Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desabafo marítimo

Dizem que o amor aqui não finda, pelo menos diziam...

Se você acha, que com tua curta vida já sofreu demais por isso, imagine eu, que já perdi o interesse de todos aqueles que em mim navegaram.

Quando ainda, eu era mistério, me transformaram até em prece – um tal de Fernando Pessoa se bem me lembro -.

Por falarem tanto do mar, raramente surgiam histórias de amor sem minha presença. Quantos foram os navegantes incertos, que em mim mergulharam para não mais voltar.

E os corajosos que me enfrentaram e descobriram a felicidade, o auge e por fim, meus segredos, que eu achava ter escondido tão bem.

Se soubesse das conseqüências que trariam suas naus, desejos e perseverança; Eu com certeza, ainda seria sinônimo de amor e não de distância.

Agora, sinto a culpa de ser um oceano que separa casais e amigos; Servindo hoje, para a maioria, apenas como fonte de lucro.

Engana-se ao achar que não tenho vontade de afundar cada um destes sujos navios de petróleo e ganância, mas de nada adiantaria, pois a dor de ver os aviões e o céu cobrindo minha raiva seria ainda maior, e eu ficaria definitivamente só, perdendo esses poucos marinheiros fracos que já não fazem livros para alimentar meu ego, mas, ao menos uma folha por viagem, contendo assim, minha ansiedade.

O que não evita um maremoto de vez em quando...

Bruno Fernando
Enviado por Bruno Fernando em 04/04/2006
Código do texto: T133573
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Llafer). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bruno Fernando
São Paulo - São Paulo - Brasil, 33 anos
67 textos (2801 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:22)
Bruno Fernando