Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ele caçava Demónios


Lembra-se bem da primeira vez que viu e sentiu os seus.
Estava à beira do mar, num cair de tarde de equinócio. As vagas escuras avolumavam-se , gigantes, umas sobre as outras, como se quisessem chegar o mais depressa possível à praia para a fustigarem violentamente com a sua força demente e um barulho de fazer tremer o menos impressionável de todos os homens do mar. Tinha apenas oito anos, e desde essa altura nunca mais foi o mesmo. No meio daquela massa negra de água e do seu temível rugir, sentiu que todos os seus medos galgavam a fronteira do subconsciente e mostravam-se no seu exterior duma forma que seria esplendorosa se não possuísse em si todo o horror dos receios de um ser. A recordação foi de tal ordem que nunca mais foi o mesmo, mesmo quando via o mar calmo e dócil temia-o, pelo potencial de destruição que este possuía. Continuou naturalmente em ir à praia, sempre que podia, tanto por a amar, como para enfrentar os seus demónios; mesmo em tempos de calmaria este manifestavam-se silenciosamente, pois adepto da natação e nadador exímio, praticava esta em qualquer lugar que tivesse água, nunca tendo tido problemas, a não ser no mar, onde ia perdendo a vida uma série de vezes, tanto porque nadava para demasiado longe, como porque apanhava uma perigosa correnteza, ou por mera exaustão; o mais estranho é que já tinha nadado em alguns dos rios e albufeiras mais perigosos que conhecera, sempre arriscando, mas nunca correndo perigo. Era apenas no mar que a morte o ameaçava tocar, e era apenas no mar que os seus demónios o olhavam olhos nos olhos e lhe diziam sem palavras – “vamos vencer-te, és nosso”, e ele era, mas nunca fora vencido.
Ao crescer ele deu consigo atrás duma vulgar secretária, a várias centenas de quilómetros do seu medo, mas por estranho que pareça deu consigo a ser o depositário de mágoas e de horrores de quem o rodeava, ou com apenas se cruzava nem que fosse casualmente, nem que fosse por breves segundos. O seu olhar inspirava uma calma enorme a quem lidava com este homem, da sua voz tranquila saíam palavras doces capazes de mitigar qualquer drama, de desanuviar qualquer realidade mais tenebrosa. E ele fazia-o de forma inconsciente, pois não sabia de onde lhe viam as palavras ou a calma. Nunca estudara psicologia e muito menos tinha noções, mesmo que básicas ou elementares da ciência de mente, ele não percebia nada dessa ciência, e no entanto era um mestre…Conscientemente sentia-se assustado com as histórias, com os relatos que ouvia, mas no entanto, quando a atitude mais acertada seria remeter-se para si próprio e afastar-se de tudo aquilo, uma força branca fazia-o ouvir, escutar, fazia-o falar, fazia dar a paz a quem a procurava.
Não havia uma razão para isso, a não ser talvez pequenos indícios: homem sociável e de bom trato, optara por viver só, por ter o mínimo de amarras sociais e afectivas. À noite não via televisão, não ia ao cinema, saia uma vez por outra para alimentar o corpo de afectos temporários e tinha apenas o telefone sempre ligado para o caso dos Demónios dos outros esbarrarem em si, dissiparem-se em si. Uma vez por semana ia ao mar, fazendo uma directa e observando-o longa e calmamente até o dia raiar, a olhar para os monstros escondidos.
E ouvia, ouvia sempre cada vez que estava ao lado do mar, vozes que vinham dentro dele e lhe repetiam duma forma incessante “vamos vencer-te, és nosso”
E ele sabia que assim como de certa forma tinha renascido numa noite de equinócio, numa noite de equinócio havia de morrer, mas não hoje.
Ele caçava Demónios

Conto protegido pelos Direitos do Autor
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 30/04/2006
Código do texto: T147911
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5077 textos (170314 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 07:43)
Miguel Patrício Gomes