Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Viagem – Normanda – Lia de Sá leitão – 2/02/2006

 
    Adolfo espera impaciente a amada que acabara de ligar do aeroporto, Marília embarca no primeiro táxi do aeroporto Tom Jobim; o vôo  chegou dentro do horário previsto, em tempo hábil para apreciar o pôr do Sol a caminho de Santa Teresa.
    Apesar do trânsito intenso, não tinha atropelos de blitz ou segurança armada para atravessas a auto pista.
    Finalmente avista o Bairro amado, e o prédio onde ficaria hospedada por alguns dias, a curiosidade e a expectativa  do namoro, compras e a previsão de um amor inesquecível.
    Ela identifica-se ao interfone, o porteiro abre o portão de ferro, indica o caminho. A moça segue em passos rápidos para o apartamento 302. Não gostava de surpresas isso se devia ao fato de ter avisado sua chegada. Sai do elevador carregada de uma  bolsa  de couro apropriada para pequenas viagens, atravessa o corredor em passos seguros e bate à porta do número indicado.
    A porta se abre e diante da moça o olhar do rapaz cruza os seus, brilhos, sorrisos de cumplicidade, os desejos revelados e intensos, ela entra e o suor toma-lhe o rosto, fala sobre a viagem, mas por pouco minutos, seu amado toma-lhe ao colo e suga aquele suor da sua face, beija-lhe a boca cinematograficamente, lembrava os filmes de Clark Gable e as carícias já tomam o espaço do sofá.
    Ele delicadamente tira-lhe à blusa indiana, e suga-lhe a pele branca,  arrepiam-lhe os seios que se inflamam diante daquela boca quente, suas mãos que cariciam a alma correm pelo corpo quase à mostra. Mais um movimento e se deixam cair no tapete, a saia  de tecido leve fica esquecida sob o sofá,  atira  numa cadeira a calcinha  já molhada, sem serventia alguma de encobrir as partes mais íntimas da mulher que se aconchegava entre o colo e os  músculos contraídos  do homem amado.
Beijos sedutores, linguas lambiam-se em voluptuosos ritmos dos suspiros e num bailado ora dócil, ora frenético deixavam no ar o traçado da bailarina , que deslizava  em vai e vens, sincronizados de música andante, desejada, tocada, que jamais seria esquecida em seus suspiros e gritos de mulher possuída e dentro de seu corpo a vida    fervilhava de seres como a cidade barulhenta de transeuntes desconhecidos.
Os corpos se fundiam, ela o segurava cravava-lhes as unhas pelas costas como uma felina, e ele batia em suas nádegas as palmadas que despertavam os mais libidinosos desejos dos fetiches mais que carnal.
Homem e mulher se cheiravam, se conheciam pelo exalar dos seus hormônios, Ele a toma nos braços e encaixa mais uma vez seu corpo como ilha que atraca a jangada  molhada escorregadia e quente de mar, velas aberta, tremendo. Ele dá um leve impulso para frente,  metamorfoseia-se  em borboleta azul, ele prende uma asa, ela se debate, ele se dobra, ela alcança a flor escarlate, ele a toma suave e a recolhe em seu peito, ela beija, ele acolhe ela em seu ombro e os dois adormecem, entrelaçados na mesma posição de entrega, de convite para novos momentos de amor.

Nomanda
Enviado por Nomanda em 02/01/2006
Código do texto: T93577

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nomanda
Olinda - Pernambuco - Brasil
52 textos (3603 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:20)