Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quem espera sempre alcança - Capítulo VIII

     Um dia, por encanto, Rogéria já estava quase andando e nem falava nada, chegou perto de papai que estava sentado lendo o jornal no sofá e falou:

     - Vovô, vovô, vovô...

     Eu estava perto e o meu coração palpitou temendo que papai saísse e a deixasse, pois depois deste acontecimento, papai nunca mais trocou uma palavra comigo a não ser quando eu pedisse-lhe a benção. Nunca olhou para Rogéria, aliás, passava até dois meses sem vir em casa. Mamãe dizia que os negócios exigiam a presença dele, por isso que ele não tinha tempo de ficar em casa. Mas não era, era por causa de mim.

     Ele olhou para Rogéria, chorou muito, abraçando-a, apertando-a ao peito.

     Eu fiquei quieta sem me interferir. Era encontro de neta e avô, pela primeira vez.

     Papai saiu. Deste dia em diante, ele começou a vir mais vezes em casa e todas as vezes brincava com Rogéria, saía para passear com ela. Pareci gostar muito dela. Mas eu, nada. Não tinha diálogo entre nós dois...
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Enviado por Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles em 25/07/2006
Código do texto: T201533
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 58 anos
152 textos (4029 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:28)