no outro a réstia que ilumina a vida, o amor.

Nomanda
Nomanda
Enviado por Nomanda em 02/01/2006
Código do texto: T93374

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nomanda
Olinda - Pernambuco - Brasil
52 textos (3603 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:38)