Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Peitos novos


 
Sabe quanto custa um par de peitos novos? Pois é, o espelho acusava que os dela já tinham ido. Olhavam descorçoados para o chão o tempo todo e com isso não se conformava. Informou-se, procurou o SUS, convênios médicos, mas nada, seu caso não era de risco, portanto, convênio não cobria a cirurgia plástica e o SUS então, nem se fale... Bem, não era de risco porque não eram eles que todo dia tinham que olhar para aquilo ali, daquele jeito. Altamente depressiva a cena. Não suportava mais, tinha que dar um jeito. Levantou a cabeça e foi à luta. Comprou seu mais novo cofrinho e jurou que dali tiraria seus novos peitos.
 
Era secretária em um escritório de contabilidade. Além do seu trabalho resolveu que faria uns "bicos" para ajudar na mais nova aquisição. Pronto, lá foi ela! Meteu-se em artesanato. Mal chegava em casa e já ia pegando suas peças de gesso. Pintava anjos, santos, imagens no geral, fazia sabonetes, velas, costurava mantas e coisas do tipo. Finais de semana, faxina. Não em casa, mas nas casas que lhe pagavam pelo serviço, além de se colocar eventualmente como babá.
 
Tanto fez que um dia o cofrinho encheu e lá foi a moça atrás do médico, aquele que todo mundo falava que sabia fazer peitos como ninguém. Marcou uma consulta, pagou toda dona de si e foi para decidir o que seria sua felicidade. Tudo acertado e sentiu-se a mais feliz das mulheres. Nem mesmo a volta da cirurgia, sabe aquele momento quando o efeito da anestesia vai passando e a dor aumentando, o estomago enjoando, nem mesmo esse momento foi suficiente pra lhe tirar a alegria. Havia conseguido realizar seu sonho e, mal conseguindo se ajeitar em pé, foi assim toda meio dura apoiando-se pelas grades da cama - pois se mexer ali no caso era quase impossível - procurar um espelho, pois precisava ver a grande obra, seus novos peitos. Não foi naquele momento o encontro dela com a imagem tão esperada, precisou ser adiada por alguns dias. Assim que pode ver, deparou-se com o que lhe cairia como a imagem mais linda que seus olhos já viram. Embora toda roxa e cheia de hematomas, o importante é que estavam ali, prontinhos e olhando pro céu.
 
Feliz, volta ao trabalho. Vestiu-se de forma sensual, saia justa, salto alto e uma blusa que... E agora? Parou e pensou no quanto havia investido nos novos peitos. Quem os veriam? Ela já não bastava, precisava mostrá-los a todos, afinal, lhe custou muito caro e quanto não trabalhou para aquela nova aquisição. Sapatos, roupas, jóias, casas, carros, tudo o que se compra tem como ser mostrado, aliás, as pessoas adoram mostrar tudo o que compram, ela também tinha que dar um jeito de mostrar a todo mundo os peitos novos que comprou com tanto sacrifício...
Tentou várias blusas. Blusas coladas, decotadas, transparentes, mas não, nenhuma iria mostrar o tanto que queria os peitos que estavam tão lindos e tão novos. Investiu em uma blusa decotada e um pouco transparente. Caprichou na lingerie e foi esperando pela recompensa dos comentários. Chegou no escritório na maior expectativa da sua vida. Esperou o dia todo e nada, nenhum comentariozinho sequer.
O ser humano é muito cruel. As mulheres não comentaram porque eram invejosas e não queriam dar o braço à torcer diante dos peitos perfeitos de outra mulher. Os homens olhavam discretamente, assim de rabo de olho, escondidinho sabe, porque achavam que deveriam manter o respeito. Quase o horário de sair, terminando expediente e nada... Voltou pra casa, olhou-se no espelho como sempre fazia e ficou feliz com o que viu e percebeu que o que importava de fato era sua própria realização. Naquele momento não importava mais os comentários que lhe negaram, mas sim a felicidade que sentia. Conseguiu o que parecia impossível no início e isso já lhe bastava.
 
Oito horas da noite, toca o telefone, um convite pra jantar. Seriam os novos peitos? Aceita. Do encontro o namoro, noivado, casamento. Ainda hoje pensa se tudo aconteceu pelos peitos que conseguiu ou porque tinha mesmo que acontecer. Primeiro, segundo, quarto filho e chega, já não quer mais. A família cresceu, o corpo manteve, mas os peitos, antes tão novos não agüentaram tanta gravidez. Olha os filhos, vê os peitos, olha o marido que lhe olha amando como no início e percebe que os peitos já não têm mais tanta importância pois percebe o próprio olhar admirando o amor que lhe vê através dos olhos do próprio marido.
 
O amor é lindo e ajuda fazer uma enorme economia...
 
30/04/2006
 
Aisha
Enviado por Aisha em 12/07/2006
Código do texto: T192587
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aisha
Jundiaí - São Paulo - Brasil, 50 anos
791 textos (35175 leituras)
1 e-livros (57 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:47)
Aisha