Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Casos do Cotidiano I

                                                 Casos do Cotidiano I

Saímos em treze... número de sorte ou azar,não sei..Afinal era para termos ido a Recife e a Caruaru,conhecer as famosas festas juninas .
Levantei-me às duas horas da manhã, apreensiva, com receio de perder a hora .E na hora combinada, estava eu, no portão à espera da  Van que nos levaria ao aeroporto.
Saímos para pegar o restante do pessoal, paramos na frente da casa da Alice. Sônia bate à porta e  nada;eu acabo falando para ela: - Vamos perder o vôo.
Felizmente Alice sai e vamos à casa da Marisa, mais uns minutos, e assim fomos de casa em  casa.de repente, Marisa fala: -Sônia um  probleminha , Alice esqueceu o dinheiro debaixo do travesseiro.
Sônia, já preocupada com o atraso, pede para elas tomarem um táxi. Paramos em um ponto e fomos buscar outras pessoas, que aguardavam ansiosamente.
Chegamos ao  aeroporto Afonso Pena às 7 :15 da manhã..perdemos o vôo. A espera é grande, ficamos 5 horas aguardando solução para nosso caso; o que é pior, em pleno jogo da seleção brasileira contra o Japão.
A agência nos leva ao Hotel Deville enquanto aguardamos o desfecho da nossa triste trajetória,
assistimos o Jogo no saguão do hotel com direito a pipocas....
No dia seguinte,  retornamos ,cabisbaixas, de volta à cidade.
Um mês depois, após telefonemas mil para agência, a solução para nosso dilema; Bahia....
 Felizes,saímos da cidade  bem cedo.Não dava para acreditar...voando pela Gol, conexão em Vira Copos , mais umas horinhas na espera.
 Encontramos Paulinho,um amigo nosso, que estará se apresentando na Europa grupo de percussionistas, em setembro;  retornando da Bahia.Conversa vai, conversa vem, o tempo passa e  agora, rumo   a Salvador , com escala em Confins.
 Chegamos... .Grande Hotel da Barra , almoçamos  e fomos desarrumar nossas malas...
Mais tarde, Suellen, eu e Akemi, resolvemos dar uma voltinha pelos  arredores.Bem depressa, Akemi nos diz que seu irmão  mora perto de onde estávamos.. E lá fomos nós.
Ladeira acima, paramos perto de um conjunto de apartamentos, e Akemi começa a  gritar
:- Sílvia, Sílvia.
Nisso, aparece uma pessoa na janela e ela pede para abrir o portão eletrônico.
 Entramos , subimos as escadas e no terceiro andar, Akemi bate à porta e descobre q está no local errado. Os moradores do apartamento não conhecem nenhuma Silvia...
Descemos rapidamente as escadas. Akemi, não conformada , começa a caminhar pelas ruas tortuosas da cidade.Escurece. Ela começa a gritar por Silvia, até que em um dos blocos aparece sua cunhada  na janela. Um alívio para nós.



Lahaina
Enviado por Lahaina em 30/07/2006
Reeditado em 14/06/2015
Código do texto: T205362
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lahaina
Curitiba - Paraná - Brasil
1141 textos (39653 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:35)
Lahaina

Site do Escritor