Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MARCADA - Capítulo IV

     Há três anos morávamos em Goiânia. O dinheiro que mamãe ganhava não dava para sustentar a casa. Eu arrumei um emprego em uma lanchonete. Tinha aprendido fazer tudo quanto é salgado e doces que mamãe sabia. Tive de parar de estudar...

     No começo achei esquisito, pois trabalhava mais era à noite, eu com dezesseis anos ia para casa sozinha quase amanhecendo o dia, os homens jogavam piadinhas, pensando que era uma à toa.

     Ia tudo bem. Meu patrão, "seu" Ariovaldo, era muito bom para mim e minha família.

     À minha responsabilidade com meus irmãos eu nunca fugi. Parei de estudar e fui trabalhar para dar-lhes melhores dias.

     Cláudio dava tanto trabalho! Saía de manhã, chegava à noite, ninguém sabia por onde andava. Sempre que procurava saber ele me dizia:

     - Olha aqui, Cristina, meu pai que podia me dizer estas coisas, já morreu! Faça-me o favor de não me encher a paciência.

     Era isso toda vez que eu procurava saber.

     Tentei várias vezes fazê-lo entender que não poderia ser assim, mas ele não entendia mesmo. Foi ficando cada vez pior.
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Enviado por Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles em 31/07/2006
Código do texto: T206158
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Lúcia Flores do Espírito Santo Meireles
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 58 anos
152 textos (4027 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 02:13)