Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O dilema de Simone 
Vincent Benedicto

Parte I

Simone com apenas 29 anos, atraente, comunicativa, executiva bem sucedida, apaixonou-se perdidamente por seu chefe e começaram viver uma nova relação regada aos desejos sexuais de ambos, que ultrapassavam os limites da convenção social. Enquanto era apenas fantasia, ela limitava-se aos orgasmos normais. Porém, ao conhecer Rafael (seu chefe) descobriu o outro lado do prazer. Rafael não queria compromisso sério com Simone, queria apenas prazer sexual. A coisa saiu do controle! Simone resolveu viver sua sexualidade sem limites, relacionando-se com vários homens e teve sua primeira experiência sexual com uma mulher, junto dele (Rafael). Esta nova situação tornou-se uma constante na vida de Simone. Com os outros homens, Simone apenas se vingava ilusoriamente de Rafael, queria mesmo, era estar junto dele curtindo sua paixão e da nova amante que entrara em sua vida sem pedir licença!
Simone conheceu o outro lado do prazer, que para ela, somente acontecia em histórias eróticas. Tornou-se uma compulsiva sexual. Todavia, sentindo que Rafael e Valquiria – sua nova amante – queriam apenas sexo com ela, resolveu afastar-se dos dois e tentar novamente um outro relacionamento dentro dos padrões normais da sociedade. Pediu demissão do emprego – queria ficar longe dele para esquecê-lo e conseqüentemente longe dela – e seguiu o seu caminho até superar aquela paixão que mudara a sua maneira de ser. No decorrer do tempo, Simone conheceu Mauricio e começaram a namorar. Seu novo namorado é carinhoso, atencioso, a trata como uma rainha, porém, sexualmente é um desastre!
Segundo a psicologia, “a sexualidade feminina é um quebra cabeças gigante, formado por milhares de pequenas peças, quase insignificantes, e, apesar dos avanços nesta disciplina, até hoje ninguém conseguiu completá-lo”.
“Simone é jovem, bonita e sensual. Amou Rafael e, para segurá-lo, abriu, como tantas outras mulheres as portas do seu erotismo. Não funcionou, porque (segundo a ciência) o prazer não é a chave do amor, enquanto o amor com alguma freqüência abre as portas do prazer. Rafael não a amou, apesar do seu sacrifício erótico. Já ela, por amá-lo, superou suas barreiras eróticas. Fizeram sexo selvagem que transbordou sobre outros homens, porém não foi suficiente. Conduzida por Rafael, avançou novamente para além dos seus limites até transbordar a represa heterossexual. Foi quando uma outra mulher deitou na mesma cama”.
É evidente que Simone deu um passo maior do que suas pernas e perdeu o controle do barco, que foi arrastado pelas correntezas eróticas dormentes dentro de si.
Desejo e repulsa se misturam na relação homossexual, agora exclusiva.
Simone agora vive um dilema. Encontrou um namorado convencional, que a trata como toda mulher gosta de ser tratada, porém, se surpreende, quando sente que não é a mesma coisa. A correnteza erótica que desgovernou seu barco, ainda não secou. Simone sente falta de ser tratada como uma prostituta, de ser submissa ao seu homem, de render-se aos seus caprichos eróticos, do sexo selvagem, libidinoso, sente falta de um ser do mesmo sexo para realizar suas fantasias que ainda estão presentes em sua memória. Por outro lado, não quer perder Mauricio, o homem que a ama. A mulher que se graduou em erotismo, pode ser abandonada por frigidez. A sexualidade que falta na cama está intacta na sua fantasia, todavia, não há lugar para ela no seu namoro convencional com Mauricio. Com a ajuda da ciência, Simone vai tentar resolver.

Será que Simone conseguirá resolver este dilema?



Parte II



Simone expulsa Rafael e sua amante da antiga relação. Começa tempos depois, um namoro com Mauricio no estilo convencional. Todavia, a Simone atual é uma mulher reprimida, incapaz de gozar apenas com os carinhos de Mauricio.
Segundo o seu psicólogo, ela deve primeiro se abrir com Mauricio e como não conseguiu transformar Rafael em Mauricio, tentar o caminho oposto. Ou seja, um homem que a faça gozar, ter orgasmos múltiplos e ao mesmo tempo um gentleman, que abra a porta do carro, que puxe a cadeira, que lhe presenteie com rosas e que a faça submissa. Teoricamente parece fácil. Este seria o estereótipo de homem, que Simone e quase todas as mulheres do mundo gostariam de ter. Porém, na prática, é quase impossível ter um parceiro ou uma parceira perfeita. Até porque, o amor é tolerante, quando se amam, os defeitos são qualidades.
Como toda boa filha, na hora do desespero só tem uma pessoa para desabafar. Simone chamou sua mãe em particular e lhe contou tudo, com requintes de detalhes. Esta por sua vez – uma beata fervorosa – sem saber o que fazer, para ajudar a filha foi conversar com o padre da igreja onde freqüenta. (Antes de prosseguir, quero deixar claro aos críticos de plantão, que não estou criticando essa ou aquela religião, até porque me recuso a discutir religião. Estou contando um fato real e isentando-me até de minha opinião particular). O padre – muito atencioso – disse a dona Zuleica – mãe de Simone – que pedisse a ela para agendar um horário, que ele a atenderia com muito prazer. (E que prazer! Muita gente aqui no Rio de Janeiro ouviu falar nesse padre. Não vou dizer o nome por uma questão ética). Um padre jovem – boa pinta – aproveitou da fragilidade psicológica de Simone e com base nos ensinamentos bíblicos, teve relações sexuais com ela, ainda provou que não cometiam pecado (segundo a religião). – Romanos 5 verso 13 está escrito: "Porque até à lei estava o pecado no mundo, mas o pecado não é imputado, não havendo lei". Disse o padre a ela. E continuou! O que praticamos foi uma fornicação e não existe lei sobre a fornicação. Logo, não cometemos pecado algum. Simone, além do prazer em gozar como louca nas mãos do padre, ainda sentiu-se isenta do pecado segundo a sua cultura religiosa. (Que 171 bom desse padre hein! (risos)).
Brincadeiras à parte, Simone ficou mais compulsiva ainda. Não comentou nada com sua mãe nem com seu psicólogo sobre isso – seguindo religiosamente o conselho do padre – e continuou a ter relação com ele. Pois além de ser bom de cama, era padre e estava tentando ajuda-la! Por outro lado, chamou Mauricio e se abriu com ele. Nessa turbulência toda, tratando-se com psicólogo, relacionado-se com o padre, Simone se abriu com mais uma pessoa. Uma amiga do seu novo trabalho. Esta – sentido-se confidente – confessou a Simone que morria de vontade de fazer sexo com uma mulher, mas nunca teve coragem. Dizem os especialistas que atraímos pessoas que pensam como nós. Será? Coincidência ou não, Simone acabara de encontrar uma nova amante, porém, sem um Rafael para completar sua fantasia. Na sexta-feira dessa mesma semana, tomaram uns drinks a mais e acabaram na cama.

O que será de Simone agora?
Conseguirá ela sair desse labirinto?
Será que o psicólogo deu o conselho certo?
E Mauricio? Aceitará a condição imposta por Simone?



Parte III



Na verdade o caso de Simone, não tem nada a ver com homossexualismo. Simone embora esteja confusa, quer constituir uma família, casar, ter filhos e viver uma vida normal. Tudo começou, quando Simone apaixonou-se perdidamente por Rafael – seu chefe no emprego anterior – que a “induziu” a praticar sexo com ele e uma outra mulher. Antes de conhecer Rafael, Simone era uma pessoa normal, segundo a sociedade. Teve outros namorados, tiveram relações sexuais, porém, não da forma como teve com Rafael. (Criança quando entra na “doceria” quer experimentar de tudo! Não importa se vai passar mal ou não, ter diarréia e etc...).
A situação em que Simone foi submetida é parecida. Pela paixão doentia que tinha por Rafael, aceitou suas condições e ultrapassou a barreira dos limites. Quando se pratica uma orgia sexual consciente – preparado para aquele ato – você experimenta e, goste ou não, foi apenas uma aventura. No caso de Simone, a paixão comandava a razão. Tudo o que Rafael quisesse fazer, ela faria e se sentiria bem. Agora, mesmo sendo uma compulsiva sexual, com desejos e fantasias além dos seus limites, embora ela curta a situação atual, no seu íntimo, alguma coisa a incomoda. Relaciona-se com o padre, porque este a faz gozar desesperadamente. Arrumou um caso novo com Gisele – sua amiga de trabalho – mas é esporádico. Nem Gisele ou Simone, quer fazer sexo apenas com uma outra mulher. Para Gisele, é uma situação nova que há tempos tinha curiosidade de saber como era e teve a chance de experimentar. Simone, já tinha experimentado e para curtir esporadicamente, é bom de mais. Por outro lado, sente medo de ficar sozinha, por isso tenta segurar Mauricio. Este por sua vez, ama Simone – ou pensa que ama – e não se surpreendeu com as loucuras de Simone. Pelo contrário. Aceitou na boa! Está com uma mulher que gosta, e ainda vai ter mais uma na cama! Correu pro abraço. (Que venham todas!) Simone apresentou Gisele ao Mauricio, foram beber uns drinks, colocaram as fofocas em dia e foram pra cama. Mauricio foi à loucura! No primeiro dia ficou desmaiado na cama. (Na realidade quando se faz sexo em três, um homem e duas mulheres, o homem vira o objeto sexual delas). Todavia, depois de um mês saindo juntos – um dia sim e o outro também – aconteceu o inesperado. Mauricio se apaixonou por Gisele. Como eram amigos, conversaram numa boa, Simone aceitou e terminou o namoro com Mauricio. Nessa mesma semana, uma das filhas-de-Maria que o padre também “traçava”, deu queixa na polícia porque se sentiu traída. Descobriu que o padre tinha caso com outras. O delegado abriu inquérito, noticiou no jornal O Globo e deu abertura para o público, chamando todas as mulheres que foram assediadas pelo padre para registrar a queixa. Não sei como ele conseguiu essa proesa, mas o fato é que 480 mulheres no Rio de Janeiro – fora outras tantas que não quiseram se expor – assinaram o inquérito. (Esse era bom viu! Em menos de um ano comandando a renovação carismática da igreja, papou a comunidade quase toda!) Como já era de se esperar, a igreja sumiu com o padre que até hoje ninguém sabe pra onde foi e o inquérito ficou engavetado na promotoria. Simone e mais a população do Rio de Janeiro foram surpreendidas com esta noticia. A mãe de Simone quase enfartou! – Ele fez alguma coisa com você minha filha? – Não mamãe, só conversávamos! Respondeu Simone. Novamente, Simone se viu sozinha e com seu dilema ainda maior. Não tem mais Rafael, Valquiria, nem Maurício, Gisele, nem o padre. Não teve alternativa, se não a de contar tudo o que ainda não tinha contado ao psicólogo, que estava disposto a ajudá-la. Simone era fogo! Tinha um carisma incrível, um sorriso lindo, atraente, bem vestida e estava sempre no cio! Não perdeu tempo. Agora, mais do que nunca, sua única saída – pelo menos por enquanto – era o psicólogo! Duas semanas foram suficientes para Simone não se sentir sozinha. Começou um novo relacionamento com o psicólogo.

E agora?
Esse tipo de conduta com o paciente faz parte da terapia?
Será que o destino já tinha traçado o caminho de Simone?
Será que Simone nunca realizará seu sonho de casar, ter filhos, viver uma vida normal dentro dos padrões?



Parte IV



Na realidade, Simone busca pelas portas do prazer, um amor que seja correspondido. O psicólogo – que não resistiu aos encantos de Simone – foi coerente. Envolvendo-se emocionalmente com o paciente saiu do caso. Para não deixar Simone perdida, telefonou para uma psicóloga – sua amiga – e encaminhou o caso a ela. Simone marcou a consulta e começaria tudo de novo tentando com a ajuda da ciência, resolver o seu dilema. Porém, o ser humano nas horas do desespero, se apega em tudo e em todas as opções que lhe ofereçam, para tentar resolver sua situação. Nesse dia, Simone foi acometida de uma insônia e detonou o controle remoto de sua tv. Já era madrugada, a única opção que tinha era assistir um desses programas religiosos. Empolgou-se e resolveu no dia seguinte conferir ao vivo. *Quando chegou à tal igreja, foi recepcionada por uma jovem muito atenciosa, que acabou conquistando a confiança de Simone que já não sabia mais o que procurava. Pediram a ela seus dados e a encaminharam para o pastor. Este, depois de ouvir atentamente o lamento de Simone, sentiu que tinha nas mãos uma presa fácil, desesperada, em busca de soluções. Seu primeiro golpe foi vender a ela um bambu de 2 metros de comprimento pela misera quantia de 2000 reais, com a promessa de que – o bambu – depois de ser queimado na fogueira Santa de Israel, as bênçãos em sua vida seriam uma constante. Embora eu não concorde com a atitude do pastor, ele fez um bem a ela quando lhe disse que somente aconteceria uma mudança em sua vida se ela realmente acreditasse! Para quem sabe ler, um pingo é letra! Ele foi claro com Simone! (Somente acontecerá uma mudança em sua vida se você acreditar!). Simone ainda um pouco confusa, se despediu, agradeceu e voltou para o trabalho. Nesse espaço de tempo, o presidente da empresa decidiu mandar Simone para fazer um curso na Alemanha. A empresa tinha comprado novos equipamentos e alguém com nível superior e cargo de chefia, tinha que estudar e conhecer tudo sobre eles. Simone foi à escolhida! E mais! Depois do curso, seria promovida a diretora administrativa com poderes de vice-presidente.
Simone se surpreendeu e, ao mesmo tempo, achou que tudo isso já era a promessa do pastor cumprindo-se em sua vida. No dia seguinte, não teve dúvidas! Voltou na igreja e comprou mais um bambu! O pastor sorria de orelha a orelha! (Haja fogueira!). E disse a ela que aquilo era só o começo de uma nova fase em sua vida. Claro que tudo isso não passou de uma coincidência. Até porque, o sucesso de Simone no âmbito profissional é o resultado de sua dedicação e carinho pelo seu trabalho. Simone sempre teve bons empregos e sempre foi disputada no mercado. Mas o que importa agora é que a vida de Simone vai dar uma guinada! Simone em sua viagem para Alemanha, conheceu um engenheiro brasileiro, que balançou suas estruturas emocionais. Durante os 25 dias que Simone ficou na Alemanha, saíram todas as noites. Exatamente o estereótipo de homem que o psicólogo descrevera para Simone, era Willian o engenheiro. Um predador na cama e um gentleman como ser humano. Ambos se apaixonaram. De volta ao Brasil, no seu primeiro dia como diretora administrativa e status de vice-presidente, recebeu em sua mesa um curriculum para avaliação de um novo funcionário que assumiria o seu cargo anterior. Simone nesse dia, tinha hora marcada com a psicóloga. Arrumou sua mesa, se ausentou e dirigiu-se ao consultório. No seu primeiro dia de consulta sentiu uma forte atração pela psicóloga, que já sabendo do seu fetiche por uma mulher, se apresentou com uma roupa provocante. Simone fazia de tudo para chamar a atenção e a psicóloga a ignorava. Até esse dia, Simone nunca foi rejeitada por alguém. Mais uma vez Simone tentou ir além dos limites. Cantou a psicóloga na cara de pau. Esta por sua vez, pegou nas mãos de Simone, chegou a boca bem próxima do seu ouvido e sussurrou entre os dentes: - sou mulher, feminina, gosto de macho e, além disso, você não faz o meu tipo. Simone pela primeira vez sentia-se rejeitada e, o pior de tudo... Por uma mulher! A toda poderosa, vice-presidente de uma empresa de grande porte, linda, maravilhosa, cobiçada por todos, teve sua primeira rejeição. A médica terminou a consulta e como se nada tivesse acontecido marcou a próxima. De volta ao trabalho e ainda perturbada com a rejeição por parte da psicóloga, sentou-se em sua mesa e começou a pensar na situação. Ao abrir o curriculum que ali estava para sua avaliação, teve uma outra surpresa! Era simplesmente o curriculum de Rafael, o homem que foi a sua primeira paixão.

E agora?
Qual será a atitude de Simone diante desta situação?
De um lado vive uma paixão louca com Willian.
Por outro lado, tem nas mãos a oportunidade de ter ao seu lado como companheiro e subordinado, sua primeira paixão que ainda está presente em sua memória.
No seu interior tem a rejeição da psicóloga que foi uma punhalada fatal no seu ego.
E para finalizar, as palavras do pastor – na sua visão – estão se cumprindo!

Qual será o caminho que Simone irá seguir?


Obs: Os nomes aqui citados são fictícios. Qualquer semelhança é mera coincidência.


Comentários:
*Embora eu tenha me referido a religião, não quero aqui, fazer apologia ou tecer crítica a essa ou aquela igreja. Não poderia eu omitir fatos verídicos da história, somente para agradar a esse ou aquele. Pelo contrário, acho que todos nós temos que ter fé no ser supremo, Deus, até porque, sem ela não chegaremos a lugar algum.



Parte V



Willian – a nova paixão de Simone – trabalhava em uma multinacional e foi transferido para Alemanha por tempo indeterminado. Embora ele ligasse todos os dias, teria que ficar afastado da convivência com Simone.
A diretora administrativa – Simone – conhecia o profissionalismo de Rafael e seria muita injustiça de sua parte não contrata-lo. Rafael – já mais velho, amadurecido – prometeu a Simone que daria o melhor de si no trabalho. Porém, a convivência com Rafael balançou o coração de Simone mais uma vez! O tesão que Simone tinha por Rafael falara mais alto. Rafael estava mudado! Não queria mais saber de orgias, baladas noturnas, boates, discotecas – talvez quisesse impressionar Simone – que estava com os dois pés atrás, no seu novo relacionamento com Rafael. Simone abandonou a psicóloga e duas vezes por semana freqüentava a igreja do pastor que lhe vendera o bambu. Convenceu Rafael e o levou para igreja também. Tudo parecia caminhar rumo à felicidade, até que Rafael contratasse uma secretária executiva para o seu departamento. Uma jovem de beleza escultural, inteligente, sexy e com todos os atrativos que Rafael e Simone gostavam. Nas primeiras semanas ninguém comentou nada sobre Renata – a nova secretária – e continuaram a mesma rotina. Mas, desejo e fantasia sexual é uma tortura! Rafael teve sua primeira recaída. Lembrou-se do passado recente e resolveu viajar até ele. Boa pinta, diretor do departamento, bom de papo, não fez o menor esforço para conquistar Renata. Porém, como um bom garanhão, manteve a postura, não disse nada a Simone – que também estava tarada pela moça, mas atenta e seguindo religiosamente os conselhos do pastor – e começou um caso com Renata, às escondidas! Simone – como sempre, de olho em tudo – notou algo estranho entre os dois. Dobrou a vigilância e não deixou Renata e Rafael perceberem que a qualquer momento poderiam ser flagrados. Com a chegada de Renata, o departamento de Rafael superava todas as expectativas da empresa. Nunca esse departamento foi tão organizado e produtivo, como na gestão de Rafael. Simone como braço direito da empresa, admirava isso e ao mesmo tempo sabia que o seu subordinado, além de predador, conquistador, pós-graduado em erotismo, seria no futuro um forte concorrente no setor profissional! (Tem um velho ditado que diz o seguinte: quando seu inimigo for maior... Junte-se a ele!). A preocupação de Simone, já não era só a busca pela felicidade, pelo amor, mas também pela sua permanência no cargo dentro da empresa. Claro que Simone tinha cartas de sobra na manga, para serem usadas como coringa, todavia, teria que usa-las na hora certa! O presidente da empresa, vendo que a situação era confortável, programou uma viagem de três meses à Europa e deixou Simone na presidência. Mas os ventos da * “lestada” estavam a favor de Simone. Na primeira semana atuando como presidente da empresa, Simone fechou um contrato milionário com uma empresa italiana, que além de promover a empresa no mercado, a colocou acima de qualquer funcionário do alto escalão. Simone agora é a toda poderosa mesmo! Além disso, as ações da empresa na bolsa de valores tiveram uma alta de 300%. (Dizem que: em time que está ganhando... não se mexe!).
Simone – um dia após a realização do negócio – voltou no pastor e comprou mais um bambu! (haja fogueira para agüentar Simone!). Rafael, mesmo sendo um mulherengo, está apaixonado por Simone. (Pelo menos é o que parece ou ele faz parecer). Não mudou sua rotina, acompanha Simone em sua caminhada para igreja, namoram, fazem sexo, se desmancham em prazeres, passeiam e estão se curtindo. Simone por sua vez, curte Rafael com a cisma de que ele tem um caso com Renata. Dois meses depois, Simone preparou uma viagem a trabalho para Rafael. Na sexta-feira, como era de costume, convidou Renata para tomar um chope e colocar as fofocas em dia!

Será que Simone resistirá à tentação ou seguirá os conselhos do pastor?
Por outro lado, Simone tem que pensar na possibilidade de sofrer um processo judicial por assédio sexual. (Caso ela tente levar Renata pra cama e esta não concorde).
E Rafael? Será que está realmente apaixonado por Simone, a ponto de se submeter a participar da mesma religião?
E Renata? Será que se abrirá com a Presidente da empresa? Afinal, não é sempre que o presidente de uma empresa convida um funcionário para um drink!
Como será o final desta?

* “Lestada” é uma linguagem usada pelos pescadores e significa que o tempo vai se firmar. Daí a expressão “Os ventos da lestada”.


Obs: Entre os comentários do recanto, grupos do yahoo, fãs, leitores e amigos que acompanharam esse tema, recebi mais de 2000 comentários. Muitos deles foram elogios, críticas, outros de ansiedades querendo saber o final da história e vários tiveram uma coisa em comum. Muitos acharam o estilo do conto a la Nelson Rodrigues. Longe de pensar que minha criatividade se compara ao talento do inesquecível Nelson Rodrigues. Porém, me senti honrado! E pela boa receptividade que teve, estou traduzindo o texto para o espanhol e dois capítulos já fazem sucesso na Argentina com mais de 1000 leituras e comentários.



Parte VI – Capítulo final



Simone dessa vez foi mais cautelosa! Deixou que a razão falasse mais alto do que o tesão, que já estava na flor da pele e por pouco, quase dera uma cantada em Renata. Talvez influenciada pela rejeição que teve da psicóloga, resolveu pegar leve. Depois de umas rodadas de chopes, Renata foi uma presa fácil na mão da toda poderosa. Simone obteve uma confissão detalhada sobre o seu relacionamento com Rafael. Exatamente como tinha acontecido com Simone, Renata também passou pelas mesmas experiências sexuais. Rafael era sem dúvida, um pós-graduado em erotismo. Tinha o poder de sedução e dominava suas amantes como um Leão. Renata, no entanto – diferente de Simone – estava com Rafael não pela paixão, mas pela ambição. Rafael era conhecido no mercado profissional, pela sua brilhante atuação na área financeira de grandes empresas que trabalhara no passado. Era respeitado no meio empresarial e, Renata, recém formada em economia, obteve sucesso profissional graças ao empurrãozinho que Rafael lhe deu. Ela unia o útil ao agradável. Simone perguntou se ela tinha conhecimento do seu namoro com Rafael, ela disse que sim! Renata era tranqüila! E sob o efeito do álcool, era um livro aberto para Simone. Renata também disse a Simone que se quisesse ter relações sexuais a três com Rafael, ela toparia. Para Renata, de um lado tinha Rafael que era seu chefe – e para conseguir profissionalmente se promover, aceitava tudo de Rafael – por outro lado, estava intima e já confidente da Presidente da empresa onde trabalhava. Para ela tudo era festa! O que mais importava, era sua posição profissional e o salário que dava para comprar uns dez bambus iguais os da Simone, por mês! Simone pediu segredo a ela sobre essa conversa, tomaram todas e foram para casa. No dia seguinte, sábado, Simone começou a mexer os pauzinhos. Fez contato com uma empresa de segurança, pediu um orçamento sigiloso, em caráter de urgência e depois de uma semana, sem que ninguém da empresa soubesse, todas as salas da administração tinham câmeras escondidas. Simone preparava um flagra de Rafael e Renata sem que eles soubessem. Por outro lado, poderia se justificar em relação às câmeras, dizendo que foram introduzidas por medida de segurança, caso alguém descobrisse. Como diria Nietzsche "o poder dá o primeiro direito e não há direito que no fundo não seja arrogância, usurpação e violência". Simone, ao contrário do que parece, tem sua fragilidade psicológica, somente em relação aos seus instintos sexuais. (Se é que seu desejo sexual pode ser considerado uma fragilidade psicológica). Como profissional, é audaciosa, ambiciosa e extremamente competente. Nem por isso, abre mão do seu lado crédula ou supersticiosa. O bambu do pastor, para Simone é como se fosse um talismã. O ser humano vive em constante conflito com seus pensamentos. Se fôssemos somente instinto e necessidade, seríamos como os animais, que parecem felizes quando cumprem com seu ciclo biológico de fome e sexo. O animal satisfeito deve ser feliz. Mas, o mesmo não acontece com os seres humanos. Podemos ter ‘tudo’ e ao mesmo tempo sentir um vazio existencial; podemos sentir prazer e ao mesmo tempo colher desprazer em nossos atos demasiadamente humanos. A crença no desconhecido, abstrato, nada mais é do que a fé! Sempre que estamos em busca de alguma solução interna, apelamos para a fé no sobre natural. Simone não era e nunca foi beata! Porém, acreditou nas palavras do pastor sobre o efeito do bambu. (Esse era um particular que ela não abriria mão). Quanto mais bambu ela queimasse na “fogueira Santa de Israel” as bênçãos divinas se derramariam sobre ela. (Assim ela acreditava!). Simone continuou seu relacionamento com Rafael como se nada soubesse. Quinze dias foram suficientes para a câmera da sala de Rafael produzir um vídeo clipe erótico, dele com Renata em cima de sua mesa de trabalho. Simone chamou o diretor que tinha Rafael como seu subordinado, exibiu o vídeo e pediu a ele que tomasse as medidas necessárias em cumprimento às normas da empresa. Com a demissão de Rafael e Renata, Simone – embora afetada emocionalmente – tirou do seu caminho um concorrente profissional e abandonou de vez aquela paixão que há tempos a escravizava. Sozinha novamente começou a busca por um novo amor. Contudo, sua posição profissional consumia a maior parte do seu tempo. Rafael sofreu um acidente automobilístico e faleceu. No velório de Rafael, Simone encontra-se com Renata, discutem o passado, reatam as amizades e acabam se consolando na cama. Dessa vez não tinha nada que pudesse prejudicá-la! Aproximadamente um mês depois, o presidente da empresa perde a esposa. Seis meses se passaram e Simone começa um relacionamento duradouro com Toledo – presidente da empresa – no final do ano se casam e Renata é readmitida na empresa por um gesto carinhoso de Simone, que entendeu que ela também foi vítima de Rafael.
Toledo deixa a presidência da empresa na mão da sua querida esposa – Simone – e Renata assume o cargo de secretária executiva da presidência. Simone faz uma visita ao pastor e já deixa pago antecipadamente, a compra de 12 bambus para garantir o ano todo.

Fica uma pergunta no ar: Simone encontrou a tão desejada felicidade, ou seu destino já estava traçado?

Comentários:

Esta, embora seja uma história como tantas outras, além do seu conteúdo verídico, tem nas entrelinhas uma grande dose de reflexão.
O poder corrompe a ponto de fazer com que tudo o que você faça, seja primeiro em seu benefício e depois o de outrem. A ambição te leva ao ridículo, a ponto de fazer com que você ignore os valores sobre si mesmo, e se submeta aos caprichos dos outros.
Quanto ao desejo sexual de Simone, a psicologia diz que as diferenças sexuais,
são um incidente do simbólico e podem ser definidas como o resultado do conjunto dos movimentos psíquicos, que permitirão ao sujeito se referir ao seu próprio sexo anatômico e se posicionar como homem ou mulher.
Se Freud reconhece que sua teorização se baseia na criança do sexo masculino e que para Lacan a relação do sujeito ao fálus independe da anatomia, somos levados a constatar que a teoria psicanalítica continua bastante lacunar no que diz respeito aquilo que diferencia os sexos.


Quero agradecer a todos os meus amigos(as), leitores(as) e fãs que leram, comentaram, opinaram e tornaram este conto mais fascinante.






Vincent Benedicto
Enviado por Vincent Benedicto em 28/04/2006
Reeditado em 28/04/2006
Código do texto: T146533
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vincent Benedicto
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
477 textos (144381 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 17:01)
Vincent Benedicto