Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Deus

Conto que se passa nos princípios da década de 70 do século XX tendo como cenário a Guerra do Ultramar, a guerra em que as colónias Portuguesas Africanas lutaram e alcançaram a sua independência

Conto baseado em factos reais

DEUS

António pensou ter o destino traçado quando, ainda nos bancos da primeira escola descobriu gostar de leis.
Não sendo o exemplo acabado daquele tipo de colegas que, ao mínimo anseio do mestre se mostravam demasiado disponíveis para os satisfazer, sempre respeitara e se fizera respeitar.
Em casa, o pai, técnico de contas das pequenas empresas da zona, fizera-o ver que o respeito pelo próximo e a solidariedade eram valores pelos quais deveria orientar a sua vida, que a matemática da vida dependia muito da equação que dela soubéssemos fazer, e o primeiro exemplo de como as contas podem sair trocadas apesar do nosso empenho tinha-o no avó, republicano das primeiras barricadas e interveniente activo mas anónimo no dia que ficou na história como o fim dos reis, que apesar de todo o seu empenho e honestidade que primeiro foi silenciado e de seguida encerrado num qualquer lugar suficientemente obscuro para os partidários da nova autocracia, surgida vinte e tal anos depois da sua primeira revolução não o poderem ouvir. O olhar mudo e afastado do avô foi a primeira lição de arbitrariedade que o futuro advogado aprendeu. Até a uma certa idade não compreendeu este mutismo, julgando ser aquele homem, maciço de barba e cabelos eternamente brancos e de postura de uma esfinge, julgando o silencio ser mais um sinal de demência como vira em alguns avós de amigos seus. Quando soube da verdade passou a olhar o velho republicano com o respeito que merecem os homens de honra e elegeu-o como seu único herói. Nunca mais iria atribuir este título a mais ninguém.
Vivendo o liceu em plena e louca década de sessenta, ajuizou segundo a bitola do seu herói os acontecimentos nas colónias e, embora se mantivesse discreto, olhava os “turras” como libertadores e não como agentes subversivos. O seu sentido de justiça fê-lo desacreditar a propaganda do regime, mas a descrição que sempre fizera questão de manter, pô-lo relativamente à margem das crises académicas, vividas num dos centros da efervescência académica, a cidade beijada pelo maior dos rios nascidos na nação.
Concordava, era obvio que não podia deixar de concordar, com os colegas contestatários, aproveitando o tempo livre para estudar, participar num ou outro ajuntamento, e para solidificar a profissão tida em mente -Seria Juiz, tentando aplicar equidade a aplacar as desigualdades por si vistas bem demais. Claro que uma parte de si o queria nas ruas, uma parte de si queria juntar a voz a de alguns amigos, mas outra parte, a mais forte, aconselhava-o ao recato do anonimato, que haveria outros palcos onde poderia actuar com mais eficácia, apesar do escárnio que angariou junto dos mais rebeldes, não obstante ter sido um devoto das greves às aulas e aos exames Poderia não intervir directamente, mas nunca seria um fura greves, pois isso seria dar razão ao governo por si olhado de soslaio. Apesar de não poder escapar às sortes, julgava poder evitar o teatro africano, ilusão desfeita no final de curso e no consequente assentar de arraiais numa unidade militar. Apesar de contrariado e à beira duma revolta exterior, manteve a postura e serenidade, apesar de temer pela ida.
Mesmo depois de o terem informado da sua próxima viagem - A mais dura das colónias, e um dos piores destinos para a tropa, (o que o levou a pensar que a factura paga pelo avó era herdada-ou talvez não tivesse passado tão anonimamente pelas greves), António acreditou na justiça. Pouco antes de partir passou ao lado das Madrinhas de Guerra, casando com uma colega de Letras, e companheira de alma no que tocava à sua interioridade tão selosamente guardada a toda a gente menos para ela, a sua adorada Mariana. A partir desse momento sabia ir regressar, porque lhe fizera a promessa de voltar, e como homem de palavra, fazia questão de a manter até ao fim.
Num dia ensolarado e húmido, deu consigo a entrar num quartel onde iria por fim fazer comprir a lei. Infelizmente não levava na mão os códigos, tendo a sustitui-los a tiracolo a indispensável G3, à qual, por uma questão de pudor e respeito se recusou a pôr o tradicional nome de mulher.
Desde o primeiro dia que se sentiu mal naquela pele verde, algo de artificial, algo de implantado que não fazia definitivamente parte de si, isto apesar de já ostentar alguns tiques com que os militares esperavam fazer sobreviver os homens no mato.
Iria pois passar a comissão de olhos fechados, pensando no regresso e himunizando-se à selvajaria na qual estava inevitavelmente metido. Conservando e treinando uma postura que esperava manter nos tribunais da  metrópole quando regressasse, em breve passou a ser conhecido entre os subordinados e superiores como oficial rigoroso, justo, cumpridor, exigente, mas sensível aos deslizes casuais e à fraqueza dos novatos. Esperava e cultivava acima de tudo a descrição que foi impossível de manter quando, num fim de tarde viu um negrito aproximar-se de si e pedir-lhe comida. Simpatizando de imediato com o sorriso da criatura de palmo e meio e pouco menos de dez anos, abriu um alforge e deu-lhe a ração de combate, destinada à patrulha do dia seguinte- “Que se lixe, apenas algumas horas sem comer...”- Pensou enquanto se maravilhava com a avidez satisfeita do negrito a quem baptizou (à mingua de saber o seu nome) de Luis, palavra simpatizada por Mariana, com a qual iria baptizar o seu primeiro filho, já tido no ventre se o destino lhe desse um rapaz.
O que António estava longe de imaginar era com a verdadeira amplitude do seu gesto: Quando regressava da missão, e mal avistou os muros da unidade militar, foi literalmente assaltado por Luis e meia dúzia de amigos, que, de mãos esticadas e sorrisos ainda mais bonitos do que eles lhe pediam comida. Dividido entre a impossíbilidade legal de satisfazer os pedidos, e os velhos esquemas da tropa, segundo os quais se arranjaria sempre alguma coisa se a necessidade assim o exigisse, ainda sem tomar banho foi ter com o camarada responsável pelas refeições e pediu-lhe que mandasse preparar algumas a mais. No compadrio da patente igual e da mesma cidade de estudo, o outro nada perguntou, limitando-se a entregar-lhe “o excesso no local combinado”, numa zona pouco frequentada para não dar nas vistas.
Depois de satisfazerem as barriguitas de fome, ante o ar embevecido do Alferes, a pequena multidão virou-se para ele e, em unisseno agradeceram-”Obrigado Deus!”.
Quando nos dias seguintes as crianças começaram a vir ter com ele novamente, e o trataram repetidamente por Deus, António compreendeu o aparentemente agradecimento divino. Ficou sensibilizado, mas também incomodado, pois limitara-se a agir por mera bondade, pelo accionamento inconsciente do seu sentido de justiça, pelo humanismo e solidareidades tão arredados daquele inferno, onde não passava um mês sem perderem homens, limitara-se a dar apenas comida, recebendo por isso o tremendo elogio de ser tratado daquela forma...
Com o tempo a passar, os estratagemas para amainar a fome dos miudos (que não paravam de aumentar em número...) tiveram de ser diversificados, mas a amizade com o oficial de abastecimentos e a pouca quantidade pretendida continuavam a dar vazão aos pedidos. E não era raro vê-lo, quando não se encontrava de serviço, com a pequena multidão que, mesmo quando não estavam a comer faziam questão de o acompanhar para quase todo o lado, chegando ao ponto dele sacrificar o tempo de algumas cartas à mulher para estar com eles. Por causa desta popularidade, era tratado pelos seus pares quando não estava presente como “Deus”, e respeitado ou olhado de esguelha consoante os sentimentos que que a sua acção surtia.
Apesar de ser icentivada a convivência com as populações locais, António não era invulnerável às críticas, se bem que ele continuasse, como se nada se estivesse a passar. Sentia ser uma espécie de imperativo categórico, uma obrigação, a aliviá-lo da terrível tensão que sobrevia cada vez que vinha do mato, cada vez que tinha de disparar e saber estar a matar alguém. A barreira a separar os homens da loucura na guerra era demasiado ténue, e, entre os vários estímulos que António colocara no seu lado são estavam Mariana e Luis, a personificar todos os negritos do grupo, aos quais era impossível dar ou conhecer o nome.
Mas houve uma altura em que o comandante da unidade, já exasperado com o espetáculo de ver um homem seu ser tratado de forma tão divina, e do “desperdício dos mantimentos do exército ser gasta daquela maneira”, chamou António à parte e mostrou-lhe o seu desagrado. Ríjido como um pau de vassoura, fez ouvidos moucos aos motivos do Alferes, chegando ao ponto de o ameaçar com acções disciplinares mais concretas se a coisa continuasse.
Em desespero de causa, António levou-o para o local onde alimentava o bando, pegou nalgumas latas cheias de comida, deixou que a multidão se juntasse e perguntou ao superior:
-Meu Coronel, tem filhos?
-Sim, um casal.
-E suponho que goste deles?
-Homem que pergunta! É obvio que sim!
-Então gostava que chegassem a este ponto?
E abriu algumas latas, atirando pedaços de comida aos miúdos, como se alimentasse pombos com milho, enquanto eles se atiravam em bando aos pedaços de carne tal como aves dóceis.
A partir dai nunca mais o oficial superior o incomodou, limitando-se a pedir apenas alguma descrição, não fosse o caso de aparecer alguma inspecção, pouco benevolente com aquele tipo de humanismo...
Entretanto os combates intensificavam-se, a situação militar complicava-se definitivamente para o lado dos portugueses, obrigando a um recrudescimento das operações e a um aumento das baixas. Apesar do aumento de pressão António continuava a alimentar alguns possíveis filhos de guerrilheiros, pois apesar de tudo, a guerra não era destas crianças. Talvez o futuro resultante do conflito, mas a guerra não.
Quando faltavam dois meses para o fim da comissão, e numa altura em que se falava insistentemente do abandono do quartel pela pressão do inimigo, António saiu em missão de reconhecimento com o pelotão. A meio do percurso rebentou intenso tiroteio, de tal forma que vários homens desapareceram. Ninguém viu nada, mas tinham-se que se fazer registos, ficando o Alferes como desaparecido em combate.
Nessa noite, Luis chegou a casa, com os olhos em lágrimas virou-se para os pais, olhou o fundo da sua casa como se procurasse alguma coisa, e depois olhou longamente o céu estrelado enquanto murmurava só para si e com voz apagada.

-Deus morreu.

Conto protegido pelos Direitos do Autor
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 09/04/2006
Código do texto: T136247
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5077 textos (170328 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 17:11)
Miguel Patrício Gomes