Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INCONJUGAVEL TRAIR - Normanda Lia de Sá Leitão 3/01/2006

Segundo aqueles que escrevem os verbetes do dicionário;  trair é: ser infiel a... quem nunca foi infiel a... que atire o primeiro vírus em meu micro, assumir que é que são elas! Ai está o inconjugável o verbo trair.
ALERTA ...PISC PISC... ALERTA!
Não estou levando em consideração os atos e sim o silêncio que há entre a escrita e as lembranças do ontem.
NÃO REVISEI O TEXTO PARA NÃO IMPRIMIR O DESEJO ANGELICAL ENTRE O QUE PODE SER ESCRITO E OS CONCEITOS MORAIS ADQUIRIDOS PELA FORMAÇÃO OCIDENTAL CRISTÂ.
Como é fácil desejar o outro seja pela cobiça do corpo, seja pelo desejo da alma que ilumina o sorriso mais descrente de paixão, seja pelo anseio da posse já esquecida na sala de jantar, comesnsais, todos se devoram em orações, canções, pinturas, a Função Poética é canibalesca, toda a alma escreve poemas, toda alma vive o soneto de amor eterno, toda a alma segreda os fetiches e os deixam apodrecer em pecados jamais revelados, ai está a maldade humana, eis o verbo trair praticado em essência. Toda alma faz amor com toda alma.
Enquanto isso nos Trópicos, homens e mulheres na vitrine, quarentões em plena vitalidade o que seria  aberração negar um sorriso expondo uma certa malícia de experiência regdo ao suco de abacaxi.
O inconjugável verbo trair diante olhares mais caros da ótica moderna, os óculos escuros escondem os raios predadores e sedentos transformados em sutis piscadelas expressando o reprimido desejo simbolizado naqela aliança de ouro carimbando o imaginário coletivo como símbolo da posse. O fogo! A queimação da carne, aquele que passa e espia  com olhos de quem tem fome o inocente decote. Aquele despreocupado calção que guarda seu dono por inteiro cobrindo-lhes as partes mais cobiçadas, corre, corre livre, corre beira mar à fora  buscando a tonicidade dos músculos, consigo perder a postura de escritora séria que sou, e em meus devaneios imaginar aquele par de bunda rechonchuda e musculosa tomando um beslicão antes da chuveirada, é rapazes,  o país das bundas   tem lá seus segredos, as mulheres nem sempre olham os olhos, os pau do nariz ou outro membro mais resguardado e contido, olha mesmo é o bumbum, seja novo, seja um poco mais usado pelas horas de trabalho, não importa! Voltemos ao inconjugável verbo trair, tudo que pode manifestar sentimento de desjo abrupto ou sequencial, chamo sequencial aquele sentimento de hora marcada, não se tem o direito de perder o segundo do relógio atômico que marca as horas do Mundo. É hora dos graciosos deuses passearem livres como simples mortais atentando os olhares mais amadurecidos de saudade.
Tenho percebido que os meus alunos por exemplo, perderam muito dos devaneios solitários, como eu gostava de chegar meio que escondida para ouvir os comentários, fulana tem isso, fulana é assim fulana é... e todos se espantavam...num hummm! Os rapazes não sabem conjugar o verbo trair, perdeu até a graça! Não conseguem nem mesmo justificar quando se pergunta vc consegue trair alguém? Não, eles não sabem por que como ficantes não tem responsabilidades e tudo é todo mundo, contribui para os momentâneos apaixonados  de final de festa, frequentar festas é desviar atenção de muitos  da pornografia infernética da internet.
Mas as meninas também tem seu lado de quiquiquis (inventei agora!)seria que costumo chamar de o trincar de espelho, as descobertas do corpo quando se descortina a pureza a mulher  desabroxa entre os desejos nunca dantes explicados, como é bom descobrir os pontos sem necessáriamente ter o alfabeto inteiro a, b, c ou G, o importante é sentir a resposta do corpo delirando em si desfrutando em si amor.
Como é inconjugável o verbo trair, trair-se no entanto pode ser, não utilizarei em meu corpo o desejo se servir a minha alma em detrimento daquele desconhecido que passa.
Ser fiel o tempo inteiro sem o rabisquinho de olho, sem tremedeira de pernas, sem mãos geladas, sem o olhar procurando a chave principal da porta de entrada.
São Tomás de Aquino que o diga!
É realmente inconjugável o verbo trair, ninguém sabe a dor que causa no traído, ou a sensação de liberdade de quem trai e depois numa vã esperteza tenta justifar-se.
Nomanda
Enviado por Nomanda em 03/01/2006
Código do texto: T93810

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nomanda
Olinda - Pernambuco - Brasil
52 textos (3604 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 06:01)