Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quem espera sempre alcança - Capítulo VI

     Um dia mamãe chegou da cidade com uma notícia:

     - Seu pai mandou soltar o tal do Rogério. - falou mamãe com um ar de superioridade.

     - "Tal" Rogério, não mamãe! É o pai do seu neto. Até que enfim, papai clareou a mente.

     - Só que ele o mandou para Brasília, só assim ele fica bem longe de você e da criança. - disse mamãe.

     - Ah! Quando será que papai vai deixar desta maneira de lidar com a vida das pessoas e seus sentimentos como se fossem objetos sem importância? - falei já chorando.

     Fui para o meu quarto. Deitei-me na cama quase desesperada. De repente, senti uma pontada no pé da barriga. Chamei mamãe.

     - Eu acho que está chegando a hora!...

     Mamãe providenciou alguém para que fosse à cidade buscar o médico.

     As dores foram aumentando, aumentando... Eu pensava que ia morrer...

     Não deu tempo para o médico chegar. A criança nasceu só com o auxílio de mamãe e de Laura.

     - Dona Ana! É uma guria. Que coisa linda! - gritou Laura chorando de emoção.

     Eu tinha o rosto molhado de suor e de lágrimas. Nunca havia sentido uma emoção tão forte! Nós quatro chorávamos: Eu, mamãe, Laura e Rogéria. Sempre havia pensado em colocar seu nome fosse homem ou mulher.

     O médico chegou e só terminou o processo do parto.

     Naquele momento iniciou-se uma nova fase da minha vida.
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Enviado por Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles em 24/07/2006
Código do texto: T200979
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 58 anos
152 textos (4029 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:20)