Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O dilema de Simone - Parte III

Para quem não leu os capítulos anteriores, aí estão.


O dilema de Simone - Parte I
Vincent Benedicto


Simone com apenas 29 anos, atraente, comunicativa, executiva bem sucedida, apaixonou-se perdidamente por seu chefe e começaram viver uma nova relação regada aos desejos sexuais de ambos, que ultrapassavam os limites da convenção social. Enquanto era apenas fantasia, ela limitava-se aos orgasmos normais. Porém, ao conhecer Rafael (seu chefe) descobriu o outro lado do prazer. Rafael não queria compromisso sério com Simone, queria apenas prazer sexual. A coisa saiu fora do controle! Simone resolveu viver sua sexualidade sem limites, relacionando-se com vários homens e teve sua primeira experiência sexual com uma mulher, junto dele (Rafael). Esta nova situação tornou-se uma constante na vida de Simone. Com os outros homens, Simone apenas se vingava ilusoriamente de Rafael, queria mesmo, era estar junto dele curtindo sua paixão e da nova amante que entrara em sua vida sem pedir licença!
Simone conheceu o outro lado do prazer, que para ela, somente acontecia em histórias eróticas. Tornou-se uma compulsiva sexual. Todavia, sentindo que Rafael e Valquiria – sua nova amante – queriam apenas sexo com ela, resolveu afastar-se dos dois e tentar novamente um outro relacionamento dentro dos padrões normais da sociedade. Pediu demissão do emprego – queria ficar longe dele para esquecê-lo e conseqüentemente longe dela – e seguiu o seu caminho até superar aquela paixão que mudara a sua maneira de ser. No decorrer do tempo, Simone conheceu Mauricio e começaram a namorar. Seu novo namorado é carinhoso, atencioso, a trata como uma rainha, porém, sexualmente é um desastre!
Segundo a psicologia, “a sexualidade feminina é um quebra cabeças gigante, formado por milhares de pequenas peças, quase insignificantes, e, apesar dos avanços nesta disciplina, até hoje ninguém conseguiu completá-lo”.
“Simone é jovem, bonita e sensual. Amou Rafael e, para segurá-lo, abriu, como tantas outras mulheres as portas do seu erotismo. Não funcionou, porque (segundo a ciência) o prazer não é a chave do amor, enquanto o amor com alguma freqüência abre as portas do prazer. Rafael não a amou, apesar do seu sacrifício erótico. Já ela, por amá-lo, superou suas barreiras eróticas. Fizeram sexo selvagem que transbordou sobre outros homens, porém não foi suficiente. Conduzida por Rafael, avançou novamente para além dos seus limites até transbordar a represa heterossexual. Foi quando uma outra mulher deitou na mesma cama”.
É evidente que Simone deu um passo maior do que suas pernas e perdeu o controle do barco, que foi arrastado pelas correntezas eróticas dormentes dentro de si.
Desejo e repulsa se misturam na relação homossexual, agora exclusiva.
Simone agora vive um dilema. Encontrou um namorado convencional, que a trata como toda mulher gosta de ser tratada, porém, se surpreende, quando sente que não é a mesma coisa. A correnteza erótica que desgovernou seu barco, ainda não secou. Simone sente falta de ser tratada como uma prostituta, de ser submissa ao seu homem, de render-se aos seus caprichos eróticos, do sexo selvagem, libidinoso, sente falta de um ser do mesmo sexo para realizar suas fantasias que ainda estão presentes em sua memória. Por outro lado, não quer perder Mauricio, o homem que a ama. A mulher que se graduou em erotismo, pode ser abandonada por frigidez. A sexualidade que falta na cama está intacta na sua fantasia, todavia, não há lugar para ela no seu namoro convencional com Mauricio. Com a ajuda da ciência, Simone vai tentar resolver. 

Será que Simone conseguirá resolver este dilema?



Parte II



Simone expulsa Rafael e sua amante da antiga relação. Começa tempos depois, um namoro com Mauricio no estilo convencional. Todavia, a Simone atual é uma mulher reprimida, incapaz de gozar apenas com os carinhos de Mauricio.
Segundo o seu psicólogo, ela deve primeiro se abrir com Mauricio e como não conseguiu transformar Rafael em Mauricio, tentar o caminho oposto. Ou seja, um homem que a faça gozar, ter orgasmos múltiplos e ao mesmo tempo um gentleman, que abra a porta do carro, que puxe a cadeira, que lhe presenteie com rosas e que a faça submissa. Teoricamente parece fácil. Este seria o estereótipo de homem, que Simone e quase todas as mulheres do mundo gostariam de ter. Porém, na prática, é quase impossível ter um parceiro ou uma parceira perfeita. Até porque, o amor é tolerante, quando se amam, os defeitos são qualidades.
Como toda boa filha, na hora do desespero só tem uma pessoa para desabafar. Simone chamou sua mãe em particular e lhe contou tudo, com requintes de detalhes. Esta por sua vez – uma beata fervorosa – sem saber o que fazer, para ajudar a filha foi conversar com o padre da igreja onde freqüenta. (Antes de prosseguir, quero deixar claro aos críticos de plantão, que não estou criticando essa ou aquela religião, até porque me recuso a discutir religião. Estou contando um fato real e isentando-me até de minha opinião particular). O padre – muito atencioso – disse a dona Zuleica – mãe de Simone – que pedisse a ela para agendar um horário, que ele a atenderia com muito prazer. (E que prazer! Muita gente aqui no Rio de Janeiro ouviu falar nesse padre. Não vou dizer o nome por uma questão ética). Um padre jovem – boa pinta – aproveitou da fragilidade psicológica de Simone e com base nos ensinamentos bíblicos, teve relações sexuais com ela, ainda provou que não cometiam pecado (segundo a religião). – Romanos 5 verso 13 está escrito: "Porque até à lei estava o pecado no mundo, mas o pecado não é imputado, não havendo lei". Disse o padre a ela. E continuou! O que praticamos foi uma fornicação e não existe lei sobre a fornicação. Logo, não cometemos pecado algum. Simone, além do prazer em gozar como louca nas mãos do padre, ainda sentiu-se isenta do pecado segundo a sua cultura religiosa. (Que 171 bom desse padre hein! (risos)).
Brincadeiras à parte, Simone ficou mais compulsiva ainda. Não comentou nada com sua mãe nem com seu psicólogo sobre isso – seguindo religiosamente o conselho do padre – e continuou a ter relação com ele. Pois além de ser bom de cama, era padre e estava tentando ajuda-la! Por outro lado, chamou Mauricio e se abriu com ele. Nessa turbulência toda, tratando-se com psicólogo, relacionado-se com o padre, Simone se abriu com mais uma pessoa. Uma amiga do seu novo trabalho. Esta – sentido-se confidente – confessou a Simone que morria de vontade de fazer sexo com uma mulher, mas nunca teve coragem. Dizem os especialistas que atraímos pessoas que pensam como nós. Será? Coincidência ou não, Simone acabara de encontrar uma nova amante, porém, sem um Rafael para completar sua fantasia. Na sexta-feira dessa mesma semana, tomaram uns drinks a mais e acabaram na cama.

O que será de Simone agora?
Conseguirá ela sair desse labirinto?
Será que o psicólogo deu o conselho certo?
E Mauricio? Aceitará a condição imposta por Simone?

Aguarde o próximo capítulo!



Parte III



Na verdade o caso de Simone, não tem nada a ver com homossexualismo. Simone embora esteja confusa, quer constituir uma família, casar, ter filhos e viver uma vida normal. Tudo começou, quando Simone apaixonou-se perdidamente por Rafael – seu chefe no emprego anterior – que a “induziu” a praticar sexo com ele e uma outra mulher. Antes de conhecer Rafael, Simone era uma pessoa normal, segundo a sociedade. Teve outros namorados, tiveram relações sexuais, porém, não da forma como teve com Rafael. (Criança quando entra na “doceria” quer experimentar de tudo! Não importa se vai passar mal ou não, ter diarréia e etc...).
A situação em que Simone foi submetida é parecida. Pela paixão doentia que tinha por Rafael, aceitou suas condições e ultrapassou a barreira dos limites. Quando se pratica uma orgia sexual consciente – preparado para aquele ato – você experimenta e, goste ou não, foi apenas uma aventura. No caso de Simone, a paixão comandava a razão. Tudo o que Rafael quisesse fazer, ela faria e se sentiria bem. Agora, mesmo sendo uma compulsiva sexual, com desejos e fantasias além dos seus limites, embora ela curta a situação atual, no seu íntimo, alguma coisa a incomoda. Relaciona-se com o padre, porque este a faz gozar desesperadamente. Arrumou um caso novo com Gisele – sua amiga de trabalho – mas é esporádico. Nem Gisele ou Simone, quer fazer sexo apenas com uma outra mulher. Para Gisele, é uma situação nova que há tempos tinha curiosidade de saber como era e teve a chance de experimentar. Simone, já tinha experimentado e para curtir esporadicamente, é bom de mais. Por outro lado, sente medo de ficar sozinha, por isso tenta segurar Mauricio. Este por sua vez, ama Simone – ou pensa que a ama – e não se surpreendeu com as loucuras de Simone. Pelo contrário. Aceitou na boa! Está com uma mulher que gosta, e ainda vai ter mais uma na cama! Correu pro abraço. (Que venham todas!) Simone apresentou Gisele ao Mauricio, foram beber uns drinks, colocaram as fofocas em dia e foram pra cama. Mauricio foi à loucura! No primeiro dia ficou desmaiado na cama. (Na realidade quando se faz sexo em três, um homem e duas mulheres, o homem vira o objeto sexual delas). Todavia, depois de um mês saindo juntos – um dia sim e o outro também – aconteceu o inesperado. Mauricio se apaixonou por Gisele. Como eram amigos, conversaram numa boa, Simone aceitou e terminou o namoro com Mauricio. Nessa mesma semana, uma das filhas-de-maria que o padre também “traçava”, deu queixa na polícia porque se sentiu traída. Descobriu que o padre tinha caso com outras. O delegado abriu inquérito, noticiou no jornal O Globo e deu abertura para o público, chamando todas as mulheres que foram assediadas pelo padre para registrar a queixa. Não sei como ele conseguiu essa proesa, mas o fato é que 480 mulheres no Rio de Janeiro – fora outras tantas que não quiseram se expor – assinaram o inquérito. (Esse era bom viu! Em menos de um ano comandando a renovação carismática da igreja, papou a comunidade quase toda!) Como já era de se esperar, a igreja sumiu com o padre que até hoje ninguém sabe pra onde foi e o inquérito ficou engavetado na promotoria. Simone e mais a população do Rio de Janeiro foram surpreendidas com esta noticia. A mãe de Simone quase enfartou! – Ele fez alguma coisa com você minha filha? – Não mamãe, só conversávamos! Respondeu Simone. Novamente, Simone se viu sozinha e com seu dilema ainda maior. Não tem mais Rafael, Valquiria, nem Maurício, Gisele, nem o padre. Não teve outra alternativa, se não a de contar tudo o que ainda não tinha contado ao psicólogo, que estava disposto a ajuda-la. Simone era fogo! Tinha um carisma incrível, um sorriso lindo, atraente, bem vestida e estava sempre no cio! Não perdeu tempo. Agora, mais do que nunca, sua única saída – pelo menos por enquanto – era o psicólogo! Duas semanas foram suficientes para Simone não se sentir sozinha. Começou um novo relacionamento com o psicólogo.

E agora?
Esse tipo de conduta com o paciente faz parte da terapia?
Será que o destino já tinha traçado o caminho de Simone?
Será que Simone nunca realizará seu sonho de casar, ter filhos, viver uma vida normal dentro dos padrões?

Aguarde o próximo capítulo


Deixe seu comentário!


Obs: Os nomes aqui citados são fictícios. Qualquer semelhança é mera coincidência.






Parte IV  - http://www.recantodasletras.com.br/contoscotidianos/142594





Vincent Benedicto
Enviado por Vincent Benedicto em 18/04/2006
Reeditado em 21/02/2011
Código do texto: T141291
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vincent Benedicto
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
477 textos (144379 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 12:29)
Vincent Benedicto