Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM GOL DE BICICLETA

1956. Era no mês de janeiro. O verão enchia de sol os campos. A luz que brilhava no ar contagiava de alegria as flores, os pássaros, as pessoas, tudo. Era a festa do verão nas plagas benfazejas de Conceição de Jacuipe. No entanto, no meio daquela orquestração de luz e cores e de alegrias, ele estava com o seu coração cheio de dúvidas e cheio de saudade. Um coração de jovem apaixonado que precisava ver nos olhos de sua amada o brilho da esperança, que seria – mais do que a luz do sol, mais do que a luz de todas as constelações – a única que faria inundar de clarões os cômodos de sua alma.
          Ele estava hospedado em casa de sua tia predileta, que lhe acolhia com todo carinho, assim como todos da casa, inclusive seu primo Lauro que possuía uma bicicleta, pela qual tinha um zelo  todo especial, guardando-a sempre  em perfeito estado de conservação e limpeza, para os seus passeios de fins de semana, em virtude de trabalhar numa agência bancária em Santo Amaro, só dispondo dos sábados e domingos para o seu lazer e gozo daquele tão aprazível veraneio. Lázaro, entretanto, apesar dos agrados e de sentir-se muito bem na companhia de sua  tia que ele amava e que admirava pela capacidade que ela tinha de dar-se, inteira e completamente, a todos que  a  rodeavam   –  alunos ,  irmãos ,  sobrinhos ,  filhos adotivos  – Lázaro não estava feliz. O seu coração  viajava  por  outras  paragens  à  procura  de  sua amada que, sonhava ele, talvez estivesse na bucólica Boa Vista, onde morava, suspirando  de amor e de saudade. Levantou-se pela manhã, aos primeiros raios de luz que lhe varreram o aposento, depois de uma noite entremeada de sonhos e  de desejos. Era numa quarta-feira.
Ao passar pela sala em busca do banheiro, deparou-se com aquela bicicleta, bonita, brilhante, escovada, cheia de enfeites e balangandãs  que pareciam argolas pingentes; Toda embonecada para o seu dono que só chegaria no próximo sábado. Veio-lhe, naquele momento, uma idéia macabra. Mas logo a tirou da mente. – Não, não irei de bicicleta... afinal são 50 quilômetros de estrada de chão, como irá chegar essa pobre boneca?
Todavia a terrível idéia continuou lhe perseguindo o dia inteiro toda vez que ele passava junto à dita cuja, e a via ali parada, inerte, inútil. À noite, a Papa Ceia ainda brilhava no céu azul e ele já se recolhia aos aposentos. Se não para dormir, mas para sonhar e curtir uma saudade imensa.
             Aqui e acolá a idéia da bicicleta lhe vinha, sorrateira, mas não tão macabra como antes. Já começava a achar que aquele embonecado e inútil brinquedo poderia prestar uma boa ação levando-o à sua amada, que poderia estar, ansiosamente, com os olhos fitos no caminho.
Quando conciliou o sono, e talvez por isso mesmo o tivera conciliado, já estava decidido que sua idéia em vez de tão somente macabra era, também, luminosa e divina.
Os primeiros sinais do sol já o pegaram em plena viagem, num caminho que seria longo e áspero, rumo à Fazenda Boa Vista – pequenina gleba rural cravada á margem do rio Pojuca, no município de São Sebastião do Passé – contudo a sua alma, ansiosa e leve, só lhe mostrava, em volta, a paisagem luzente e exuberante. Mas a pobre bicicleta, coitada, que já começava a sentir as agruras do caminho, preocupava-se com o que seria de seu dono no próximo sábado.
Cego aos obstáculos, e cheio de mocidade, destreza, robustez, ansiedade, aquele mancebo apaixonado fazia daquelas duas rodas um ciclone que deixava para traz quilômetros de estrada empoeira. Aqui e acolá caia um enfeite, um brinco, um balangandã da beldade de seu primo Lauro. Lázaro, em verdade, também já começava a se preocupar vendo todos aqueles adereços esboroarem-se pelo caminho. Mas logo lhe veio uma frase que ele estava acostumado a ouvir de sua própria tia: “Meu filho, quando as coisas não têm jeito o jeito já está dado”. Então, absorvendo como nunca aquele aforismo, ganhou alma nova e pedalou com mais vigor rumo ao lugar onde residiam os seus sonhos.
O sol já procurava o zênite quando, a duras penas, ele avistou a terra prometida. O coração esperneou dentro do peito na ânsia de querer chegar primeiro. Mas a razão falou-lhe baixinho:  – Não vos precipiteis!
Lázaro – exausto da caminhada – e a bicicleta de Lauro – quase um cacareco – iam, agora, devagar como se sondando o terreno absolutamente desconhecido.
A casa era pequena, remansosa e rústica, caracterizando uma família pequena e de parcos recursos. Esse primeiro registro, ao invés de arrefecer o ânimo do solitário viajante, deu-lhe mais vigor e coragem, porque vira na simplicidade de um lar uma porta aberta à hospitalidade. Lázaro estava com sorte; pareceu-lhe que naquele dia tudo ia lhe sorrir, como estavam sorrindo a natureza e os campos.
Quando aproximava-se, cautelosamente, da pequenina residência, surgira , linda e luminosa, a imagem de Margarida: Em trajes de montaria, um lenço sobre os ombros e bem próximo um cavalo resfolegante e muito bem arreado. Sem dúvida a mais bela amazonas que  os  seus   olhos  já  tinham  visto.  Antes,  porem,  de montar o seu corcel  ela também o vira chegando, e num gesto de susto pelo o inesperado, correu, ligeirinha, para casa. Logo refeita do susto, voltara para recebê-lo com a simplicidade dos pobres e com a fidalguia dos nobres. Seus familiares, de chofre, começaram a chegar – pais, tios e tias, primos e primas. A casa se encheu de todos os parentes  e  de todos  os  aderentes  que vieram conhecer o “colega” de Margarida, como lhes tinha sido apresentado. Lázaro nunca se vira recebido por tanta gente e perscrutado por tantos olhares curiosos. Ninguém engoliu o “colega”; Mas Lázaro causou uma boa impressão a todos e voltou para Conceição de Jacuipe certo de que tinha feito, literalmente, um belo gol de bicicleta.
A bicicleta de Lauro? Que bicicleta? Não vamos falar sobre isto. Esta é a parte macabra da idéia.

Raymundo de Salles Brasil
Enviado por Raymundo de Salles Brasil em 10/05/2006
Código do texto: T153498
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Raymundo de Salles Brasil
Salvador - Bahia - Brasil, 83 anos
237 textos (6826 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:54)
Raymundo de Salles Brasil